Siga este Blog

terça-feira, 24 de novembro de 2015

'Turquia entrou na guerra ao lado do Estado Islâmico', diz legislador italiano

A Turquia entrou na guerra ao lado do Estado Islâmico, disse nesta terça-feira o vice-presidente do Senado italiano, Roberto Calderoli, após um caça russo Su-24 ser derrubado pela Força Aérea turca.

Ancara alega que os caças F-16 turcos derrubaram a aeronave russa porque esta havia violado o espaço aéreo turco. O presidente russo, Vladimir Putin, contudo, afirmou que o avião estava a um quilômetro da Turquia quando foi derrubado.

"A Turquia entrou oficialmente na guerra do lado do Estado islâmico ao derrubar, por ordem de (Recep Tayyip, presidente do país) Erdogan, uma aeronave russa que participou em operações contra terroristas do Estado Islâmico na Síria", disse o legislador em sua página no Facebook.

Segundo Calderoli, a Turquia é um "cavalo de Tróia" que, com a ajuda do fundamentalismo islâmico, gostaria de dar um golpe no Ocidente.

"Por que a Turquia ainda está na OTAN depois do que aconteceu? O que mais pode se esperar da ONU além de tomar um posição forte contra o Estado Islâmico e seus aliados?", indagou Calderoli.

O político também criticou a postura oficial de Roma.

"O governo (de Matteo Renzi) está do lado errado com (Angela, chanceler alemã) Merkel, em vez de tomar o lado de Putin nesta guerra para defender nossos valores, nossa liberdade e nossas tradições."

http://br.sputniknews.com/mundo/20151124/2861878/turquia-entrou-guerra-lado-estado-islamico.html#ixzz3sRb1WCNd

Via: http://noticia-final.blogspot.com.br/2015/11/turquia-entrou-na-guerra-ao-lado-do.html

Jogadores frios, e sanguíneos

Autor: Iliya Ehrenburg

A Turquia, como todo jogador em desespero, fez um lance temerário ao ordenar que uma parelha de caças F-16 abatessem um solitário SU-24, que bordejava a fronteira turca. As alegações de Ancara de que a aeronave havia violado a fronteira são perfumarias, justificativas, bastante frágeis diga-se, pois o evento foi uma ação coordenada, com fim objetivo: a destruição de uma aeronave russa. E esta atitude foi tomada para obter dividendos duvidosos de cunho político. Pode parecer estranho, mas na verdade é algo bem cristalino, à vista de todos.

Dá-se que a intervenção russa alterou todos os sonhos acalentados por Erdogan em relação a região em disputa. O novo sultão de Ancara ambiciona ser reconhecido como a principal potência da região, isto dado a sua economia, com sólida base industrial, além da posição geográfica. Aliado da Arábia Saudita compõe com esta, Israel e Qatar, o eixo hostil ao chamado “arco xiita”, Irã, Iraque e Síria. A Síria em especial era, como ainda é o cravo no sapato turco. A sobrevivência e pior, o avanço das forças legalistas por sobre os insurgentes apoiados por Ancara, fazem desabar o grande sonho da restauração do sultanato de Edogan. Nada poderia ser mais terrível, afinal, até os negócios familiares foram afetados, pois os caminhões tanques que transportam o óleo contrabandeado pelo Estado Islâmico em direção à Turquia são agora alvos constantes dos ataques aéreos russos, que bem diferente dos norte-americanos, que até então ignoravam este tráfego intenso e pesado, não avisam com panfletos quando e onde vão atacar.

Alie a tudo isto o fato de que os atentados em Paris impôs uma mudança de posição em um dos atores envolvidos: a França. Esta, devido aos seus interesses absurdamente dependentes das petromonarquias do Golfo, além da subserviência aos interesses dos EUA, mostrava-se ainda mais hostil ao governo sírio do que os norte-americanos eram capazes de ser. Os ataques declarados realizados em Paris por militantes do Estado Islâmico simplesmente pôs a nu a posição francesa, que por decisão dos fatos necessita agora de apresentar uma mudança de rumo, tal como efetivamente participar dos ataques russos aos jihadistas da região. Soma-se a isto o senso de oportunidade dos eslavos, que fazem o que estão ao seu poder para atrair a França a uma aliança contra os grupos insurgentes, algo que se pode notar nas mensagens escritas nas bombas “Por Paris”, ou na doação singela, mas de largo alcance emotivo de um filhote da raça “Pastor Alemão”, a pequenina “Dobrynia”, enviada para substituir a cadela “Diesel”, morta nas ações no bairro de Sant Deni, quando da tentativa de captura do extremista  Abdelhamid Abaaoud, planejador dos atentados em Paris. O envolvimento de um membro importante da OTAN em uma coalizão liderada pela Rússia coloca em xeque os interesses turcos, sauditas e por extensão norte-americanos, por isso a ação deliberada de causar um incidente, incontornável, justamente na data onde o dignitário francês, Holland, se encontra com o seu equivalente russo, Putin…

Convenhamos, não é difícil de entender.

A pergunta que se faz agora: o que acontecerá? Antes de tudo é preciso entender que Putin é um jogador frio, que sabia desde o início da sua ação em apoio a Assad, que teria de contabilizar, cedo ou tarde, perdas de oficiais russos em combate. Não fará, portanto, uma retaliação militar contra os turcos, já que isto seria uma manobra por demais ingênua. Aproveitará isto sim, para aumentar o tom retórico contra a Turquia, expondo-a como um estado que apoiam terroristas,  e aliada ao Estado Islâmico na agressão a um estado soberano, no caso a República Árabe da Síria. Para a Rússia isso é muito mais importante do que a ofensa provocada por Ancara, a qual pode muito bem ter sido um ato ordenado pelo sócio maior da OTAN, os EUA, algo possível se levarmos em conta o baixo nível profissional dos atuais ocupantes do Departamento de Estado.

A Rússia fará aquilo que já tem feito, aumentar os esforços bélicos contra todos os grupos insurgentes que agridem a República Árabe da Síria, fornecendo armas, helicópteros e carros de combate. Não só com armas e participação de efetivos aéreos, mas agora com forças terrestres, dado que forças no tamanho de dois regimentos participaram das ações na localidade de Sahl Al-Gab, que se encontra a meia distância de Latakia, bastião do regime e centro das operações russas e Idlib, localidade próxima de Aleppo e controlada, ainda, por insurgentes. Sahl Al-Gab é composta por elevações e sua localização é considerada como de vital importância para a segurança das comunicações. Entende-se, portanto, o uso de efetivos russos, que fizeram uso de baterias de tubo de 130mm, e carros de combate, os quais não estavam ainda confirmados se T-90S, ou T-72 B3.

Em termos militares, portanto, os russos devem se abster da realização de alguma ação militar em solo turco, mas, irão adotar medidas de proteção as suas ações e considerar qualquer manifestação turca como hostil. Para se ter uma ideia, publico abaixo a declaração do Ministério de Defesa da Rússia sobre o ocorrido:




Ministério da Defesa da Federação Russa
24 de novembro de 2015, 20:52.
Um oficial tripulante de aeronave Su-24M foi assassinado quando pendurado no ar por fogo proveniente do chão. O acidente deu-se a 4 km da fronteira. A Força Aérea da Turquia violou o espaço aéreo da Síria quando do ataque ao SU-24M.
Uma operação de resgate foi empreendida com dois helicópteros Mi-8; uma das aeronaves foi danificada por fogo de armas portáteis provindo do solo, Na operação um fuzileiro naval e um tripulante foram mortos, os tripulantes e fuzileiros embarcados que compunha a equipe de busca e salvamento foram evacuados, sendo abandonado o helicóptero danificado, que posteriormente foi destruído pelos insurgentes. As buscas pelo segundo oficial tripulante do Su-24M serão mantidas.
Todas as operações da aviação de caça, doravante, dar-se-ão com escoltas de caças. O cruzador Moskva, dotado do sistema antiaéreo S300F será ancorado junto a região costeira de Latakia; avisamos que todo e qualquer contato que represente um perigo potencial para as forças russas será destruído.
Os contatos com os delegados militares turcos serão descontinuados”.

Percebe-se, por isso, que o sonho dourado de Erdogan, que é o de criar uma  No-Fly-Zone, para proteger os seus afilhados do Estado Islâmico, justamente pelo ato perpetrado, torna-se agora uma longínqua miragem, pois a OTAN tem o dever de proteger um associado de um ataque, mas não de ser solidária a uma agressão, ainda mais quando desprovida de bom senso.  Resta, então, aguardar o desenrolar dos acontecimentos, todavia fica a percepção de que o caminha destes apontam para um recrudescimento das ações contra os insurgentes, e se tal acontece é bom para a República Árabe da Síria e consequentemente para o mundo.

Plano Brasil

Via: http://noticia-final.blogspot.com.br/2015/11/jogadores-frios-e-sanguineos.html

General russo confirma que caça F-16 turco invadiu espaço aéreo sírio para derrubar o caça russo


Seres Racionais? Vídeo mostra guarda costeira grega afundando bote de imigrantes

Algumas coisas mais que as outras me fazem perder a fé na humanidade… Comecem a focar apenas a positividade, e coisas boas pois se dependermos dos governos e suas leis, é só ladeira abaixo…
Um vídeo compartilhado pelo site Metro UK, mostrando a guarda costeira da Grécia deliberadamente afundando botes com imigrantes, vem causando perplexidade na web.
Na reprodução, um marinheiro se aproxima do pequeno barco e começa a espetá-lo com um arpão enquanto os tripulantes gritam em desespero. Poucos segundos depois, o navio começa a partir como se nada tivesse acontecido.
O vídeo foi gravado pelo governo da Turquia, que jogou a reprodução na internet para denunciar e reprimir a ação do país grego. As autoridades da Grécia repudiaram a ação de seus marinheiros e dizem que não apoiam atitudes como essa. A Anistia Internacional, organização não governamental que defende os direitos humanos, também se posicionou em relação ao vídeo e exigiu que os gregos conduzam investigações sobre o ocorrido. Assista abaixo:

Fonte: Isso é Bizarro

Via: http://verdademundial.com.br/2015/11/seres-racionais-video-mostra-guarda-costeira-grega-afundando-bote-de-imigrantes/

EUA emitem "alerta mundial" para riscos de viagens face ao terrorismo

Os Estados Unidos emitiram hoje um "alerta mundial" para os riscos de os seus cidadãos de viajarem em todo o mundo devido a um aumento das "ameaças terroristas".
Em comunicado, o Departamento de Estado evoca em comunicado "informações atuais que deixam entender que o EI [o grupo extremista Estado Islâmico], a Al-Qaida, o Boko Haram e outros grupos terroristas continuam a planear ataques terroristas em múltiplas regiões".
O comunicado recorda igualmente os recentes atentados perpetrados este ano "em França, na Nigéria, na Turquia e no Mali".
"Os cidadãos dos Estados Unidos devem manter-se vigilantes quando estiverem em espaços públicos ou utilizarem transportes", acrescenta o comunicado, além de alertar os norte-americanos para evitarem locais com grande concentração de pessoas e "manterem uma cautela particular durante o período de férias" que se aproxima.
"As autoridades consideram que continua a existir uma probabilidade de ocorrerem ataques terroristas, na medida em que membros do EI/Daesh estão a regressar da Síria e do Iraque", alerta a diplomacia norte-americana, numa alusão aos combatentes estrangeiros que regressaram aos seus países de origem após terem combatido nas fileiras da organização 'jihadista'.
"Os extremistas tomaram por alvo os acontecimentos desportivos, teatros, mercados ao ar livre ou serviços aéreos", sublinha ainda o Departamento de Estado, numa alusão aos últimos atentados, designadamente em Paris e no 'Stade de France' em 13 de novembro, ou contra um avião russo que sobrevoava a península do Sinai no final de outubro.
O Ministério dos Negócios Estrangeiros dos EUA emite com frequência e regularmente notícias de alertas, país por país, para os seus cidadãos que se encontram ou viajem para o estrangeiro, mas o que foi hoje emitido é mundial e reveste-se de uma dimensão particular, tendo em consideração a multiplicação dos atentados nas últimas semanas.
Eventuais novos "ataques podem ocorrer através de uma ampla seleção de táticas, pelo recurso a armas convencionais ou não convencionais e podem visar interesses públicos ou privados", ainda segundo o Departamento de Estado.
Apesar de evitar detalhes, Washington assegura "continuar a trabalhar estreitamente com os nossos aliados face à ameaça colocada pelo terrorismo internacional".
Fonte:

http://illuminatielitemaldita.blogspot.com.br/2015/11/eua-emitem-alerta-mundial-para-riscos.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+IlluminatiAEliteMaldita+(ILLUMINATI:+A+ELITE+MALDITA)&utm_content=Netvibes

JR mostra como políticos fluminenses conseguem prosperar com o Estado falido

O Estado do Rio de Janeiro, considerado hoje o maior canteiro de obras do Brasil, está falido. Mas, apesar dos problemas financeiros que atingem em cheio à população, alguns políticos fluminenses não podem reclamar: em pouco tempo, viram seus negócios prosperarem. Descubra o porquê na reportagem especial do Jornal da Record.

http://rederecord.r7.com/video/jr-mostra-como-politicos-fluminenses-conseguem-prosperar-com-o-estado-falido-5653b3c20cf21afa459a24fb/

Vídeo: Helicóptero Russo é destruído por Míssil Tow em solo após pousar em resgate de tripulação de Su-24


Turquia é cúmplice do terrorismo, diz Pútin

Derrubada de caça Su-24 terá consequências graves para relações bilaterais com país, segundo presidente.

Presidente russo esteve na Turquia na semana passada, durante cúpula do G-20. Segundo ele, o fato de a Turquia ter avisado à Otan sobre o incidente em primeiro lugar é inadmissível. Foto:Getty Images
Em encontro com o rei da Jordânia Abdullah 2° nesta terça-feira (24), o presidente russo Vladímir Pútin afirmou que a Turquia é cúmplice do terrorismo e que a derrubada de um jato das forças aéreas russas na fronteira do país com a Síria terá graves consequências.

“O acontecimento vai além da luta contra o terrorismo. Claro que nossos militares conduzem uma luta heroica contra o terrorismo, sem se poupar, sem poupar suas vidas. Mas a perda de hoje está ligada a uma punhalada que tomamos nas costas pelos cúmplices do terrorismo”, disse.

O presidente ainda afirmou que a iniciativa turca no incidente com o avião russo parece ser a de colocar a Otan a serviço do EI.

“Ao invés de estabelecerem o contato necessário conosco imediatamente, pelo que sabemos, os turcos foram se comunicar com os parceiros da Otan para discutir a questão e o incidente, como se nós é que tivéssemos atingido um avião turco, e não eles o nosso”, disse.

Pútin acrescentou que a Rússia “sempre se relacionou com a Turquia não apenas como um vizinho próximo, mas como um Estado amigo”.

Além disso, o presidente ressaltou que a Turquia compõe a coalizão norte-americana.

“Já registramos há tempos o fato de o território da Turquia ser passagem de uma grande quantidade de petróleo e derivados provenientes de territórios ocupados na Síria. Daí o grande fluxo de dinheiro, a grande quantidade de capital para financiar grupos armados, e, agora, ainda a punhalada nas costas, atingir nossa aeronave, que lutava contra os terroristas. E isso apesar de termos assinado com os parceiros norte-americanos um acordo sobre avisos em caso de incidentes aéreos. A Turquia, como se sabe, está entre os que anunciaram que lutariam contra o terrorismo na coalizão norte-americana”, declarou o presidente russo.

Ele afirmou ainda que o acontecimento de hoje terá consequências para as relações bilaterais.

Fonte: Gazeta Russa

Plano Brasil

http://noticia-final.blogspot.com.br/2015/11/turquia-e-cumplice-do-terrorismo-diz.html
NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO