Seja Bem Vindo
NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO

Siga este Blog

domingo, 10 de janeiro de 2016

Ataques do ISIS sobre instalação pretrolifera da Líbia visível do espaço

ISIS militantes na Líbia continuam a atacar a infra-estrutura chave de petróleo no país.
Os dois grandes terminais de exportação de petróleo em Es Sider e Ras Lanuf veio sob ataques ISIS em janeiro nos dias 4 e 6. Alguns tanques de armazenamento de petróleo explodiram depois de sofrer danos causados ​​por fogo de metralhadora.
NASA publicou algumas fotos chocantes que mostram claramente as plumas de fumaça provenientes dos tanques de armazenamento de óleo que são visíveis por satélite. A fumaça soprava leste e nordeste, cobrindo a conta mediterrânea da  Líbia. Novos relatórios sugerem que pelo menos cinco tanques de armazenamento de petróleo estão queimando, cada um tendo a capacidade para armazenar 420 mil para 460 mil barris de petróleo. Quatro deles estão localizados em Es Sider e um em Ras Lanuf.
Um porta-voz da Companhia Nacional de Petróleo da Líbia disse que sete tanques de armazenamento estavam queimando.
Com os ataques acontecendo, a petroleira emitiu um "grito de socorro" em seu site, convidando o povo líbio "desta pátria que se apressar para salvar o que resta dos seus recursos antes que seja tarde demais."
Facções rivais de governo da Líbia tomaram medidas para consertar suas diferenças,um acordo de partilha de poder apoiado pela ONU em dezembro foi assinado. Os ataques do ISIS ameaçam infligir dano duradouro no coração da economia da Líbia: a sua infra-estrutura petrolífera.
Dê uma olhada nas imagens impressionantes da NASA abaixo:

 

Zero Edge

Via:  http://noticia-final.blogspot.com.br/2016/01/ataques-do-isis-sobre-instalacao.html

TRISTE: EM GUERRA, POPULAÇÃO DE CIDADE SÍRIA 'COME CÃES E GATOS' PARA NÃO MORRER DE FOME

Cidadãos sírios estão morrendo de fome em Madaya, cidade próxima à capital Damasco e sitiada pelo governo em meio à guerra civil no país, segundo denunciaram ativistas da oposição.

"As pessoas estão morrendo. Elas estão comendo coisas do chão. Estão comendo cães e gatos", disse à BBC uma ativista cuja família está em Madaya.

Relatos também dão conta de situação semelhante em dois vilarejos xiitas no norte do país, que são alvo de um longo cerco por parte dos rebeldes, onde moradores têm se alimentado de grama para sobreviver.

A ONU afirma que todos os lados envolvidos no conflito no país vêm lançando mão de táticas de guerra e isolando cidades, o que viola leis internacionais de direitos humanos.

O Programa Alimentar Mundial, agência da ONU para o combate à fome, e a Cruz Vermelha descreveram a situação em que se encontram determinadas localidades como "extremamente alarmantes".

Nesta quinta-feira (7), a ONU afirmou que o governo sírio concordou em permitir que ajuda humanitária chegue a Madaya.

Entenda a seguir o que se sabe até o momento sobre os civis presos nestes cercos após quase cinco anos de guerra civil na Síria.

Quantas pessoas estão sitiadas?

A ONU acredita que, das 4,5 milhões de pessoas vivendo em áreas "de difícil acesso" na Síria, cerca de 400 mil estão sitiadas.

Em seu mais recente relatório sobre a situação no país, divulgado em dezembro, o secretário-geral da organização, Ban Ki-moon, destaca que "os lados do conflito continuam a restringir parcial ou totalmente o acesso a áreas sob cerco militar".

Limitar a circulação de pessoas e produtos tem levado a um aumento de preços de mercadorias enviadas por meio de canais de abastecimento intermitentes.

O documento ressalta que as agências da ONU só conseguiram enviar um volume de auxílio insignificante para estas 400 mil pessoas entre setembro e novembro.

"Em setembro, a assistência sanitária, de alimentos e de água chegou a cerca de 7.800 pessoas em uma localidade sitiada. Em outubro, 10.500 pessoas em locais sitiados receberam comida, itens de saúde e outros produtos básicos e cerca de 16,7 mil receberam água, itens sanitários e de higiene. Em novembro, 1.077 crianças receberam livros didáticos e 50 receberam roupas de frio", disse o relatório.

"Nenhuma outra forma de assistência chegou a áreas sob cerco em novembro."

Via: UOL 

 http://www.libertar.in/2016/01/triste-em-guerra-populacao-de-cidade.html

TERREMOTOS EM OKLAHOMA LEVANTAM TEMORES DE UM 'BIG ONE'

Oklahoma foi abalada quarta-feira por dois dos maiores terremotos do estado nos últimos anos, alimentando ainda mais a preocupação dos cientistas de que continue o enterro de resíduos de petróleo e gás em áreas sismicamente ativas, ocasionando um terremoto muito mais poderoso.

Os dois terremotos, medidos em magnitudes de 4.7 e 4.8, ocorreram às 23:27, no norte rural de Oklahoma, diretamente debaixo de uma grande área de produção de petróleo e gás. O segundo terremoto, que veio cerca de 30 segundos mais tarde, foi o quarto maior registrado no estado. Não houve relatos de feridos ou danos, informou as autoridades nesta quinta-feira.

Os dois terremotos seguidos de uma série de menores na semana passada que descascou fachadas de tijolos, tombou colunas e causou uma falha de energia em Edmond, um sofisticado subúrbio de Oklahoma City. Alguns especialistas dizem que esses terremotos insinuou a possibilidade de um choque maior.

"Eu acho que há uma chance muito forte que Oklahoma irá receber algum tremor forte", disse Daniel McNamara, um geofísico da pesquisa no Centro de Informações do terremoto Nacional em Colorado, que seguiu terremotos do estado.

Referindo-se aos choques que ocorreram na noite desta quarta, ele acrescentou, "Estou surpreso que não se rompem em um evento maior."

Cinco anos atrás, Oklahoma registrou três terremotos de magnitude 3 - aproximadamente o nível em que os choques são sentidos - ou maior. No ano passado, registrou 907 terremotos, ou quase dois e meio por dia - e esse número foi de 50 por cento mais elevado do que em 2014.

Praticamente todos os terremotos são o resultados de derrapagem das falhas que foram efetivamente lubrificadas por resíduos aquosos da produção de petróleo e gás que foram bombeados no subsolo.

Em um estado onde o petróleo e gás geram imenso poder econômico e político, o governador Mary Fallin e a Assembléia Legislativa do Estado ter deixado à Corporação Comissão Oklahoma, que supervisiona a indústria, para encontrar uma solução.

Sem autoridades explícitas para regulamentar as questões sísmicas, a comissão convenceu os produtores a seguir voluntariamente uma série de diretivas cada vez mais rígidas sobre a eliminação de resíduos em zonas sísmicas. Mas enquanto essas ordens parecem ter reduzido terremotos em algumas áreas, o número global continuou a subir.

No mês passado, um produtor com dificuldades financeiras nos campos de petróleo e gás do norte atingidas por terremotos de quarta-feira, SandRidge Power Incorporated, rompera as fileiras da indústria e indeferiu o pedido da comissão para reduzir seu descarte de resíduos no subsolo. Os dois lados devem se reunir na sexta-feira em uma última tentativa de evitar uma batalha judicial sobre a autoridade da Comissão.

Alguns críticos afirmam que o Estado e a Comissão estão se movendo muito lentamente e adiando muitas vezes para líderes da indústria, e que é necessária uma ação mais abrangente.

Cory Williams, um deputado estadual democrata que apelou à intervenção sobre a questão, disse que era improvável que a Assembléia Legislativa, que deve se reunir este mês, agiria.

"Na ausência de uma catastrófica perda de vida ou propriedade, haverá reação zero a partir do Oklahoma Câmara ou do Senado", disse ele em uma entrevista. "Eles não querem tocá-lo. É um terceiro trilho. "

Mas a secretária de Oklahoma de energia e ambiente, Michael Teague, disse em uma entrevista que os reguladores tinha poder suficiente para controlar a eliminação de resíduos e o total apoio de um republicano.

"Eu não acho que precisamos de uma ação legislativa", disse ele. "Nós todos sabemos que este é um problema que temos de resolver."

O presidente da Oil and Gas Association Oklahoma, Chad Warmington, disse acreditar que passos "medidos" dos reguladores para conter o descarte de resíduos em zonas de terremoto estavam trabalhando, mas que pode haver uma defasagem entre os cortes e uma diminuição na tremores .

Em entrevistas, Dr. McNamara e outros dois cientistas que estudaram os terremotos no Estado salientou que era impossível dizer com certeza se os choques maiores viria a seguir. Eles acrescentaram, no entanto, que a ciência e as estatísticas sugerem que a possibilidade está a aumentar.

Ambos os terremotos na quarta-feira, e os anteriores em Edmond, ocorreu em falhas executando a nordeste-à-sudoeste que são os mais propensos a escorregar. Uma falha semelhante perto de poços de eliminação de resíduos produzido um terremoto de magnitude 5,7 em 2011 que foi o maior da história Oklahoma.

Especialistas ainda não sabe o tamanho da falha Oklahoma norte envolvidos no tremor quarta-feira. Mas a culpa em Edmond, cerca de 13 milhas de comprimento, é capaz de produzir um choque tão grande como o registro de 2011 um, eles disseram.

Esse terremoto danificou dezenas de casas em Praga rural, mas o efeito em uma área densamente povoada seria muito maior, disseram.

 

Guerrilha virtual: cuidado pra não ser alvo destas empresas

Guerrilha virtual: sua opinião está sendo manipulada por uma empresa? Como saber se você foi vítima do implante de ideias oriundas de meios que você nem imaginava? Milhares de perfis na internet que promovem ou desconstroem reputações são controlados por profissionais.
Como perfis do Facebook são usados para conquistar seu voto nas eleições. Imagine que um dia você descubra que uma grande amiga das redes sociais, que, assim como você, viajou para Buenos Aires no ano passado, casou-se em abril em uma festa na praia, curte rock das antigas e tem um labrador caramelo, seja, na verdade, um jovem universitário barbudão contratado por uma campanha com um único objetivo: te convencer a votar na candidata X ou no candidato Y.

Agora imagine que esse jovem controle, além da sua amiga loira bonita de olhos azuis, outros cinco perfis, que possuem vidas, sonhos e histórias próprias, tudo criado para esse mesmo fim. Como diria Morpheus, o icônico personagem de Laurence Fishburne, da trilogia Matrix: O que é real? Como você define o real?

Todo mundo já ouviu histórias de perfis em redes sociais que existem para promover ou desconstruir reputações e que são controlados por profissionais. Então, acredite, tudo o que vocês podem ter ouvido não é nada comparado com a realidade.

Ao contrário do que se pensa, os trolls raivosos que babam e cometem ignomínias são uma parte pequena e boba desse processo. Os profissionais não ficam elogiando cegamente seu candidato ou atacando loucamente o adversário, mas são guiados por pesquisas comportamentais e pela análise da estratificação da população, desenvolvem equipes de “semeadores de ideias'' para atingir os eleitores e usam softwares capazes de detectar a difusão de opinião na web, para agir imediatamente, barrando o que é ruim e promovendo o que é bom. O que uns chamam de “trolagem'', na verdade, é uma ciência.

Consegui entrevistar um dos fundadores de uma dessas empresas, que me explicou como funciona o processo. Paulo (é óbvio que o nome foi alterado para preservar sua identidade) é diretor de uma empresa especializada na construção de reputações na internet. Seu trabalho é fazer com que marcas, sejam elas de empresas ou pessoas, tornem-se não apenas conhecidas, mas também respeitadas e admiradas. Em períodos eleitorais, campanhas políticas o contratam para fazer o mesmo por seus candidatos. Atua em duas frentes: na principal e visível, ele ergue o político contratado. E, secundariamente e com máxima discrição, desconstrói o discurso de seus adversários.

Os dois grupos – de construção e desconstrução – atuam de forma independente e separados um do outro em uma campanha eleitoral. No primeiro, os perfis usados são reais, de pessoas da sua equipe. No segundo, um grupo de cinco pessoas controla meia dúzia de perfis cada – perfis criados especialmente para isso.

Quem elogia não bate. Quem bate não elogia.

As duas equipes são chamadas de “seeders'' (semeadores, em inglês) e têm o objetivo de disseminar conteúdo sobre os candidatos como pessoas comuns fariam. Uma coisa é uma fanpage de um candidato distribuir notícia. A outra é uma pessoa comum fazer isso circular, interagindo e debatendo com os outros internautas sobre aquele conteúdo, demonstrando dúvidas, avançando, retrocedendo, construindo junto. Essa relação humanizada é o que torna eficaz a conquista de votos. Paulo realiza constantemente um mapeamento digital das páginas que tratam de política, sejam elas de veículos jornalísticos, pessoas ou instituições, e do comportamento delas.

Os seus semeadores se conectam a essas páginas e a uma série de outras listas e grupos – cada perfil chega a participar, muitas vezes, de 100 ou 200 listas de discussão ao mesmo tempo. Ferramentas digitais possibilitam que comentários feitos por esses perfis, verdadeiros ou fakes, sejam publicados em todas essas listas ao mesmo tempo, disseminando informações positivas sobre o seu candidato ou negativas sobre o adversário. Nesse ponto, ele faz questão de ressaltar que não faz trolagem violenta ou mentirosa. “Não dissemino calúnia, nem invento histórias.''

Até porque, segundo ele, isso traz outro problema. Sua empresa não é a única que presta esse serviço no mercado. Paulo explica que, durante a campanha, uma das empresas contratadas pela candidata adversária fazia a mesma coisa que ele. É possível, usando algumas ferramentas, detectar a repetição de postagens em perfis semelhantes e, através da checagem de IPs, perceber que se trata de perfis fakes.

Quando isso acontece, esses perfis podem ser denunciados para a rede social, que os tira do ar. “Durante esta campanha, tiramos vários perfis falsos da campanha da adversária do ar, mas eles não conseguiram tirar nenhum nosso.'' Antes, segundo ele, eram necessárias de 30 a 40 denúncias para derrubar um perfil falso. Hoje, com apenas duas o Facebook – a principal plataforma onde ocorre essa disputa digital – já solicita para o perfil alguma forma de comprovação de que ele realmente pertence a uma pessoa de carne e osso.

O rastreamento de um perfil falso nem sempre é simples. Muitas vezes, os seeders atuam via acesso remoto – através de seus computadores, eles se conectam a uma máquina virtual que está em outro país (normalmente que não possui legislação para liberação de informações compatível com as leis brasileiras). Nada fica registrado no terminal por aqui, garantindo segurança e anonimato. Opta-se também por utilizar sistemas que interpõem dezenas de roteadores ao servidor de origem. Ou seja, mesmo que consigam descobrir o servidor de postagem, ele não é o que foi utilizado realmente pelo operador. Existe toda uma ciência por trás da criação e manutenção de perfis.
Bons perfis não são criados da noite para o dia e desativados após as eleições. Existem indefinidamente, com suas vidas próprias, sendo alimentados constantemente pelos profissionais contratados por essas empresas. Dessa forma, parecem ser pessoas reais, com gostos, medos, preferências, preconceitos, virtudes, enfim, como você e eu. Sim, alguns de seus amigos digitais, talvez algum daqueles que você nunca viu pessoalmente, podem existir apenas na rede social com o objetivo de te vender algo ou alguém.

A criação desses perfis não é aleatória mas decorrente de análises de grupos sociais. Pode ter um Lineu, uma Nenê, um Tuco, uma Bebel, um Agostinho e até um Beiçola, com suas características e personalidades. De acordo com cada área de atuação, muda o grupo de perfis. E, como já disse, eles se casam, fazem aniversário, torcem para times de futebol, participam de grupos e fazem amigos. Uma curiosidade: segundo Paulo, quanto mais esteticamente bonito for o personagem do perfil fake, seja homem ou mulher, mais amigos e amigas consegue conquistar.

Cada um dos “operadores'' dá vida a um grupo de perfis, incorporando os personagens. Entre os contratados para a tarefa, estão estudantes universitários com excelente texto e cultura geral, com boas sacadas e resposta rápida, capazes de convencer através de sua atuação. Recebem em torno de R$ 5 mil/mês no período eleitoral, quando o trabalho é mais intenso. As táticas são as mais variadas no caso de desconstrução. Para entender até onde vai o nível de refinamento, há casos em que os seeders passam a campanha inteira, ou seja, meses, apoiando loucamente o candidato adversário e lutando por ele contra o seu próprio candidato.

Um pouco antes da eleição, o perfil começa a refletir, junto às listas de discussão do qual faz parte, que aquela proposta de educação do adversário, por exemplo, é interessante. Aos poucos, vai alterando a sua opinião, expondo publicamente essa reflexão de mudança, até que se convence que o melhor é, na verdade, o próprio candidato contratado pela empresa.

Vira a casaca publicamente e traz muitos votos consigo. As pessoas que se identificavam com ele e também estão cheias de dúvidas acreditam que ele passou por um processo genuíno de convencimento baseado em fatos e vão junto com ele. Se não acredita que esse comportamento de manada funcione, uma sugestão: vá para uma praça no centro de São Paulo com um grupo de uns dez amigos e comece a tirar fotos com um deles como se ele fosse uma celebridade. Finjam que nenhum de vocês conhece um ao outro.

Verá que, em pouco tempo, aparecerá uma ou duas pessoas que, mesmo desconhecendo o sujeito, também vão querer ser fotografadas com ele. Segundo Paulo, a difusão de conteúdo na internet baseia-se em dois pilares: relevância (você precisa ser bom naquilo que fala) e autoridade (as pessoas precisam reconhecer isso, através de links, curtidas, compartilhamentos). “Nós criamos autoridade'', explica. Por vezes, os perfis – tanto os reais da equipe de construção, quanto os fakes da equipe que atua na desconstrução, se juntam para corroborar uma opinião do grupo – ou apoiar ou criticar fortemente a opinião de alguém de fora.


Questionamentos fortes não ficam sem resposta, nunca, principalmente se, no mapeamento, a página ou perfil que postou a informação possui relevância na rede e é formador de opinião. Essa é apenas uma pontinha de um imenso iceberg que é a atuação de uma campanha na internet. O interessante é que praticamente todos os candidatos a cargos relevantes usam esse serviço, para construir, para se proteger, para desconstruir. E elas causam um impacto gigante.

“A internet tem um melhor custo-benefício que a TV e, hoje, causa muito mais impacto para uma campanha, mas recebe bem menos recursos'', afirma Paulo. Para ele, desconstruir reputações é mais fácil, sempre, do que construir. Mas não se desconstrói uma reputação com musculatura em pouco tempo, ou seja, no tempo de uma eleição.

A credibilidade de um candidato, o seu patrimônio político, é garantido pela importância do que ele faz e pelo reconhecimento público disso. Esse tipo reconhecimento, estruturado em rede, não se constrói do zero ou se destrói profundamente de um dia para outro. “Se os políticos fizessem apenas metade do que deveriam fazer já estavam reeleitos. O problema é que gastam milhões durante a campanha eleitoral para convencer os outros que fizeram o que realmente deveriam ter feito. São muito burros'', avalia.

Postamos em nossa página no Facebook no dia 16 de outubro de 2014 e resolvemos publicar em nosso blog hoje dia 09/01/2016 pois a materia continua totalmente atual pois existem várias empresas neste sentido operando na internet. Tenha atenção e não se torne alvo delas.  Fonte: Blog do Sakamoto


Leia também: Entenda como funcionava, em Brasília, a fábrica de perfis falsos que espalhavam calúnias contra políticos (opositores em geral) na internet: http://www.anonymousbr4sil.net/2015/11/entenda-como-funcionava-em-brasilia.html

Manipulação: Documento vazado do governo assume uso de robôs na internet e outras práticas
http://www.anonymousbr4sil.net/2015/04/manipulacao-documento-vazado-do-governo.html

Universitários recebem do PT R$2 mil por 3 horas de trabalho para "combater a direita", descontruir e atacar opositores
http://www.anonymousbr4sil.net/2015/04/universitarios-recebem-do-pt-r2-mil-por.html

Desde 2011 PT financia e treina 'milícia virtual' para atuar em redes sociais
http://www.anonymousbr4sil.net/2014/01/pt-treina-patrulha-virtual-para-atuar.html

PT cria evento de R$ 400 mil para treinar ativistas na internet
http://www.anonymousbr4sil.net/2014/03/pt-cria-evento-de-r-400-mil-para.html

Pepper, que faz guerrilha virtual para o PT, desiste de contrato de R$6,4 milhões por ano
http://www.anonymousbr4sil.net/2015/09/pepper-que-faz-guerrilha-virtual-para-o.html

Dilma Bolada recebe R$ 20 mil da Pepper, agência que faz guerrilha virtual para o PT
http://www.anonymousbr4sil.net/2015/08/dilma-bolada-recebe-r-20-mil-da-pepper.html


Fonte:  http://www.anonymousbr4sil.net/2016/01/guerrilha-virtual-cuidado-pra-nao-ser.html

SEC e Lava Jato apuram erro ou omissão de Dilma em denúncia de Paulo Roberto Costa contra White Martins

Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net
A Securities and Exchange Commission, xerife do mercado de capitais nos Estados Unidos, investiga que relação pode existir entre uma delação premiada de Paulo Roberto Costa (sobre uma propina de R$ 1 milhão supostamente paga pela White Martins ao doleiro Alberto Youssef) com os negócios nebulosos de uma Sociedade de Propósito Específico (SPE) da Petrobras e com a transnacional de gases, controlada pela Praxair. A SEC recebeu e analisa documentos que comprovam que Dilma Rousseff foi oficialmente notificada e advertida sobre várias irregularidades acerca da parceria, desde quando presidiu o Conselho da Petrobras, foi Ministra das Minas e Energia, ocupou a Casa Civil de Lula até, finalmente, chegar à Presidência da República.
O mesmo caso investigado pela SEC norte-americana também é alvo de investigação pela Força Tarefa da Operação Lava Jato. Tudo porque, em 25 de agosto de 2015, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, durante a acareação entre o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, este último retificou o que havia dito sobre repasse de recursos para a campanha do senador Humberto Costa (PT-PE). Segundo o ex-diretor, que tem a condição de delator premiado, o pagamento de R$ 1 milhão não foi feito por Youssef, mas pela empresa White Martins, que tem uma SPE com a Petrobras - a Gemini (ou GásLocal).
Diante desta declaração, e considerando que, caso mentisse, o ex-diretor corria o risco de perder as vantagens obtidas com a aprovação de sua delação premiada duas perguntas são inevitáveis. Primeira: é de se imaginar que Paulo Roberto Costa seria idiota a ponto de arrolar levianamente o nome da White Martins em uma acareação feita durante uma CPI? Segunda: caso fosse indevidamente citada numa CPI, a White Martins não tentaria provar que o delator premiado mentira, para que o mesmo perdesse as vantagens obtidas com a sua delação?
Até agora, as respostas são um silêncio sepulcral e comprometedor, enquanto a SEC e a Lava Jato investigam denúncias, e o mercado de gás natural liquefeito se torna objeto de competição acirrada pelos maiores conglomerados do planeta.
A White Martins como corruptora?
A White Martins – empresa pertencente ao grupo norte-americano Praxair Inc. – já foi, inclusive, condenada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) pelo mais grave dos crimes contra a economia popular, a formação de cartel. O delito pelo qual a White Martins foi "punida" não era um cartel qualquer. O objetivo era hediondo: fraudar o caráter competitivo de licitações para superfaturar gases medicinais contra nossos miseráveis hospitais públicos.
Na determinação do valor da multa imposta à White Martins, o CADE considerou dois fatos: a gravidade da infração cometida, e a condição de a empresa ser reincidente em infrações contra a ordem econômica. O elevado valor de referida multa, obrigou a Praxair Inc a publicar a seguinte nota na página 92 do Relatório Anual de 2013, chamando a atenção para a gravidade da punição:
“On September 1,2010, CADE (“Brazilian Administrative Council for Economic Defense”) announced alleged anticompetitive activity on the part of five industrial gas companies in Brazil and imposed fines on all five companies. Originally, CADE imposeda civil fine of R$ 2,2 billion Brazilian reais (US$ 939 million) against White Martins, the Brazil-based subsidiary of Praxair, Inc. In response to a motion for clarification, the fine was reduced to R$1,7 billion Brazilian reais (US$ 726 million) due to a calculation error made by CADE.”
Apelando ao Dicionário de Joel Santana, pode-se traduzir, de forma livre e resumida: "Em setembro de 2010 o CADE multou a White Martins em 2,2 bilhões de reais (US$ 939 milhões), mas que, devido a um erro de cálculo cometido pelo CADE, tal multa foi reduzida para R$ 1,7 bilhões (US$ 726 milhões)". O caso está em fase de julgamento de recursos, com elevada chance de condenação transitada em julgado.
Acontece que, a partir da delação do ex-diretor da Petrobras, a situação da White Martins ficou bem mais delicada. A empresa agora corre risco também de responder por corrupção no âmbito de processos da Operação Lava Jato. Como é controlada pela Praxair Inc  – e a corrupção é um crime considerado da maior gravidade pela lei norte-americana, a matriz da transnacional pode ter dores de cabeça com a análise que a SEC faz de denúncias formais feitas por investidores brasileiros que processam a Petrobras na Corte de Nova York.
Institucionalmente, a situação fica ainda mais delicada, porque o presidente da White Martins, Domingos Bulus, acumula este cargo com o de presidente da Praxair na América do Sul. A tese jurídica é: seria impossível a White Martins (como denunciou Paulo Roberto Costa) destinar verbas para subornar políticos no Brasil, sem o conhecimento oficial da cúpula da Praxair Inc. A SPE da White Martins com a Petrobras é uma das caixas pretas que precisam ser decifradas.
Outra tese que a SEC pode levar em conta. A Foreign Corrupt Practices Act (FCPA) — ou Lei de Práticas Corruptas no Exterior, em tradução livre — pode ser usada contra empresas subsidiárias de empresas norte americanas no Brasil, e contra a matriz norte-americana. Diante da magnitude das consequências que poderão advir (principalmente para a Praxair Inc., em tribunais dos EUA), uma coisa é certa: a White Martins só não provará que o delator premiado mentiu, se ele, de fato, estiver falando a verdade. O ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás será acionado, aqui e nos EUA, para explicitar melhor sua denúncia. O escândalo pode bater diretamente na Presidência da República Federativa do Brasil.
Dilma e os delatores
Com toda a certeza, a Presidente Dilma Rousseff – que se esforça para desacreditar o procedimento de “delação premiada” – festejaria muito se ficasse provado que o mais representativo dos delatores da Lava Jato incriminou falsamente políticos e empresas. Publicamente, como marketing político pessoal, Dilma sempre repudiou delatores. O problema, agora, será se livrar das consequências da denúncia de Paulo Roberto Costa contra a White Martins.
Referindo-se à Inconfidência Mineira, a Presidenta afirmou: “Há um personagem que a gente não gosta, porque as professoras nos ensinam a não gostar dele. E ele se chama Joaquim Silvério dos Reis. É o delator.”
Na mesma oportunidade, aproveitando para faturar em cima de seu tema recorrente, a “ditadura militar”, a presidente alfinetou: “Eu não respeito delator. Até porque eu estive presa na ditadura e sei o que é. Tentaram me transformar em uma delatora. A ditadura fazia isso com as pessoas presas.”
Diante da manifesta aversão da Presidenta a delatores, não ter questionado a denúncia de Paulo Roberto Costa significa concordar que são verdadeiras as revelações dele sobre R$ 1 milhão pagamentos à campanha eleitoral do senador Humberto Costa. Até agora, não apareceu uma razão plausível para que o líder petista no Senado não tenha ido às últimas consequências para dinamitar o delator que mais colaborou para fazer ruir os pilares da Petrobras. Costa silencia sobre Costa. No entanto, a SEC e a Força Tarefa da Lava Jato apuram o que aconteceu na nebulosa parceria entre a generosa doadora White Martins e a Petrobras.
Dilma, a transparente opaca
Recentemente, em 7 de janeiro de 2016, em um café da manhã com jornalistas que fazem a cobertura do Palácio do Planalto, falando sobre a Operação Lava Jato, Dilma se vangloriou: “Tenho clareza de que devo ter sido virada do avesso e tenho clareza também de que podem continuar me virando do avesso. Sobre a minha conduta não paira nenhum embaçamento.”
Na verdade, a coisa fica embaçada para Dilma no caso Gemini/GásLocal. O excesso de auto-confiança da Presidenta nos remete a um fato que foi amplamente divulgado pelo Alerta Total: a sociedade por meio da qual a Petrobras passou para a White Martins o cartório de produção e comercialização de Gás Natural Liquefeito (GNL).
Para encurtar a conversa, apenas uma pergunta sobre citada sociedade, que foi arquitetada e constituída no período em que Dilma acumulava os cargos de Ministra de Minas e Energia e Presidente do Conselho de Administração da Petrobras: o que foi feito das diversas denúncias protocoladas para Dilma Rousseff (na Petrobras e no Palácio do Planalto) sobre referida sociedade, que continua, até hoje, sangrando os cofres da saqueada Petrobras?
Logicamente, a pergunta acima só pode ser respondida por Dilma, mas as denúncias para ela protocoladas podem ser vistas por qualquer pessoa no site www.maracutaiasnapetrobras.com. Dilma pode terminar enquadrada, no mínimo, por omissão, pelo fato de não ter investigado o caso com um mínimo de rigor. Além disso, as mesmas denúncias formalizadas a Dilma já são objeto de apuração (em fase adiantada de análise de documentos) pela SEC e (em velocidade ainda lenta) pela Força Tarefa do Ministério Público Federal na Lava Jato.
Eis um escândalo com potencial não só para alimentar o movimento de impeachment (agora quase neutralizado) contra Dilma, mas também para se transformar em um processo contra ela, futuramente, em tribunais norte-americanos, caso a SEC entenda que o caso deve extrapolar a esfera da regulação do mercado de capitais, evoluindo para um processo federal com base na rigorosa Foreign Corrupt Practices Act.
Arapongagem da Petrobras?
O mercado financeiro recebeu, pessimamente, a inconstitucional notícia de que a Petrobras fechou uma parceria com a Agência Brasileira de Inteligência, a fim de evitar um novo Petrolão.
Empregados da estatal de economia mista também não gostaram do acordo, pois se transformam, oficialmente, em alvo de espionagem - o que fere seu direito individual.
Em tese, todos se transformam em suspeitos com a atuação legalizada de um esquema de vigilância sobre os negócios da petrolífera, que é uma empresa de economia mista controlada pela União (que no caso brasileiro é o desgoverno de um Estado Capimunista, Corrupto e Canalha).
Certamente, empregados da Petrobras devem acionar advogados e recorrer ao Supremo Tribunal Federal para impedir que sejam vítimas da arapongagem contratada pelo presidente Aldemir Bendine - o mesmo que o Wall Street Journal denunciou apenas trabalhar na terça, quarta e quinta, folgando às segundas e sextas-feiras...
Aquarela Virtual



Espetacular canção do Clube do Choro São Bernardo do Campo, na voz de Paulo Veríssimo, com composição e arranjo de Marcos Murilo de Almeida Passos.


No vídeo com direção de fotografia de Bruno Passos, aparecem: Lígia Danielius (Pandeiro), Marcos Murilo (Violão), Gil Pontes (Percussão) e Valter (Trombone).
Tudo gravado nas dependências do Clube do Choro de São Bernardo que subsiste com a cara e coragem dos seus integrantes, não possuindo qualquer apoio financeiro ou político para tanto.
Felizmente, temos poetas que encontram uma forma lírica de narrar o drama (na verdade uma tragicomédia) da realidade brasileira, que vive tempos de mudanças, em uma revolução que vai redundar em uma Intervenção Cívica Constitucional.
Vida dura de condenado na Lava Jato


Circula no YouTube vídeo no qual o empresário e delator premiado Júlio Camargo, enrolado na Lava Jato, foi alvo de duríssimo protesto e expulsão de um restaurante em Angra dos Reis...


Só falta, agora, Camargo acionar seu advogado Antonio Figueiredo Basto para processar a turma que atrapalhou o almoço dele em um restaurante de bacanas, porém pts da vida com a corrupção que assola o Brasil.

Júlio Camargo é suspeito de ter recebido uns R$ 266 milhões em negócios que intermediou na Petrobras - valor bem superior aos R$ 40 milhões que a Força Tarefa lhe impôs como multa no acordo de "colaboração premiada".

Em busca de outro País


É dando que se recebe - inclusive via Moçambique

A revista Época escancarou que, em viagem ao continente africano em março de 2013, a Presidenta Dilma Rousseff recebeu pedido do presidente de Moçambique, Armando Guebuza, para permitir o financiamento de US$ 320 milhões do BNDES ao empreendimento da empresa brasileira Andrade Gutierrez, na construção da barragem de Moamba Major.

Em setembro de 2013, em reunião da Câmara de Comércio Exterior (Camex), o melhor amigo de Dilma, então ministro do Desenvolvimento Indústria e Comércio e hoje governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, fez prevalecer entendimento favorável à flexibilização de garantias para conceder o empréstimo.

Em julho de 2014, durante a campanha eleitoral no Brasil, o financiamento ao empreendimento na África foi finalmente concedido pelo BNDES.

Inacreditável

Por mera coincidência, no mês seguinte à assinatura do contrato com o BNDES, no dia 20 de agosto, às 8h54, Edinho Silva, então tesoureiro da campanha presidencial à reeleição de Dilma, visitou Otávio Marques de Azevedo no escritório da Andrade Gutierrez, em São Paulo.

Nove dias depois desse encontro, marcado por uma hora de conversa, a empreiteira realizou uma transferência no valor de R$ 10 milhões para a campanha de Dilma.
Em seguida, do dia 23 setembro a 22 de outubro de 2014, a construtora doou ao todo mais R$ 10 milhões, em três parcelas.

Entre as empreiteiras brasileiras, a Andrade foi a principal contribuinte da reeleição de Dilma, desembolsando quase o triplo do total repassado pela UTC - enrolada na Lava Jato.

Indo fundo

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 10 de Janeiro de 2016.

 http://www.alertatotal.net/2016/01/sec-e-lava-jato-apuram-erro-ou-omissao.html
NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO

POSTAGENS MAIS VISITADAS

Disso Você Sabia ? no Facebook