NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO
Seja Bem Vindo

Siga este Blog

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Segredos ocultos e proibidos da sociedade secreta nazista VRIL

A melhor organização de inteligência do mundo ser a nazista não foi a menor dessas revelações. Também foi descoberto um arquivo de pesquisa maciça e meticulosa sobre sociedades secretas, pesquisa sobre metafísica, genética, energia alternativa e outras atividades científicas que espantou e atiçou a imaginação do comando aliado sobre o conhecimento que a alta cúpula do nazismo possuía. Ainda mais espetacular foi descobrir uma teia inteira de fábricas subterrâneas de foguetes e, especialmente, discos voadores com uma tecnologia alienígena, de energia livre, antigravidade, a construção do primeiro avião com motor à jato…. etc
Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch
Segredos ocultos e proibidos da sociedade secreta nazista VRIL
Depois da Segunda Guerra Mundial e da subsequente ocupação da Alemanha, os comandantes militares aliados ficaram surpresos e espantados ao descobrir a profundidade penetrante dos segredos de Estado cuidadosamente guardados pelo regime nazista da Alemanha e as suas sociedades secretas.
O Messerschmitt Me-262 Schwalbe (“Andorinha”) foi o primeiro caça a jato a entrar em uso operacional no planeta. Estava anos à frente em termos de projeto e desempenho, porém, não teve a devida prioridade, chegando tarde demais para mudar o curso da guerra. Os motores a jato, razão do elevado desempenho, apresentavam pouca confiabilidade, causando muitas baixas. As primeiras unidades a utilizá-lo operacionalmente foram de bombardeiro (por ordem de Hitler, os aviões foram modificados para carregar bombas), apresentando resultados sofríveis, devido à alta velocidade de aproximação. Somente em 1944 foram utilizados na sua função natural de interceptador, com alguns sucessos frente aos numerosos bombardeiros e caças aliados.
Ainda mais espetacular foi descobrir uma teia inteira de fábricas subterrâneas de foguetes e, especialmente, discos voadores com uma tecnologia alienígena, de energia livre, antigravidade, a construção do primeiro avião com motor à jato, o Messerschmitt Me 262e que ainda desafia as crenças comuns da massa ignorante e manipulada.  
Um submarino U-Boat Classe IX, o mais usado pela Marinha Alemã na Segunda Guerra Mundial
As frotas de submarinos extraordinários (U-Boats) desaparecidas que possuíam a mais avançada tecnologia submarina do mundo deixaram muitos se perguntando se os nazistas escaparam com mais segredos ou até mesmo com o próprio Hitler.
Por trás de todos esses mistérios estava um elemento ainda mais profundo: uma ordem secreta conhecida como iniciada como a Ordem do Sol Negro, uma organização tão temida de que agora é ilegal até mesmo imprimir seus símbolos e insígnias na Alemanha moderna. 
O símbolo nazista para o SOL (Schwarze Sonne) NEGRO
Suas raízes são originárias da Sociedade VRIL, que começou em torno da mesma época que a Sociedade Thule, quando Karl Haushofer fundou o “Bruder des Lichts”, que significa Irmãos da Luz, às vezes chamado Luminous Lodge.
Enquanto a Sociedade Thule acabou se concentrando principalmente em agendas políticas e materialistas, a Sociedade VRIL colocou sua atenção no “Outro Lado do VÉU”. Este grupo foi rebatizado eventualmente VRIL-Gesellschaft (Sociedade VRIL) como levantou-se na proeminência e uniu três outras sociedades principais:
  • – Os Senhores daPedra Negra, (Ordem Teutônica)
  • – OsCavaleiros Negros, da Sociedade Thule
  •  O SOL (Schwarze SonneNEGRO, o ramo de elite da S.S. (SchutzStaffel– Tropa de Elite)
Quando as sociedades secretas alemãs surgiram após a Primeira Guerra Mundial, as principais autoridades e eruditos mundiais na área de Arqueologia, História e Lingüística, especialmente em relação às línguas antigas, a antiga Suméria e Babilônia, eram principalmente todos alemães.
Uma médium croata, chamada Maria Orsic começou a receber mensagens em uma língua desconhecida e não conseguiu transcrevê-las, então começou a se reunir com membros-chave dessas sociedades nazistas, juntamente com outras mulheres médiuns.
As mensagens supostamente vinham de seres alienígenas, cuja origem era o sistema estelar (Solar) de Aldebaran, uma estrela (sol) gigante laranja localizado a cerca de 65 anos-luz de distância e situada na Constelação (Alfa) do Touro, que acreditavam ter dois planetas que formavam o “Império Suméria”.
No império sumério, diziam-se que existiam duas classes de habitantes – a raça ariana ou original “pura”, e uma raça subordinada que tinha se descentralizado, ou se desenvolvido de forma negativa, como resultado da mutação genética provocada pelas mudanças climáticas provavelmente devido a precipitação de radioatividade nuclear no planeta. Citação do livro de Peter Moon “The Black Sun”
“Meio bilhão de anos atrás, os arianos (conhecidos como Elohim ou Raça Antiga) começaram a colonizar nosso sistema solar na medida em que seu sistema em Aldebaran tornou-se inabitável. O planeta Marduk (MALDEK), cuja órbita original ficava no que é hoje o cinturão de asteroides, os restos de sua explosão, foi o primeiro planeta de nosso sistema solar a ser colonizado, em seguida, foi Marte. Quando chegaram à Terra, esses arianos eram conhecidos como os sumérios”.
Comparação entre os tamanhos de nosso sol e o de Aldebaran, estrela alfa da Constelação do Touro
Aqui está um resumo mais detalhado das mensagens que a principal médium da sociedade VRIL Maria Orsic recebeu ao longo dos anos e que formaram a base para todas as novas ações da VRIL-Gesellschaft, compilado pelo autor Jan van Helsing. Este material não é ficção científica, mas representa verdadeiramente o que estava acontecendo no Núcleo Interno de Thule e Vril. Deve ser enfatizado ao leitor que mesmo se você não acreditar em uma palavra disto, é irrelevante. Eles acreditavam e criaram pelo menos duas sociedades secretas muito complicadas em torno dela – e essas sociedades se tornaram bastante poderosas e influentes:
“O sistema solar de Aldebaran é um sol em torno do qual giram dois planetas que foram habitados que formaram o império SUMERAN. A população do sistema de Aldebaran é dividida na raça “pura” original de povos (Aryans) e em diversas outras raças humanas que tinham sido desenvolvidas pela mutação genética da população principal por causa das mudanças climáticas causadas pela radioatividade da guerra nuclear nos planetas. Quanto mais as raças se misturaram, menor o desenvolvimento espiritual dessas pessoas que regrediram coletivamente, o que levou à situação de que quando o sol Aldebaran começou a se expandir não poderiam mais manter a tecnologia de viagem espacial de seus antepassados e não poderiam mais deixar os seus planetas por conta própria.  As raças geneticamente degradadas, totalmente dependentes da raça-mestra ariana, tiveram de ser evacuadas e foram trazidas para outros planetas habitáveis.
Apesar de suas diferenças físicas e culturais, todas as raças respeitavam umas às outras e não interferiam umas com as outras, nem os chamados povos geneticamente “puros” nem as raças híbridas mutantes. Cada um respeitando que os outros apenas tiveram seus próprios desenvolvimentos [em contraste com o que acontece na Terra]”.
Maria Orsic, a bela e principal médium da Sociedade VRIL, quem entrava em contato com os seres do sistema solar de Aldebaran, pelo meio do qual os nazistas receberam notáveis conhecimentos e desenvolveram novas tecnologias.
Os membros da Sociedade VRIL acreditavam que os arianos de Aldebaran desembarcaram na Terra após vários cataclismos globais, quando o planeta tornou-se lentamente habitável novamente na região da Mesopotâmia. Restabelecendo a civilização, formaram a nobreza governante dominante dos sumérios e de várias outras sociedades primitivas, governando através de uma linhagem de elite  e um sistema de castas segregadas; e o cruzamento Inter-racial (a mistura de sangue) era estritamente um tabu e proibido.
Dizia-se que as médiuns da sociedade VRIL também receberam informações precisas sobre as civilizações dos planetas habitados situados ao redor do sol Aldebaran e uma viagem de ida só estava prevista para partir para as Plêiades para se reunirem novamente.
De acordo com as crenças volkisch, os arianos haviam criado uma alta civilização que existiu há séculos e foi destruída por – e aqui a mitologia é nebulosa – ou o derretimento do gelo no final da última era glacial (13.000 anos atrás) ou o início da era glacial. A casa original dos arianos era Thule, nos confins mais setentrionais (hoje o polo norte) da Terra. Aquele país quente foi inundado e gelado, com a raça avançada encontrando abrigo num santuário subterrâneo em enormes cavernas subterrâneas naturais. 
Reprodução de estátuas dos deuses arianos brancos e de olhos azuis encontradas em antigas culturas da Terra
A fusão ocorreu durante os últimos anos do Pleistoceno, de aproximadamente 110.000 a 12.000 anos atrás. Durante este período, houve várias mudanças entre o avanço e o recuo das geleiras. A extensão máxima da glaciação neste último período glacial foi aproximadamente 22.000 anos atrás, quando o nível do mar estava 400 pés (cerca de 120 metros) mais baixo no mundo inteiro.
O “ramo meteorológico” do Ahnenerbe nazista (Nota de Thoth: Ahnenerbe Forschungs – und Lehrgemeinschaft, conhecida como Ahnenerbe [do alemão, significando Comunidade para a Investigação e Ensino sobre a Herança Ancestral] era uma organização nazista do aparato do Estado do Terceiro Reich, fundada para realizar e divulgar investigações em apoio a essa ideologia e a suas teorias sobre a suposta superioridade da raça ariana. Foi declarada organização criminal em 1946.) encabeçada pelo Dr. Hans Scultetus, estava se concentrando nas previsões meteorológicas sobre a cosmologia do gelo mundial. As previsões da Ahnenerbe ocorreram ao longo de muitos milênios.
Scultetus estava interessado no panorama geral, em saber como o clima iria mudar a longo prazo. Ele queria saber como o clima da Terra iria mudar quando a deusa do Sol, para usar a analogia volkisch, deslocasse sua atenção e seus raios dourados da Terra para o outro planeta que merecia mais atenção de sua parte – Marte. 
Os nazistas acreditavam que o gelo nos pólos representa o estado original da Terra, não a sua morte invernal. A teoria do Fogo e do Gelo sustentava que era o Dilúvio, e não o gelo, que significava os Últimos Dias da Terra. Era uma era do mal, e uma Nova Era seria trazida (pelos nazistas alemães) para restaurar uma  nova idade de ouro. 
Enquanto isso, se os nazistas não pudessem prevalecer, levariam seu sangue a Marte, que, de acordo com a crença volkisch, era o lar original da humanidade antes de habitarmos a Terra. Marte era um tipo de terra de Thule levado a extremos planetários. O nome Thule, ou “Última Thule”, refere-se à capital do lendário país polar Hyperborea, que também supostamente estava no portal da “Terra Oca“. Tradicionalmente, os hiperbóreos estavam em contato com extraterrestres ou “culturas alienígenas”, e participaram de cruzamentos interraciais.
Em comum com os habitantes lendários de Atlântida, os Hyperboreos estiveram envolvidos em guerras com civilizações vizinhas. Isso aumentou o uso de armas atômicas, resultando em uma vitória de Pirro para os hiperbóreos, que, além de derrotar seus inimigos, virtualmente também se auto destruíram no processo.
A localização da mítica terra de Hyperbórea
Os Hiperbóreos sobreviventes foram logo confrontados com a perspectiva de mutação genética pela elevada radioatividade e de outra forma danificada raiva descendência. Mostrando resolução notável, aqueles que não tinham sofrido nenhum dano genético aparente, se uniram e efetivamente se retiraram do pool genético ao se mudarem e relocalizarem em imensas cavernas naturais no subterrâneos do planeta, uma espécie de auto-imposição de quarentena.
Na superfície, um ramo dos descendentes desta “raça Mãe Ariana” seminal foram os proto-Indo-europeus / iranianos que, como as ondulações em um lago, se espalharam, colonizando várias áreas do atual hemisfério norte do planeta após o Dilúvio, espalhando sua civilização agrícola e um símbolo universalmente reconhecido da divindade (a suástica 卐, cuja origem tem ligação com a Constelação da Ursa Menor).
Escoceses, (originais) Bascos, escandinavos, (originais) Guanches, (originais) berberes, os islandeses, (original) Ainu do Japão, (original), a classe dominante Iranian/indianos, (original) amarelos do deserto de Gobi, (original) tibetanos, os Faraós caucasóides do Egito, proto-gregos, um povo nativo americano, Mesoamericanos, e tribos vermelhas sul americanas; a nobreza que estabeleceu e governou todas essas civilizações eram de  origem ariana.
As semelhanças linguisticas entre povos ancestrais
Essas nacionalidades díspares compartilham padrões lingüísticos, têm semelhanças mitológicas e possuem pelo menos um traço genético comum; uma grande percentagem de tipos sanguíneos fator RH-negativos. De acordo com as crenças da sociedade VRIL, um tipo de sangue característico dos descendentes dos hiperbóreos e seus associados extraterrestres.
Outras raças e povos que possuem outro tipo de sangue, o de fator RH positivo de macaco rhesus (mais de 80% da população mundial) foram considerados como tendo gradualmente se tornado racialmente impuros, como o sangue positivo de macaco rhesus (RH +) foi contaminado por gerações de contato com o simio hibridado de ADN humano.
Muito parecido com o uso do partido nazista como uma ferramenta política para promover sua ideologia de direita, os governos modernos pós-WW2 – através da erudição acadêmica e da mídia – usam a questão da raça como uma ferramenta política para estabelecer sua agenda globalista visando a implantação de uma Nova Ordem Mundial. Não é social e academicamente aceitável tentar explicar anomalias humanas genéticas que não se encaixam no modelo prevalecente “fora da África“, como as origens do surgimento do tipo sanguíneo RH negativo.
Muitos antropólogos doutrinados, políticos eleitos, celebridades e outras personalidades não qualificadas da mídia de “notícias” unanimemente insistem que não há tal coisa como uma raça. A hostilidade e a intolerância mostradas para teorias opostas apoiadas por “evidências científicas da academia” são verdadeiramente irônicas. As acusações infundadas de racismo tornaram-se comuns à medida que a teoria predominante inspirada no darwinismo é constantemente desafiada pela crescente montanha de evidências científicas conflitantes, especialmente no campo evolutivo da genética humana.
É agora cientificamente irrefutável o fato de se ter encontrado que a “espécie humana” contém uma quantidade substancial de ADN ( pelo menos 20% ) de outras populações de hominídeos não classificadas como Homo sapiens; Tais como Neanderthal, Denisovan, arcaico Africano, Homo erectus, e agora possivelmente até mesmo “Hobbit” (Homo floresiensis).
Se não for dado drogas para prevenir a morte infantil, o corpo em gestação no útero de uma mãe rhesus negativo vai atacar, tentar rejeitar, e até mesmo matar sua própria cria em gestação, se ela foi fecundada por um macho rhesus de sangue com fator positivo. O cão doméstico (Canis lupus familiaris) é uma subespécie do lobo cinzento (Canis lupus), e produzem híbridos.
Existem numerosos outros exemplos de onde duas espécies distintas (por exemplo, com diferentes números de cromossomos) também podem produzir descendência viável, mas são consideradas espécies separadas. Dito isto, a humanidade mostrou ser, geneticamente falando, uma espécie híbrida da qual nem todos compartilhavam a mesma linhagem que a academia e os eruditos aceitam como a de caçadores-coletores na África.
O seqüenciamento recente de genomas antigos sugere que a mestiçagem ocorreu entre os membros de vários grupos humanos antigos há mais de 30.000 anos, incluindo um antepassado humano ainda desconhecido. “Havia muitas populações diferentes de hominídeos”, diz Mark Thomas, geneticista evolucionista da University College de Londres.
Estudos genéticos recentes estão divulgando manchetes chocantes sobre como os antigos seres humanos “desenfreadamente se entrecruzam” e se entregaram ao relacionamento sexual inter-racial com múltiplas sub-raças misteriosas em um estilo “Senhor dos Anéis” de diferentes criaturas, incluindo o mistério do DNA nem humano e nem Neanderthal (talvez extraterrestre?), ainda não identificado.
Depois do fim da Segunda Guerra Mundial, a utopia ariana de um paraíso Thule foi completamente abolida, substituída por uma utopia igualitária que promove um mítico berço africano sub-saariano da civilização, promovido globalmente com financiamento da ONU. A hipótese “fora da África” apoiada pelas nações unidas foi universalmente adotada, muitas vezes comemorada com entusiasmo e tratada como dogma religioso em universidades que atualmente gozam de financiamento público federal ou estadual e isenção de impostos.
Diz-se corretamente que a história é sempre escrita pelos vencedores, mas a história não é o único campo que foi politicamente influenciado pelos vencedores da segunda guerra mundial. Muitos “teóricos da conspiração” alegam que há uma contínua supressão tecnológica no campo da energia livre, e que grande parte do fenômeno UFO-OVNI, especificamente a área de propulsão, não é realmente tão “não identificada” quanto é alardeada pela mídia mainstream. Um exemplo é a física utilizada por trás do dispositivo Die Glocke (alemão para “O Sino”), um dispositivo (sistema de propulsão) tecnológico científico nazista altamente secreto, uma verdadeira arma secreta, ou Wunderwaffe.
O NAZI Bell é descrito como sendo um dispositivo feito de um metal duro e pesado de aproximadamente nove pés de largura e 12 a 15 pés de altura, tendo uma forma semelhante à de um sino grande. Este dispositivo continha ostensivamente dois cilindros de contra-rotação que seriam preenchidos com uma substância semelhante ao mercúrio, dita de cor violeta, com o nome de código “Xerum 525” e cuidadosamente guardada num frasco térmico com um metro de altura revestido de chumbo.
Este Die Glocke foi ainda descrito como emitindo forte radiação quando ativado, um efeito que supostamente levou à morte de vários cientistas nazistas do projeto sem nome e vários animais e plantas expostos à radiação presente nos testes. As ruínas de uma estrutura de concreto, chamada “O Henge”, nas proximidades da mina de Wenceslas (50 ° 37’43 “N 16 ° 29’40” E) podem ter servido uma vez como uma plataforma de teste para uma experiência em “Propulsão de anti-gravidade “gerada pelo dispositivo Die Glocke (O Sino).
Reivindicações foram feitas por alguns de que o dispositivo foi considerado tão importante para Hitler que ele ordenou que 60 cientistas fossem mortos porque trabalharam no projeto apenas para proteger a tecnologia. Outros especularam que o Nazi Bell foi transferido para os Estados Unidos como parte de um acordo feito com o General SS Hans Kammler, ou possivelmente até acabou em um país sul-americano simpático ao nazismo como a Argentina.
Na década de 1930, nazistas explorando as extremidades do sul do globo construíram uma base (chamada de  base  Neuschwabenland) na Antártida. Você pode ter ouvido falar da Operação Highjump e como o Almirante Byrd teve um confronto com as forças alemãs nazistas entrincheiradas que dominaram-nos com incríveis espaçonaves do tipo UFO. Um mapa do Terceiro Reich (obtido pelas forças russas durante a Segunda Guerra Mundial) surgiu recentemente, detalhando não apenas a passagem direta usada pelos submarinos alemães para acessar esse domínio subterrâneo, mas também um mapa completo de ambos os hemisférios do reino interno de Agharta !
Após o colapso soviético em 1991, a KGB liberou arquivos previamente classificados que lançam luz sobre a misteriosa expedição Naval, a Operação Highjump, liderada pelos EUA para a Antártida em 1947. O relatório da inteligência, recolhido dos espiões soviéticos do KGB encaixados nos EUA, revelou que a marinha norte americana tinha enviado uma expedição militar comandada pelo almirante Byrd para encontrar e destruir uma secreta base nazista na Antártica.
No caminho, eles encontraram e foram derrotados por uma força aérea de UFOs alemães que destruiram vários navios e aviões, causando inúmeras baixas entre os soldados e forçando a frota dos EUA a recuar e implementar um encobrimento da mídia sobre o que realmente aconteceu até os dias de hoje.
VÍDEO COM ENTRADAS PARA OS SUBTERRÂNEOS DA ANTÁRTICA:
Oficialmente chamado de “Programa de Desenvolvimento da Antártica da Marinha dos Estados Unidos”, o componente naval da Operação Highjump era composto por 4.700 militares, um porta-aviões (o Sea of Philippines, entre os maiores porta-aviões da época) e um número de navios e aeronaves de apoio naval. A expedição naval foi comandada pelo famoso explorador polar almirante Richard Evelyn Byrd, que recebeu ordens para:
“Consolidar e estender a soberania norte americana sobre a maior área prática do continente antártico. Para estabelecer uma base, a Little America”
Mas a  expedição de Byrd terminou depois de apenas 8 semanas com “muitas mortes”, e perdas materiais consideráveis de acordo com notícias iniciais baseadas em entrevistas com membros da tripulação que falaram à imprensa ao passarem pelos portos chilenos. Em vez de negar os relatórios de pesadas perdas, o Almirante Byrd revelou em uma entrevista que eles encontraram um novo inimigo que “poderia voar de pólo a pólo em velocidades incríveis”.
As declarações do almirante Byrd foram publicadas na imprensa chilena, mas nunca foram publicamente confirmadas pelas autoridades norte americanas. De fato, Byrd não voltou mais a falar com a imprensa sobre o que aconteceu na Operação Highjump, deixando para os pesquisadores especularem por décadas sobre o que realmente aconteceu, e por que Byrd foi silenciado. De fato, a Operação Highjump sofreu “muitas baixas”, como afirmado em comunicados de imprensa iniciais do Chile, o que pode ter acabado expondo o primeiro incidente histórico conhecido envolvendo uma batalha entre forças navais dos EUA e uma força desconhecida (mas Nazista) para o público em geral de UFOs estacionados em uma base nazista secreta da Antártida.
É um fato histórico que a Alemanha nazista dedicou recursos significativos para a exploração da Antártica, e que estabeleceu uma presença pré-guerra no continente gelado durante a década de 1930, antes do início da segunda grande guerra, com sua primeira missão acontecendo no verão antártico de 1938/1939.
De acordo com uma declaração do Grande Almirante Karl Dönitz, feita ainda em 1943, “a frota de submarinos alemães tem orgulho de ter construído para o Führer, em outra parte do mundo, uma terra Shangri-La, uma fortaleza inexpugnável”. Se a fortaleza estava na Antártida, foi descoberta e construída pelos nazistas? Depois da derrota da Alemanha nazista, de acordo com várias fontes , cientistas e líderes nazistas de elite escaparam para esta impenetrável fortaleza usando os formidáveis submarinos U-boats, dois dos quais experimentaram dificuldades e se renderam na Argentina.
Mais informações:
  1. http://thoth3126.com.br/operacao-highjump-nazistas-na-antartica/
  2. http://thoth3126.com.br/nazistas-na-antartica-operacao-highjump-final-2/
  3. http://thoth3126.com.br/nazismo-operacao-paperclip/
  4. http://thoth3126.com.br/o-3o-reich-nazista-fatos-desconhecidos/
  5. http://thoth3126.com.br/eventos-incriveis-acontecendo-na-antartica/
  6. http://thoth3126.com.br/nazistas-na-antarticaum-video-russo-a-respeito/
  7. http://thoth3126.com.br/a-sociedade-thule-e-adolf-hitler/
  8. http://thoth3126.com.br/discos-voadores-dos-nazistas-alemaes/
  9. http://thoth3126.com.br/sociedades-secretas/
  10. http://thoth3126.com.br/carta-de-um-politico-da-noruega-sobrefimdostempos/
  11. http://thoth3126.com.br/serpo-zeta-reticuli-o-programa-de-intercambio-post-6/
  12. http://thoth3126.com.br/entrevista-com-um-alienigena-introducao/
  13. http://thoth3126.com.br/antartica-aberturas-e-base-nazista-neuschwabenland/
  14. http://thoth3126.com.br/nazismo-os-arquivos-secretos-da-waffen-ss/
  15. http://thoth3126.com.br/illuminati-1-revelacoes-de-um-membro-no-topo-da-elite/
  16. http://thoth3126.com.br/eua-sabiam-sobre-acordo-nazista-com-extraterrestres-de-draco/
Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.
NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO