Agora são: horas e minutos - Agradeço sua presença e volte sempre

Alguns medicamentos comuns são ligados a 30% maior risco de demência, mesmo quando tomados 20 anos antes do diagnóstico

























Por , em 26.04.2018

Novo estudo britânico sugere que algumas classes de drogas anticolinérgicas – particularmente as usadas para tratar depressão, doença de Parkinson e incontinência urinária – podem levar a um risco maior de demência.
Não é de hoje que os cientistas sabem que o uso prolongado de certos medicamentos pode afetar negativamente a cognição. Alguns anticolinérgicos são perigosos neste sentido: podem levar a um risco 30% maior da condição.
Um artigo sobre a pesquisa foi publicado na revista científica British Medical Journal.

O risco

Os anticolinérgicos funcionam bloqueando os efeitos da acetilcolina, uma substância química liberada pelas células nervosas para enviar sinais a outros nervos e músculos.
Tais remédios são prescritos para 20% a 50% de idosos nos Estados Unidos, para tratar uma variedade de condições neurológicas, psiquiátricas, gastrointestinais, respiratórias e musculares. No Reino Unido, 34% a 48% dos adultos mais velhos os tomam.
O novo estudo analisou o risco de demência em cerca de 350.000 idosos no Reino Unido. Os pesquisadores descobriram que as pessoas que tomaram por um ano ou mais certos tipos de anticolinérgicos, como os usados para tratar depressão, Parkinson e incontinência urinária, tinham cerca de 30% de aumento no risco de desenvolver demência no futuro.
Algumas outras classes de anticolinérgicos – incluindo os utilizados para asma e problemas gastrointestinais – não pareceram aumentar o risco da condição.

Método

A análise baseou-se em informações do Banco de Dados de Pesquisa Clínica do Reino Unido para identificar 40.770 pacientes com idades entre 65 e 99 anos que foram diagnosticados com demência entre abril de 2006 e julho de 2015.
Os pesquisadores compararam quantas doses diárias de drogas anticolinérgicas foram prescritas entre 4 e 20 anos antes do diagnóstico nesses pacientes, em relação a um grupo de controle de quase 300.000 indivíduos.
“No total, houve 27 milhões de eventos de prescrição. Descobrimos que cerca de 9% dos casos (de demência) haviam tomado anticolinérgicos no passado, em comparação com cerca de 6% do grupo de controle”, disse George Savva, da Universidade de East Anglia, principal autor do estudo.
Isto significa que os pacientes com diagnóstico de demência tiveram mais exposição a medicamentos anticolinérgicos durante o período de estudo.
Especificamente, os anticolinérgicos usados para depressão (por exemplo, amitriptilina), incontinência urinária (por exemplo, oxibutinina) e doença de Parkinson (por exemplo, prociclidina) foram associados a um risco aumentado de cerca de 30% de desenvolver demência. Isso significa que, se uma pessoa tem um risco basal de 10% de desenvolver demência em determinado ano, esse risco aumenta para 13% com o uso a longo prazo desses medicamentos.

Por quê?

Embora o risco aumentado de 30% seja significativo, ainda é menor do que o risco associado a outros fatores modificáveis para demência, como tabagismo, isolamento social e inatividade física.
Esses fatores de estilo de vida estão associados a um aumento de 40% a 60% no risco de desenvolver demência.
As razões exatas para a ligação entre anticolinérgicos e demência não são claras. Os cientistas sabem que os níveis de acetilcolina são expressivamente mais baixos em pessoas com doença de Alzheimer, a causa mais comum de demência em adultos mais velhos, então algumas drogas anticolinérgicas podem bloquear a atividade normal da substância em regiões do cérebro associadas à memória e à cognição, resultando em sintomas de demência.
Há também algumas evidências vindas de estudos com animais de que os anticolinérgicos podem afetar a neuroinflamação.

Recomendações

O novo estudo está entre os maiores do seu tipo e adiciona à literatura científica existente que liga o uso anticolinérgico a longo prazo com demência.
Vale notar, contudo, que a pesquisa foi de natureza observacional, o que torna difícil tirar conclusões definitivas sobre causalidade. Ou seja, ela não prova que anticolinérgicos causam a condição.
No entanto, particularmente à medida que as opções de tratamento aumentam, esses resultados dão peso à noção de que os médicos devem ser proativos na identificação de alternativas aos anticolinérgicos, se possível.
Claro, os pesquisadores não aconselham que pacientes parem de tomar medicamentos por conta própria. Eles recomendam que as pessoas consultem seus médicos antes de mudar qualquer regime de medicação, se é que precisam mesmo mudar. 

[CNN]

Postagens mais visitadas deste blog

Porquê tomar o Cloreto de Magnésio P.A.?

ÍNDIA - Cientistas Criam Cruza de Humano com Gorila, Nascendo Bebê Híbrido!!

Homem constrói rádio chamado ''espírito de Tesla'' adivinha o que acontece quando ele é ligado? Assustador...

Governo japonês está preocupado com os efeitos da vacina contra HPV, como infertilidade e paralisia

Você já percebeu seu olho pulsando? Saiba o motivo disso acontecer

PAUL PANTONE: ELE CRIOU UMA MOTOR QUE FUNCIONA COM 80% DE ÁGUA E DIMINUI MAIS DE 50% A EMISSÃO DE GASES NOCIVOS...

Inacreditavel descoberta : Desenhos antigos encontrados na Índia parecem representar naves extraterrestres (Vimana)

Radiação Cósmica De Sistema Estelar Gigante Ruma Em Direção À Terra Alerta NASA

Máfia que desviava bilhões com fraudes em julgamentos tributários espõe "gestapo fiscal" contra contribuintes