NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO

Siga este Blog

terça-feira, 12 de abril de 2016

“Saneamento básico é a solução para combate à zika”, diz especialista

Para Lia Giraldo, pesquisadora da Fiocruz, a doença deve ser combatida com a ampliação do esgotamento sanitário
Mariana Pitasse, Brasil de Fato
Os casos de zika não param de crescer pelo país. Somente no estado do Rio de Janeiro, o número de registros da doença aumentou quase seis vezes em uma semana, passando de 4.289 em 22 de março para 24.600 em 1º de abril. Desse total, 17.799 casos foram confirmados e 105 descartados, segundo o boletim divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde.
A melhor estratégia para combate aos criadouros do mosquito, segundo a pesquisadora Lia Giraldo da Fiocruz, é a ampliação do programa de saneamento básico: esgotamento sanitário, tratamento do lixo, drenagem dos solos e, principalmente, abastecimento de água. Cerca de 90% dos criadouros são reservatórios caseiros de água, utilizados pelas populações mais pobres, que não possuem cisternas nem caixas d’água protegidas. Dessa forma, a água é armazenada em baldes, latas, tonéis e tanques expostos ao mosquito.
“A incidência de dengue, zika e chikungunya é maior nas populações mais pobres pela falta de infraestrutura dos bairros onde moram e também pela vulnerabilidade da saúde, devido ao maior contato com os pesticidas. O saneamento é a saída não só para essas doenças mas para tantas outras. A responsabilidade não é do indivíduo como apontam as campanhas e sim do poder público”, afirma.
Veneno
Para a pesquisadora, a doença ainda continua se espalhando porque está sendo combatida de forma inadequada. “Por recomendação da OMS, nossa população se expõe a venenos cada vez mais potentes, que só têm atingido à nossa saúde e não ao mosquito. A epidemia de dengue que persiste todos os anos, e agora a zika, nos mostra que essa tática não adiantou nada”, explica, destacando que, além da ineficácia e dos ricos à saúde população, os pesticidas também têm altos custos de investimento que poderiam ser melhor utilizados.
Aedes pode não ser principal vetor do zika, mostra pesquisa
Pesquisas recentes, realizadas pela Fiocruz de Pernambuco, mostram que o aedes aegypti pode não ser o principal vetor do zika vírus, mas sim o culex, que é um mosquito comum, conhecido como muriçoca ou pernilongo. O problema apontado por essa nova descoberta é que o culex se reproduz não só em água limpa, como o aedes, mas também põe ovos em água suja e esgotos. Dessa forma, a doença pode se alastrar de forma mais rápida.
Microcefalia
De acordo com a pesquisadora, a relação da microcefalia e o zika vírus ainda não pode ser afirmada, mas resultados das pesquisas da Fiocruz de Pernambuco estão caminhando para a confirmação. “Estamos diante de uma doença séria, que precisa ser tratada com mais urgência. As vacinas são realidades distantes, pois exigem anos de pesquisa. A vacina da dengue foi descoberta, mas ainda não é viável, em termos de custo para vacinação em massa. A solução urgente é o saneamento básico. Ou enfrentamos essa doença com saneamento ou teremos que conviver com ela para sempre. Precisamos exigir uma política pública de saneamento eficaz”, conclui a pesquisadora.
Imagem: Arquivo/Agência Brasil



REVELAÇÃO - Físico do CERN diz "Nós Criamos algo MONSTRUOSO e Inexplicável"

Os fatos que contamos, referem-se a um acontecimento perturbador que aconteceu há dois anos nos laboratórios do CERN. É um horrível incidente que terá lugar nos quartos subterrâneos do Large Hadron Collider (LHC), embora a relação através do qual é reconstruído o incidente deve ser avaliado com extrema cautela.

O físico chamado Dr. Edward Mantill , um dos principais especialistas do CERN no estudo de partículas subatômicas e na busca de sua interação seguinte, estaria envolvido em um acidente intrigante em 15 de janeiro de 2014 no interior das instalações em que "era definir o acelerador do CERN. O que ocorreria naquele dia poderia mudar as leis da física como a conhecemos desde de Einstein postulado 'o avançado seus teoremas. Durante um certo período de tempo os técnicos responsáveis ​​pela fiscalização do LHC tentaram esconder alguns eventos perturbadores que ocorreram na presença do dispositivo diabólico que pretende desafiar todas as leis que sempre governam o universo inteiro.

Os rumores falam de objetos estranhos que foram vistos a se materializar dentro do acelerador durante alguns testes, presumivelmente utilizados como uma espécie de portal para outras dimensões e até mesmo como uma arma devastadora cobiçada pelos Illuminati através do qual controlar e manipular todo o gênero humano e além. Esta misteriosa relação nunca teria sido confirmada que 'negou e isso já é "um vislumbre de alguma suspeita. 
Muitas pessoas estão divididas sobre a autenticidade deste relatório, e especialmente sobre a fonte de onde emergiria secretamente.


Em um relatório ao Dr. Mantill diz:
"A maioria de vocês certamente já ouviu falar do CERN e sua LHC (Large Hadron Collider), o maior instrumento científico já construído tão longe que excedem as 20 milhas de diâmetro, enquanto o 'estrutura inteira é executado sob a território soberano dos dois países (Suíça, França). 
o público foi informado de que o acelerador foi construído a um custo de dezenas de bilhões de euros, cujo objetivo foi estudar o nascimento do' universo e as colisões dentro do colisor graças à qual podemos transformar uma olhada rápida e um certo tipo de fenômeno pode ser testemunhado apenas quando as partículas batem um no outro de maneira arrasadora.

Este não é aquele para o qual a máquina foi originalmente concebida, nem é aquele para o qual foi utilizado no início das experiências. O principal objectivo do CERN na construção do colisor foi abrir um portal. Deixe-me explicar: a ideia baseou-se em um projeto antigo que remonta, em 1960. Tudo isso acontece depois de anos e anos de tentativas para esconder o que poderia ser a origem do fenômeno UFO, incluindo as interações relacionadas a ele como o acidente Roswell, ea batalha UFO sobre Los Angeles muito antes dos governos de os EUA, a Grã-Bretanha e a França decidiu centrar a sua atenção para a compreensão de tudo o que poderia representar esses objetos voadores incomuns. As ideias foram múltiplas.

UFOs são dispositivos de outro planeta? cápsulas do tempo de outra dimensão? Ou apenas uma histeria em massa simples e uma ilusão alimentada pela imaginação vívida de um público assombrado pelo medo dos comunistas daquele período e suas respectivas tecnologia militar? Nenhum destes motivos estiveram na origem do estudo para este tipo específico de fenómeno. Devemos entender o nosso universo como um livro de um grande conjunto de páginas em uma tabela. 


UFOs são dispositivos de outro planeta? cápsulas do tempo ou entidade de outra dimensão?

Pode-se observar a forma como cada página foi empilhada uma por cima da outra, todos unidos entre si pela ligação que separa as duas tampas centro. Nosso outro universo é apenas uma página no livro em muito mais amplo e abrangente. Provavelmente nossa página não é o único com conteúdo interessante, tanto no pensamento e na escrita ancestral porque cada um deles representa um tamanho diferente, cada um com seu próprio roteiro e uma história única de seu tipo que exclusivamente atrás para que a página seja diferente das outras.
Não existindo a capacidade de interagir uns com os outros, como nenhuma tinta pode acontecer a partir de uma página para outra em que vemos como um livro convencional. Cada página, assim como o universo é único, assim como outra unidade cósmica que caracteriza a materialidade das coisas ".
Egidio De Bellis
No vídeo abaixo ative a legenda com tradução.
Fonte:http://segnidalcielo.it 
Mais um post by: UFOS ONLINE

http://ufosonline.blogspot.com.br/2016/04/revelacao-fisico-do-cern-diz-nos.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed:+UfosOnline+(Ufos+online)
                                                   Veja o Vídeo Abaixo:



                                                  Fonte:Ayanna Fenelus

Lula manda Dilma fritar Cunha e Temer, enquanto impeachment ainda não é certeza absoluta no Congresso

2a Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Há muito tempo, o famoso cabeleireiro Jassa, que faz sempre o cabelo e de vez em quando cozinha uns tucunarés para Michel Temer, já confidenciou a amigos que ouviu do ilustríssimo cliente e amigo que "abril seria o prazo fatal para Dilma Rousseff". Quem faz a cabeça de Temer, como o jurista Nelson Jobim, já prepara, no teatro de operações do judiciário, toda uma estratégia para que Temer não seja cozinhado, cruelmente, pelos petistas.

Até domingo, a ordem que o Presidentro Luiz Inácio deu a sua marionete Dilma Rousseff é que promova o massacre total de Michel Temer ("sucessor constitucional"), associando- a Eduardo Cunha (um inimigo tão ou mais perigoso para a Petelândia que o juiz Sérgio Moro). Por ironia, Cunha é alvo da mesma Lava Jato da qual Lula terá de promover um milagre jurídico para escapar. Dilma só quer tirar o dela da reta.

A Presidanta aproveitou a claque de estudantes e professores no Salão Nobre do Palácio do Planalto para dar uma lição à dupla Cunha-Temer. Dilma chamou o primeiro de "chefe" e o segundo de "vice-chefe" do golpe: "Um deles é a mão, não tão invisível assim, que conduz com desvios de poder e abusos inimagináveis o processo do impeachment. O outro esfrega as mãos e ensaia a farsa do vazamento de um pretenso discurso de posse. Cai a máscara dos conspiradores".

Quem também bateu, de leve, em Michel Temer foi o ressentido presidente do PSDB. Em entrevista ao Valor Econômico, Aécio Neves lançou dúvidas sobre a capacidade de Temer assumir e segurar o rojão: "Um cenário com Michel será um cenário com dificuldades, porque será um governo que não terá a legitimidade do voto, mas com condições de conseguir apoio para uma agenda.  Ele deverá ser apoiado para se fazer uma transição. Mas ele terá as mínimas condições para uma distensão. Veja bem, todas as saídas são muito difíceis. Vai depender mui to dele, ser alguém com compromisso com uma agenda. Acho que a gente pode construir um apoio para um governo de aspecto transitório. Uma agenda capitaneada pelo Temer vai depender da coragem que ele tenha de encabeçar esta agenda , mas não tira do PSDB o seu compromisso de apresentar para o país uma proposta eleitoral. Não abdicamos do nosso projeto de poder. Vamos dar sustentação política para o governo Temer desde que refaça o que precisa ser feito, construa essa linha. Temer já mostrou disposição  de colher inspiração no que já apresentamos ao País".

Aécio Neves insiste que Michel Temer tem obrigação de assumir que será um "Presidente Transitório", caso passe o impeachment de Dilma (dado como favas contadas pelos tucanos). Aécio ponderou: "Temos que sinalizar para uma virada de página, para mudar as expectativas. Agora, eu não cobraria de um governo transitório aquilo que deve ser feito por um governo legitimamente eleito. Nestes dois anos e pouco, temos que utilizar os nossos esforços em quatro ou cinco questões. Temos que compreender o Michel como uma transitoriedade e ele tem que deixar claro isso desde o início e se dispor a conduzir essa agenda, porque se não, não tem sentido o apoio do PSDB".

Aécio Neves até desenha o que considera uma agenda mínima para o tal "governo de transição" merecer o apoio dos tucanos: "Uma reforma política que recria cláusula de barreira, estabeleça voto distrital misto e proíba coligações proporcionais. Até para que no futuro possamos falar de parlamentarismo. Hoje, com as regras atuais, falar disso é uma bobagem. Temos que ter coragem de modernizar a legislação trabalhista, para garantir emprego. Temos que investir fortemente na profissionalização das agências reguladoras, dos fundos de pensão e das estatais. E a simplificação do sistema tributária e a discussão da questão previdenciária. Isto é o que tem que estar dentro da moldura".  

Sem certeza absoluta de mais nada, os governistas espalham que contam com 200 do total de 513 votos para derrotar o que chamam de "golpe do impeachment". A "oposição" alega que já teria 340 votos, faltando apenas dois para detonar Dilma. Se o desgoverno não impedir que seja atingido o mínimo de 342 votos para o impeachment, Dilma será afastada, por 180 dias, para que o Senado siga com o processo. A tendência previsível é de uma radicalização política sem precedentes. Seja com a vitória parcial ou a derrota de Dilma. Se ela não cair agora, Cunha promete fazer andar mais nove pedidos de impedimento contra ela oferecidos na Câmara...

Agora, é hora de muito conchavo e de corrida contra o relógio. Cunha já ficou o cronograma para a degola. O esquema obriga os políticos a mais um inédito final de semana de "trabalho" em Brasília. O presidente da Câmara marcou uma sessão a partir das 8h 55min de sexta feira, destinada à fala dos partidos políticos. No sábado, a partir das 11 horas, falam parlamentares inscritos para defender e atacar o impedimento. Domingo, enquanto milhões sairão às ruas do País pedindo o afastamento da Dilma, os líderes terão direito à palavra a partir das 14. A previsão é que a votação comece às 15h 30min. Cada um dos 513 deputados terá generosos 10 segundos par votar, verbalmente, identificando-se.

Vale repetir por 13 x 13: As propostas da dita "oposição" não são claras nem suficientes para mudar o modelo Capimunista, rentista, cartorial e corrupto do Brasil. Os detonadores políticos de Dilma querem apenas reformas de araque, e não mudanças efetivas. Em comum com o PT e aliados próximos, querem apenas dar uma brutal freada na Operação Lava Jato - o que não é uma manobra fácil, pela força da opinião pública.

A tendência é de que a guerra de todos contra todos se intensifique em componentes de baixaria e covardia. A cúpula do Judiciário não quer acirrar a briga. A cúpula das Forças Armadas acompanham, atentamente, o conflito entre os poderes. Os militares mantém uma lupa sobre as ameaças violentas de radicalização sugeridas pelos petistas e comunistas. Se tal cenário degringolar em convulsão social, certamente as Forças Armadas terão de abandonar o silêncio obsequioso dos quartéis para participar, direta ou indiretamente, de algum tipo de ação ou intervenção.

O impedimento de Dilma tende a ser fatal para Lula. O Presidentro corre risco de ser processado, condenado e até preso, em função de graves delações premiadas que estão por vir na Lava Jato. O foro privilegiado no Supremo Tribunal Federal não garante nada para Lula. Se Temer assumir, tendo Lula como inimigo declarado, e vice-versa, Lula que se cuide. Na listra de prioridades, ele tende a dançar primeiro. Por isso, Lula, Dilma e a petelândia tem certeza de que a única forma de neutralizar Temer é acabar com Cunha primeiro.

A briga na obscuridade da politicagem está apenas começando... A grande torcida é que um engula o outro, na autofagia do desgoverno do crime organizado... O Brasil merece ser passado a limpo... O fundamental é que os cidadãos de bem não aceitem mais o jogo livre e solto do mal...

Igual a Venezuela?


Jurista Ives Gandra adverte sobre os riscos de o Brasil se transformar em uma Venezuela




Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 12 de Abril de 2016.

O ‘muro de Brasília’ causa apreensão e pode ir parar no STF

Movimento de oposição pretende entrar com ação para pedir que a área seja ocupada por apenas um grupo de manifestantes
Por Hylda Cavalcanti, da RBA
Brasília – Pela primeira vez em quase 56 anos, a capital federal vive a inusitada situação de um ter um muro instalado na Esplanada dos Ministérios, dividindo a área para separar manifestantes contra e a favor do impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Sempre que são realizadas manifestações com grupos diferentes, a prática é ceder o espaço para quem fizer primeiro a solicitação formal, com os depois ocupando espaços próximos. Desta vez, decisão conjunta do governador Rodrigo Rollemberg (PSB) e do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acatada pela Secretaria de Segurança Pública do Governo do Distrito Federal, levou à construção do muro.
A ideia é fazer com que do lado esquerdo fiquem os manifestantes favoráveis à votação pelo afastamento, e do lado direito os manifestantes que apoiam a manutenção do mandato presidencial. A votação no plenário da Câmara está prevista para o próximo domingo (17). Ontem, a comissão especial do impeachment aprovou o relatório, favorável ao impedimento, por 38 votos a 27.
No total, o muro, que ainda não foi concluído, custará R$ 8 mil para o governo do Distrito Federal. O trabalho é feito por pessoas que fazem parte de programa de reinserção social para ex-detentos. Hoje (12), sob forte calor e com clima de ressaca por causa da votação do relatório, quem ficou no local foi mesmo para trabalhar e concluir a construção, além de veículos de equipes de TV, que já montam estações específicas para a cobertura do domingo. O sistema começou a funcionar ontem à noite, mesmo com o muro inacabado. Muitos se preocupam com a estratégia.
“É muito temeroso. Não sabemos se esse reforço cairá ou será derrubado pelos manifestantes. Se isso acontecer, teremos pessoas feridas. Tomara que dê certo, mas estamos temendo uma grande confusão”, afirmou Adriano Caetano, servidor do Governo do Distrito Federal. Ele disse que está acostumado a participar de manifestações pelo impeachment desde o ano passado e tem atuado na coordenação dos trabalhos.

Decisão estratégica

“É uma decisão estratégica que não foi pensada de forma aleatória. Entre o muro haverá um espaço de dez metros dos dois lados, que ficará tomado por policiais civis, militares, servidores da polícia legislativa e representantes das forças de segurança nacional. Tudo isso será feito para garantir maior segurança e permitir aos cidadãos se manifestarem de forma pacífica. Não há motivos ter medo”, defendeu, por sua vez, o assessor administrativo João Miranda, do Ministério da Defesa.
Nesta manhã, representantes do movimento Vem Pra Rua, contrário ao governo, afirmaram que vão entrar com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para pedir que a área seja ocupada por apenas um grupo de manifestantes, a serem escolhidos. Eles querem que os demais manifestantes, com pensamentos divergentes, fiquem, a exemplo de movimentos anteriores, em áreas próximas como a frente da Rodoviária e o Eixo Monumental – que segue da rodoviária até o Palácio do Buriti, sede do governo local.
“A rigor legal, a Esplanada deveria ser nossa, pois registramos um informe de uso da Esplanada muito antes do outro grupo, mas o importante é que seja garantida a segurança. Ninguém está interessado em ver violência”, disse um dos coordenadores do movimento em Brasília, Jailton Almeida. “Nada disso, eles fizeram o pedido em manifestações anteriores. Não vale para esta. Eles não podem ter o monopólio da Esplanada porque pediram para usar a área vários meses atrás”, contestou o servidor da Câmara e manifestante contra o impeachment Robson Andrade.

Sem privilégios

“Não concordo que um grupo seja privilegiado em detrimento de outro, mas é preciso cuidado. Talvez fazer com que os manifestantes se revezem em horários diferentes na área em frente ao Congresso, não sei. Mas já decidi que não trarei minha esposa e filhos para cá neste domingo. Isso aqui está nitroglicerina pura”, afirmou o engenheiro Alexandre Ferraz, assessor concursado da Controladoria Geral da União (CGU).
“Estamos fora do local, hoje, porque tiramos o dia para descansar, mas os colegas estão chegando. Vamos ficar aqui, sim, e se depender de nós não haverá bagunça, nem brigas. A bagunça é coisa de desesperados e desespero é o que não temos. É como diz nosso slogan: não vai ter golpe, vai ter luta. E luta não significa, necessariamente, troca de tapas”, disse o agricultor Antonio Tavares. Ele integra um grupo de trabalhadores do interior de Goiás, que ocupa Brasília desde a noite do último domingo. Eles estão instalados em uma área em frente ao estádio Mané Garrincha.
Na Câmara, o presidente da comissão especial do impeachment, Rogério Rosso (PSD-DF), manifestou sua preocupação. “Cada vez que se ergue um muro, se segrega um povo”, afirmou. “Não é hora de construirmos muros, mas de, independente do resultado que vier a ter a votação, buscarmos um consenso para unir o país. E os manifestantes que estarão lá fora também precisam ter esse sentimento.”
Foto: Alan Marques / Folhapress

Esfera misteriosa encontrada em floresta intriga cientistas

Uma enorme esfera de pedra encontrada em uma floresta da Bósnia-Herzegóvina vem intrigando e dividindo especialistas.
Em entrevista ao jornal britânico The Independent, o arqueólogo bósnio Semir Osmaganic advoga que formação rochosa é a mais antiga feita à mão por humanos.
Descoberta em uma floresta próximo à cidade bósnia de Zavidovici, a bola de pedra mede entre 1,2 a 1,5 metro de diâmetro, e, em sua composição, tem uma quantidade "extremamente alta" de ferro, segundo Osmaganic.

Americanos de olho na Lava Jato. Moro é aplaudido de pé em Chicago

O juiz federal Sérgio Moro aplaudido de pé em Chicago, Estado Unidos, ao fazer uma palestra sobre as investigações sobre corrupção que comanda no Brasil.
Moro afirmou na noite desta sexta-feira (8) que as investigações da Lava Jato provocam “inegavelmente instabilidade política”, mas que a corrupção sistêmica no Brasil deve ser enfrentada e não escondida debaixo do tapete.
“O juiz decide com base nas leis, com base nos fatos. Eu não posso ficar pensando no impacto político daquilo que decido”, afirmou o titular da 13ª da Vara Federal de Curitiba, durante palestra realizada para estudantes em Chicago.
Sem se referir a nomes de envolvidos nos processos, Moro voltou a afirmar que o pagamento de propinas em contratos da Petrobras era “a regra do jogo”, como foi dito a ele por diversos delatores do esquema de corrupção. “O pior de um quadro de corrupção sistêmica não é o custo econômico e sim a progressiva erosão da confiança da população na regra da lei e na democracia.” Ele acrescentou que “assusta” a corrupção disseminada no Brasil.
“As instituições democráticas estão funcionando bem no Brasil, é o que eu vejo com as manifestações de ruas, que são pacíficas. Nós temos um problema econômico muito sério, preocupante. Eu acho que o importante é termos a confiança de que nossas instituições estão melhores, que nossa democracia seja aprofundada e que deixe de estar contaminada pela corrupção sistêmica”, afirmou o juiz.
Moro voltou a falar da Operação Mãos Limpas ao mencionar as críticas feitas às investigações da Lava Jato. “O grande problema da operação na Itália foi a reação política, a democracia italiana não foi forte suficiente para evitar a desconstrução da investigação.”
“Eu não acerto todas, eu posso cometer meus erros. Mas sempre decido com a pretensão de correição das decisões, com base na lei. Eu não posso levar em conta questões políticas, questões partidárias”, acrescentou o juiz, que foi ovacionado e aplaudido de pé pelo público presente.

Quem votou em quem na Comissão Especial do Impeachment

Com 11 votos de diferença em favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff, a Comissão Especial Processante da Câmara recomendou prosseguimento do processo de impedimento presidencial. Governo temia margem de votos superior a dez votos, e agora vai centrar fogo na votação de plenário, que até o próximo domingo (17) dará a palavra final sobre a admissibilidade do processo.
Caso o conjunto dos 513 deputados avalize a decisão do colegiado, Dilma será afastada por até 180 dias e, ao final desse período, caberá ao Senado, sob o comando do presidente do Supremo Tribunal Federal, deliberar em plenário sobre o mérito da denúncia.
Veja abaixo como cada deputado votou na Comissão do Impeachment:
LISTA

3 razões para o FMI prever queda ainda maior da economia brasileira

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou nesta terça-feira que a economia brasileira deverá repetir o resultado de 2015 e encolher 3,8% neste ano, índice inferior ao que o órgão previa em janeiro (3,5%).
Em relatório sobre o estado da economia global, o órgão diz que o PIB brasileiro só deixará de diminuir em 2017, quando deve permanecer estagnado (0%). Ainda assim, o fundo afirma que o cenário econômico no Brasil é incerto, e que "possíveis atrasos em retornar a condições mais normais podem voltar a baixar as previsões (globais) atuais de crescimento".
A BBC Brasil detalhou três dos principais fatores que, segundo o FMI, estão por trás da deterioração da economia nacional.

PT, PC do B e artistas afinam retórica do "golpe" para radicalizar, crendo que Dilma sofrerá impedimento

Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

O placar elástico de 38 a 27 contra Dilma Rousseff na Comissão do Impeachment da Câmara dos Deputados, quando aliados inconfiáveis do PMDB e do PP abandonaram o PTitanic na hora mais crítica, indica que cresceram as chances da Presidanta ser detonada na votação em plenário do próximo domingo. O consenso, inclusive patrocinado pelo mercado financeiro, é que chegou o momento de Dilma sair, para que seja negociada uma nova etapa política que retome a atividade econômica no Brasil em recessão-depressão.

As manifestações gigantescas de rua, já programadas para o próximo dia 17, podem nem ser decisivas para influenciar os votos de parlamentares. Nem o suposto "poder de convencimento" de Luiz Inácio Lula da Silva, na base das negociatas de bastidores para uma escancarada compra de apoios, conseguirá conter a queda de Dilma. Até domingo, crescerá a pressão para que a Presidenta renuncie. Ela só não fará isso porque, estrategicamente, interessa posar de vítima até o fim. O PT e o PC do B já mobilizam seus militantes mais radicais para os confrontos que pretendem inviabilizar, o mais depressa possível, o quase certo desgoverno Michel Temer - com previsão de ter vida curtíssima.

Até ontem de manhã, a Presidanta e o Presidentro Lula tinham certeza de que o plenário não aprovaria o impedimento de Dilma, na espetaculosa votação de domingo. O golpe fatal para a petelândia foi a decisão do grupo do ex-Presidente José Sarney de apoiar o impeachment. A jogada foi o sinal de que a maioria do PMDB embarcaria no movimento para tirar Dilma e emplacar Michel Temer na Presidência da República. O atestado da derrota de Dilma foi dado por Temer, em áudio gravado no whatsapp que deixou vazar antes da "vitória" folgada na Comissão do Impeachment.


Acusando Temer de "arrogante", a petelândia agora faz a hilária e infantil cobrança para que ele renuncie ao cargo de vice-Presidente. O ministro-chefe do gabinete pessoal de Dilma, Jaques Wagner, rodou a baiana contra Temer: "Rasga uma fantasia de patrocinador e maior beneficiário neste golpe. Pode ficar desmentido no domingo e um pouco sem saída e deveria renunciar depois de assumir a conspiração. O clima é insustentável. Se quebra qualquer respeito pela liturgia. Não há educação para conspiradores que não tem nenhum código de ética. Fez esse discurso com a faixa presidencial na frente do espelho. Confundiu o processo de impeachment com uma tentativa de eleição indireta. Acho muito feio. A presidente Dilma ouviu e ficou perplexa. Acho muito ruim e uma atitude deplorável. Produziu o que pode ser o tiro de misericórdia".

Temer alega que não falou novidade alguma: "Quero me dirigir ao povo brasileiro para dizer algumas das matérias que penso devam ser por mim enfrentadas. O faço naturalmente com muita cautela, porque sabem que há mais de um mês me recolhi exata e precisamente para não aparentar que estaria praticando algum gesto com vistas a ocupar o lugar da senhora presidente da República. Aconteça o que acontecer no futuro, é preciso um governo de salvação nacional e de união nacional, é preciso que se reúnam todos os partidos políticos e todos estejam dispostos a dar sua colaboração para tirar o país da crise. Sem essa unidade nacional, penso que será difícil tirar o país da crise. O fundamental agora é o diálogo, em segundo lugar a compreensão, e em terceiro lugar, para não enganar ninguém, ideia de que vamos ter muitos sacrifícios pela frente. Sem sacrifícios nós não conseguiremos avançar para retomar o crescimento e desenvolvimento que pautaram a atividade do nosso país nos últimos tempos, antes dessa última gestão".

Domingo que vem, uma parte do mistério estará desfeito. Se o desgoverno não conseguir impedir que seja atingido o mínimo de 342 votos para o impeachment, Dilma será afastada para que o Senado siga com o processo. A tendência previsível é de uma radicalização política sem precedentes. É bom levar a sério quando a petelândia e aliados falam que "não vai ter golpe". Eles prometem reagir. Tudo indica que emprega a violência de facções criminosas infiltradas sob o disfarce de "movimentos sociais". Se tal cenário degringolar em convulsão social, certamente as Forças Armadas terão de abandonar o silêncio obsequioso dos quartéis para algum tipo de intervenção.

De toda confusão, o lamentável é que não se esteja discutindo soluções concretas para o Brasil. Por enquanto, o bate-boca prevalece, e ainda pode degenerar em violência política explícita. O certo é que o provável governo Temer já nasce morto, igual ao segundo mandato dele e da Dilma. E se houver a oposição radical da petelândia, o negócio vai feder... E vem mais Lava Jato por aí...

Artista honoris causa




Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 12 de Abril de 2016.

http://www.alertatotal.net/2016/04/pt-pc-do-b-e-artistas-afinam-retorica.html

ONU se diz "preocupada" com tensão no Brasil e pede respeito ao Judiciário



Porta-voz para Direitos Humanos Ravina Shamdasani também fez um apelo para que as instituições democráticas sejam respeitadas durante a tramitação do processo de impeachment

12/04/2016 às 09:01 - Atualizado em 12/04/2016 às 09:04

Desdobramentos da crise política no Brasil entraram no radar da ONU(Thomas Trutschel/Getty Images)

A Organização das Nações Unidas (ONU) fez um apelo nesta terça-feira para que o processo de impeachment no Brasil não se transforme em um confronto social no país, que os princípios democráticos sejam preservados e que "todos os lados" respeitem o Judiciário. "Estamos acompanhando de perto a situação e já fizemos alguns alertas em algumas ocasiões. A tensão, porém, não parece perder força e continuamos preocupados", afirmou Ravina Shamdasani, porta-voz do Alto Comissariado da ONU para Direitos Humanos, em uma conferência de imprensa em Genebra, na Suíça. "Renovamos nosso apelo para todos os lados, para garantir que o Poder Judiciário seja respeitado, que as instituições democráticas pelas quais o Brasil lutou tanto para ter sejam respeitadas e não sejam minadas no processo", disse.

LEIA MAIS:

Comissão da Câmara aprova processo de impeachment

Jaques Wagner chama Temer de 'patrocinador do golpe' e fala em renúncia do vice

Na semana passada, a cúpula da ONU alertou que a crise política no Brasil poderia ter um impacto internacional e apelou para que os líderes nacionais atuem para solucionar o impasse que vive o país. Na ocasião, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, indicou que a instabilidade no país entrou no radar da entidade e pediu uma reação "harmoniosa" diante da crise.

"Por enquanto, esse é um problema político doméstico. Mas o Brasil é um país muito importante e qualquer instabilidade política no Brasil é uma preocupação social para nós", disse Ban Ki-Moon, em Genebra. O apelo foi o primeiro em relação ao Brasil em quase dez anos do comando do coreano na ONU e uma atitude rara nos contatos das Nações Unidas com o país.

(Com Estadão Conteúdo)

Via: VEJA
NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO