SEJA BEM VINDO - NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO
NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO

quarta-feira, 21 de junho de 2017

EUA e Rússia Oscilam à Beira da Guerra: O que não lhe Contaram


Em 18 de junho de 2017, o proeminente jornal britânico The Guardian fez uma pergunta importante: "Trump abriu a porta para entrar em conflito com o Irã?"

De acordo com o site Foreign Policy, dois altos funcionários da Casa Branca estão pressionando para ampliar a guerra na Síria contra as tropas iranianas que atualmente estão suscitando uma grande ameaça para os objetivos dos militares americanos na região.


O FP explica:

"Ezra Cohen-Watnick, diretor sênior de inteligência do Conselho de Segurança Nacional, e Derek Harvey, o principal assessor do NSC no Oriente Médio, querem que os Estados Unidos comecem a atacar o sul da Síria, onde, nas últimas semanas, o exército dos EUA criaram um punhado de ações defensivas contra as forças apoiadas pelo Irã que lutavam em apoio a o presidente sírio, Bashar al-Assad".

Felizmente, as fontes do FP indicam que mesmo os chefes militares mais tradicionais do Irã estão nervosos com esse plano, incluindo o Secretário de Defesa, James "Mad Dog" Mattis. O site FP relata:

"Apesar da posição mais agressiva de alguns funcionários da Casa Branca, Mattis, os comandantes militares e altos diplomatas dos EUA se opõem a abrir uma frente mais ampla contra o Irã e seus representantes no sudeste da Síria, vendo-lo como uma jogada de risco que poderia atrair os Estados Unidos em um perigoso confronto com o Irã, disseram as autoridades da defesa. Tal choque poderia desencadear retaliações contra as tropas dos EUA implantadas no Iraque e na Síria, onde o Teerã armou milhares de combatentes das milícias xiitas e desdobrou centenas de oficiais da Guarda Revolucionária."

O Irã tem medo de que, se os EUA não assumirem o controle após a queda do ISIS, o Irã emergirá como o vencedor dominante na guerra de seis anos da Síria. Isso é irônico, considerando que todo o propósito de lançar uma insurgência apoiada por estrangeiros contra o governo de Assad foi minar e conter o Irã desde o início.

Mais uma vez, a estratégia de política externa dos Estados Unidos se atrasou e apenas reforçou a presença do Irã na região. Os falcões de guerra nos EUA culpam-se por esse dilema, considerando que derrubaram um presidente anti-iraniano no Iraque, Saddam Hussein, e o substituíram por um governo liderado pelos xiitas que rapidamente se alinhou com o Teerã.

No entanto, tão catastrófico como uma guerra potencial com o Irã seria, há simplesmente um elefante esquecido sentando no campo de batalha do qual ninguém está falando: os militares russos.

Como o site Newsweek explicou na semana passada, os militares russos e americanos estão agora lutando contra o ISIS em Raqqa - "mas não como aliados". O fato de a Rússia estar aceitando um ataque aéreo que teria matado o líder do ISIS Abu Bakr al-Baghdadi em Raqqa, é um testemunho do fato de que a Rússia e as forças armadas dos EUA estão bombardeando a mesma área. No entanto, o fato é que eles não estão trabalhando em conjunto - longe disso.

A força aérea russa está reforçando o exército árabe sírio (S.A.A.). De acordo com uma declaração recente da S.A.A., o exército dos EUA teria acabado de derrubar um avião de guerra do governo sírio em Raqqa, que é um flagrante ato de guerra. Em resposta a esta violação da soberania da Síria, a Rússia divulgou uma declaração própria, alertando a coalizão liderada pelos EUA que agora tratará os aviões de combate da coalizão como alvos. A Rússia também suspendeu a suposta "linha direta" entre a Rússia e os Estados Unidos, que foi configurada para evitar esses tipos de cenários.

A Rússia também confirmou recentemente que os EUA, de fato, implantaram um lançador de foguetes de longo alcance na base de Al-Tanf na Síria - uma região onde nenhum combatente do ISIS está presente. Em vez disso, essa área está cheia de milícias apoiadas pelo Irã, sob a bandeira do S.A.A.

É preciso enfatizar ainda mais que a última posição da ISIS na Síria irá enfrentar a força aérea dos Estados Unidos diretamente contra a Rússia. Isso não é algo que simplesmente pode ser desvalorizado através do uso de uma linha direta, porque os EUA e a Rússia têm interesses polares opostos no país, e a derrota do ISIS está cada vez mais próxima. Uma vez que o ISIS seja derrotado, os dois rivais procurarão influenciar quem retome o controle das áreas liberadas.

Apesar do massacre em curso ter lugar em Raqqa agora, enquanto os combatentes do ISIS fogem da cidade, está ficando cada vez mais claro que o último confronto do ISIS não ocorrerá em Raqqa, mas em uma área vitalmente estratégica chamada Deir ez-Zor, que também abriga um posto avançado e isolado do governo sírio.

Como o Washington Times relata:

"Os comandantes militares em Damasco, Teerã e Moscou estão colocando sua atenção na cidade síria de Deir el-Zour e no vale circundante do rio Eufrates, como o campo de batalha para a luta contra o grupo jihadista, também conhecido como ISIS ou ISIL."

"Os comandantes da coalizão e funcionários do Pentágono dizem que o plano geral de batalha abordará a formação do Estado Islâmico em Deir el-Zour. Mas com todos os olhos fixos em Raqqa, ele continua a ser visto como as operações lideradas pela Síria, apoiadas pela Rússia, afetarão essa estratégia de longo prazo".

Mas aqui estão as notícias potencialmente devastadoras de que ninguém está falando: a Rússia já está bombardeando as áreas em torno de Deir ez-Zor em plena preparação para esta batalha. De acordo com o Independent, a Rússia afirmou que matou cerca de 180 militantes do ISIS e dois comandantes proeminentes, Abu Omar al-Belijiki e Abu Yassin al-Masri, muito perto da fortaleza do ISIS em Deir ez-Zor.

Por que a Rússia gastaria tanto tempo, esforço, dinheiro e pessoal - em face de sanções impostas pelos Estados Unidos - para sustentar o presidente da Síria apenas para Vladimir Putin se sentar e assistir, enquanto as forças apoiadas pelos americanos lutam para retomar a vitalidade das cidades sírias?

A ideia é inconcebível. A Rússia, o Irã e a Síria fizeram muitos ganhos importantes nos últimos dois anos para se sentar e permitir que os EUA reivindiquem a vitória contra o ISIS. No Iraque, uma milícia apoiada pelo Irã foi crucial para derrotar as principais fortalezas do ISIS. Na Síria, o governo sírio e seus aliados foi a entidade mais comprometida que lutava contra o ISIS no ano passado.

Além disso, pelo menos de acordo com o site RT, que é financiado pela Rússia, o Irã lançoutambém um ataque de mísseis balísticos de médio alcance em uma posição em Deir ez-Zor durante o fim de semana.

Como aliados do governo sírio, as campanhas da Rússia e do Irã têm um clima de legitimidade. O Irã está vinculado à Síria por um tratado de defesa mútua, que foi formado em 2005. O governo sírio solicitou assistência militar russa em 2015. Isso não é diferente dos membros da OTAN que prestam auxílio a um membro sitiado da OTAN, conforme exigido pelo Tratado da OTAN (ou países da OTAN reunidos em um país menor que possui um exército relativamente fraco).

Por outro lado, os EUA e seus aliados não têm base legal para operar militarmente no território sírio. A história será forçada para lembrar dessa crise atual dessa maneira. Quando se trata de uma discussão sobre como a Rússia e os EUA poderiam ter evitado que suas respectivas forças aéreas colidissem umas contra as outras no deserto da Síria, o país que não tinha justificativa legal para estar lá (e derrubou jatos do governo sírio) será o responsável.

Lembre-se disso à medida que nos aproximamos cada vez mais de um confronto global: tudo está acontecendo como parte de um jogo de xadrez geopolítico que não tem nada a ver com preservar nossos direitos, liberdades, segurança ou segurança.

Leia mais:



Especialista Denuncia a Estratégia Suja dos EUA para Destruir os Êxitos da Rússia na Síria













Fontes:
The Anti Media: US and Russia Teetering on the Brink of War: What You’re Not Being Told
The Guardian: ‘The war after Isis’: has Trump opened the door to conflict with Iran?
FP: White House Officials Push for Widening War in Syria Over Pentagon Objections
WikiLeaks: Hillary Clinton Email Archive
The Telegrapgh: Iraq war verdict: Iran is the winner
PBS: In Their Own Words: Sunnis on Their Treatment in Maliki’s Iraq
Newsweek: RUSSIA AND U.S. MILITARY FORCES ARE NOW BATTLING ISIS IN RAQQA, BUT NOT AS ALLIES
RT: Russian MoD confirms US multiple rocket launchers in Syria, fears may target govt troops
The Anti Media: The UN Just Accused the US of Killing 300 Civilians Since Last Week in Raqqa
The Anti Media: US Deploys Long Range Rocket Launcher for War With Syrian Government
Washington Times: Last stand for Islamic State likely to be miles away from Raqqa
The Indepenent: Russia claims it has killed two more Isis commanders in Syria air strikes
Newsweek: WHITE HOUSE AND PUTIN AMONG BIGGEST CRITICS OF RUSSIA SANCTIONS BILL
Time: Iraq Liberates Fallujah From ISIS. Now the Hard Part Begins
The Anti Media: Report: What Happens next If the U.S. Overthrows the Syrian Government
The Guardian: Iran and Syria confront US with defence pact
AFJ: Pipeline politics in Syria


Via > http://www.anovaordemmundial.com/2017/06/eua-e-russia-oscilam-a-beira-da-guerra-o-que-nao-lhe-contaram.html

Siga este Blog

Postagem em destaque

Agora é real, NIBIRU está chegando, e já é visto a olho nu.

Olá amigos, desculpem a ausência. Estou muito mais ativo no meu mural Facebook, e também no nosso grupo do Facebook também, mas vamos lá...

NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO

POSTAGENS MAIS VISITADAS

Disso Você Sabia ? no Facebook