Agora são: horas e minutos - Agradeço sua presença e volte sempre

Esta pedra preciosa descoberta no fundo da terra contém um mineral que ninguém jamais viu.



Diariamente nas profundezas da Terra, os mineradores da África do Sul, trabalham nas mais famosas minas de diamantes do mundo. Mas, embora como possa parecer, era apenas mais um dia corriqueiro de trabalho, e o que os mineiros estavam prestes a encontrar, era algo extraordinário e tão surreal, de fato, que nenhum cientista jamais tinha visto acima do solo -  apesar de ser um dos minerais mais comuns do planeta.



O mundo ao nosso redor pode parecer muito familiar, mas isso não significa que ele ainda não tenha segredos. E este é um desses casos, uma história que mergulha 600 km na crosta da terra, onde existe uma terrível pressão. É de lá onde foi descoberto algo que nenhum cientista jamais viu antes.
Tudo começa com um diamante. A Mina de diamante Cullinan , também conhecida como a Primeira mina, é uma das mais famosas do mundo - é por uma boa razão. Você deve observar que em 1905, um diamante recordista foi descoberto lá. Nomeado em homenagem ao presidente da mina, o diamante Cullinan ainda é o maior diamante de gema bruto de qualidade que já foi encontrado.



Tal era a qualidade da pedra preciosa, chamou a atenção da família real britânica. Agora, partes do Diamante de Cullinan - O Cullinan I, é a Segunda Estrela da África - adornam duas peças das Jóias da Coroa. Outras seções da pedra, entretanto, são de propriedade privada da rainha Elizabeth segunda. Mas o Diamante Cullinan, não foi a única grande descoberta que foi feita ao longo da vida dessa Mina. Na verdade, ela possui vários registros.



25% de todos os diamantes do mundo com mais de 400 quilates foram encontrados em Cullinan. E entre a coleção está outro recordista. Sim, o diamante Herdeiro descoberto no local atualmente detém o prêmio do diamante bruto mais caro já vendido. A pedra foi vendida em 2010 e arrecadou incríveis $ 35 milhões em leilões. Além do mais, a mina é também a principal fonte mundial de diamantes azuis.



No entanto, enquanto a Mina Cullinan pode ter produzido alguns dos maiores e mais caros diamantes do mundo, talvez a descoberta mais importante feita lá não tenha nada a ver com o tamanho ou o valor da rocha. Em vez disso, diz respeito a algo contido em uma das pedras preciosas. Um fragmento de mistério que poderia ter tido  uma construção de um bilhão de anos.



Você provavelmente nunca ouviu falar em perovskita de silicato de cálcio, e com boas razões. Você vê, o composto químico é normalmente encontrado apenas cerca de 640 km abaixo da superfície. É, no entanto, acredita-se que o mineral seja o quarto mais abundante do planeta. Mas, até recentemente, os cientistas nunca tinham conseguido ver uma amostra do mineral na forma que ele contém nas profundezas da estrutura da Terra.
Mas enquanto a maioria dos diamantes é formada entre 160 a 200 km abaixo da superfície do planeta, o que está no coração desta história é diferente. É o que os cientistas chamam de diamante “super-profundo” e, segundo suas melhores estimativas, foi formado a mais de 700 km de profundidade. E esse fato é a chave para a descoberta incrivelmente emocionante que está dentro da rocha brilhante.



Você pode observar que, o diamante foi formado em torno da mesma profundidade onde você esperaria encontrar perovskita de silicato de cálcio. Muito abaixo da superfície, onde a pressão é quase 250.000 vezes mais forte do que no nível do mar. E como a imensa pressão criou a gema, ela também prendeu um pedacinho do mineral dentro dela.
Então, quando o diamante subiu na mina, ele trouxe consigo uma partícula de perovskita de silicato de cálcio. E de acordo com o cientista Graham Pearson, da Universidade de Alberta, a descoberta do mineral é um marco real.



O professor de geoquímica, Pearson é co-autor de um estudo que explora os mistérios do diamante. Em um comunicado a Newsweek , Pearson disse: “Ninguém jamais conseguiu manter este mineral estável na superfície da Terra. A única maneira possível de preservá-lo na superfície da Terra é quando ele está preso em um recipiente inflexível como um diamante. ”Quando você olha para os números sobre a perovskita de silicato de cálcio, é quase incrível que ninguém tenha visto isso antes.



E Pearson explicou na declaração, desta vez citada pelo instituto Smithsonian , que pode haver “tanto quanto zetta toneladas dessa perovskita na Terra profunda” . O que é uma zetta? Bem, em termos simples, é o 1 seguido por 21 zeros. Isso é uma enorme quantidade de perovskita à espreita abaixo da superfície, e isso torna o fato de que esta é a primeira vez que os cientistas conseguiram colocar os olhos no mineral ainda mais surpreendentes.



Mas enquanto os cientistas sempre pensavam que a perovskita era abundante, essa estimativa mais precisa só foi possível graças à recente descoberta na Mina de Cullinan. De fato, embora especialistas estejam tentando estudar o mineral desde a década de 1960, a natureza instável da perovskita frustrou as tentativas anteriores.
Já em 1975, os cientistas conseguiram sintetizar perovskita no laboratório. Estudar amostras que ocorrem naturalmente, no entanto, provou ser quase impossível. Em vez disso, os cientistas tiveram que usar algo chamado aquecimento a leiser  das células de diamante  para pesquisar o que aconteceu com o mineral sob condições de manto inferior. Mas com essa nova descoberta, tudo isso mudou.



Sim, a descoberta levou a uma série de novas idéias e pesquisas que vieram à tona. Uma dessas áreas de investigação diz respeito ao que acontece com a crosta embaixo do oceano. Pela primeira vez, cientistas têm um vislumbre de como os ciclos de carbono do planeta funcionam de maneira prática. Assim observa-se que, a perovskita neste caso iniciou sua jornada profunda por ondas.
De acordo com Pearson, os elementos que entraram para fazer parte do mineral começaram a vida como parte da crosta oceânica. "Quando isso é subduzido no manto da Terra", ele explicou em comunicado, citado pela National Geographic , "ele se mantém até se transformar nas fases minerais de pressão cada vez mais altas ” . Ao longo de vastos períodos de tempo, os elementos são transformados em outra coisa.



E esta não foi a primeira vez que Pearson ajudou a fazer uma descoberta científica baseada em diamantes. De fato, em 2014 ele estava por trás da descoberta da ringoodite - o quinto mineral mais abundante do planeta. Foi uma descoberta importante e mostrou que poderia haver uma enorme quantidade de água no manto da Terra.
A história da perovskita de silicato de cálcio encontrada no diamante está longe de terminar. Esperançosamente, não será a última descoberta surpreendente feita em pedras preciosas retiradas da Mina Cullinan. Mas ainda há muito trabalho a fazer para determinar certas coisas sobre esse achado mais recente.



Para começar, eles ainda não têm certeza da idade do diamante. De acordo com Pearson, a pedra pode ser “bem jovem ou ter um bilhão de anos”. Além disso, essa investigação é apenas parte de uma iniciativa de pesquisa destinada a coletar informações de diamantes. “Temos um programa que busca diamantes super profundos com o objetivo de obter informações”, explica Pearson.
Além disso, ele sugere que o achado na mina de diamantes é um exemplo brilhante de como a ciência moderna funciona. “Você constrói sobre previsões teóricas - neste caso, de sismologia - e de vez em quando você é capaz de fazer uma observação que realmente prova que a teoria funciona”, afirma. E, nesse caso, essa observação  foi cortejada de uma joia reluzente de centenas de quilômetros abaixo do solo.

Fonte


Via: https://universoufovni.blogspot.com.br/2018/04/esta-pedra-preciosa-descoberta-no-fundo.html

Postagens mais visitadas deste blog

Porquê tomar o Cloreto de Magnésio P.A.?

Homem constrói rádio chamado ''espírito de Tesla'' adivinha o que acontece quando ele é ligado? Assustador...

ÍNDIA - Cientistas Criam Cruza de Humano com Gorila, Nascendo Bebê Híbrido!!

Você já percebeu seu olho pulsando? Saiba o motivo disso acontecer

Cérebro Quântico: Somos computadores quânticos biológicos?

Inacreditavel descoberta : Desenhos antigos encontrados na Índia parecem representar naves extraterrestres (Vimana)

Células se movendo através de um organismo vivo - Vídeo

O que se esconde em nossas impressões digitais

Especialistas explicam como identificar a depressão e previnir suicídios entre os adolescentes