Siga este Blog

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Senado quer satisfações sobre general que celebrou ditadura

Brasília - A Comissão de Relações Exteriores do Senado quer ouvir esclarecimentos do ministro da Defesa, Aldo Rebelo, sobre declarações que foram atribuídas ao general Antonio Hamilton Martins Mourão, líder do Comando Militar do Sul.

Cidade Flutuante na Califórnia, China e Reino Unido: Nova imagem Pode resolver o Mistério

Flutuante Cidade acima da Califórnia, China e Reino Unido: Esta nova imagem Pode ajudar a resolver o mistério......
Trata-se apenas de nós ou que parece que há uma cidade flutuante nestas nuvens?
Um vídeo do que olhar como arranha-céus sombrios formando nas nuvens acima de Foshan na China foram em linha viral após Express.co.uk relatar o evento bizarro.
Agora uma imagem de uma miragem aparência semelhante no céu tomado na cidade costeira no sul da Inglaterra foram postados no Facebook.
Uma foi feita pelo sogra-residente Natasha Marie, que estava tirando fotos de cenas costeiras durante o por do sol.
O que é ainda mais curioso tho é a imagem final. Esta mostra exatamente a mesma sobre Orange, Califórnia. Foi postado em 20 de outubro porthecolourist On Twitter. Esta é exatamente a mesma Imagem no céu da China. Esta imagem é a CHAVE! Se confirmar a sua falsificação, ela vai dizer muito. Se confirmar a sua real! BOOOM! Lá vai algo louco! E eu diria que seu Projeto Blue Beam!
Apenas uma maneira de descobrir o que é isso para obter uma respostadothecolourist no Twitter. 
Nos dois primeiros vídeos abaixo ative a legenda com tradução.
Mais um post by: UFOS ONLINE
                                               Veja os Vídeos Abaixo:
                                                Fonte:DAHBOO77
                                           Fonte:FaceLikeTheSun

                              

Iêmen: Possível utilização de bomba de fragmentação brasileira nos ataques da Arábia Saudita

outubro 30, 2015
Tradução: Google Tradutor

(30-10-2015) As forças da coalizão liderada pela Arábia Saudita parecem ter usado uma variante brasileira de munições de fragmentação proibidas internacionalmente em um bairro residencial em Ahma em Sa’da, norte do Iêmen, esta semana, ferindo pelo menos quatro pessoas e deixando submunições não detonadas perigosos espalhados pela terra circundante, disse hoje a Anistia Internacional.
A organização entrevistou um número de residentes locais, incluindo duas vítimas, o pessoal de saúde que tratam deles, uma testemunha ocular e uma ativista local que visitou o local logo após o ataque. Bombas não detonadas foram encontradas no local do ataque e são semelhanças as bombas de fragmentação de fabricação brasileira. A Arábia Saudita é conhecida por ter usado no passado.
“Porque as munições de fragmentação são inerentemente armas indiscriminadas, a sua utilização é proibida por lei humanitária internacional consuetudinária. Na verdade, cerca de 100 estados já proibiram totalmente a sua produção, armazenamento, transferência e utilização, em reconhecimento do dano único e duradouro que causam”, disse Philip Luther, diretor do Programa da Amnistia Internacional para o Oriente Médio e África do Norte.
“Além de matar e ferir civis quando eles são usados ​​inicialmente, muitas submunições não explodem no momento do impacto e continuam a representar um risco para a vida de qualquer pessoa que entra em contato com elas durante anos. A coalizão liderada pelos Arábia Saudita deve cessar de imediato a sua utilização e todos os lados devem se comprometer publicamente para nunca implantar munições de fragmentação e concordar em aderir à Convenção global sobre as Munições de Fragmentação.”
Relatos de testemunhas oculares
O ataque com munição cluster foi realizada por volta do meio-dia em 27 de Outubro de 2015, em uma área residencial de Ahma, cerca de 10 km ao noroeste de al-Talh em Sahar, perto da cidade de Sa’da. Ahma está a aproximadamente 40 quilômetros ao sul da fronteira com a Arábia Saudita.
Um ativista local que visitou o local várias horas após o ataque encontraram três submunições não detonadas em torno de 20m de distancia, uma na área de uma fazenda local, outra perto de uma estufa e a terceira ao lado de uma mesquita. O objetivo militar mais próximo conhecido da Anistia Internacional é um mercado em al-Talh, cerca de 10 quilômetros ao sul-leste, que é conhecido por vender armas e tem sido alvo de ataques aéreos em pelo menos cinco ocasiões diferentes, desde o início a Arábia Saudita liderou a campanha de bombardeios em março.
Testemunhas descreveram como, apesar da ausência completa de aeronaves militares, uma série de foguetes atravessaram o céu e explodiram no ar, seguido por dezenas de explosões no terreno. Estes relatos e os restos encontrados no chão são consistentes com o uso de munições de fragmentação disparadas via foguetes superfície-superfície, usando um sistema de lançamento de foguetes múltiplos (MLRS).
Salah al-Zar’a, 35, um fazendeiro local, estava na principal estrada a 50m de distância quando o ataque ocorreu: “Eu estava na minha moto indo na direção de Dhahyan com outro amigo, quando eu vi … quatro foguetes caindo … Cada um seguiu em uma direção diferente com dois minutos entre cada foguete. Havia quatro explosões no céu e depois de 50 explosões quando bateu no chão. Eles cairam em um grupo de 30 casas e lojas.”
Saleh al-Mu’awadh, 48, um fazendeiro que tem 10 filhos, falou com a Anistia Internacional através do telefone de sua cama de hospital em al-Jamhouri hospital na cidade Sa’da: “Eu estava passando com a minha moto na estrada principal próximo ao local do ataque, quando tudo que eu sentia era pedaços de estilhaços. O impacto do ataque afetou cultivos a um par de quilômetros de distância do local.”
Ferimentos causados ​​por estilhaços
De acordo com o pessoal médico que trata os pacientes, um dos feridos, Abdelaziz Abd Rabbu de 25 anos está em um estado crítico com ferimentos de estilhaços no abdômen e no peito.
Abdelbari Hussein, 22, outro civil ferido no ataque, disse à Amnistia Internacional: “Eu estava sentado na minha loja quando o ataque aconteceu. Eu não ouvi o avião, tudo o que eu ouvi foi a explosão. “Ele sofreu ferimentos de estilhaços no abdômen.
Mesmo que o ataque possa ter alvejado Huthi e outros grupos armados entre a população civil, o uso de armas inerentemente indiscriminadas como as munições de fragmentação é absolutamente proibido pelo direito internacional humanitário. Qualquer uso de armas de fragmentação viola a regra.
Bombas de fragmentação proibidas
Bombas e munições de fragmentação contêm entre dezenas e centenas de submunições, que são liberados no ar, e se espalham indiscriminadamente sobre uma grande área medindo centenas de metros quadrados. Elas podem ser descartadas ou disparadas de um avião ou, como neste exemplo, lançadas a partir de foguetes superfície-superfície.
Bombas de fragmentação também têm uma alta taxa de “falhas” – o que significa que uma alta porcentagem delas não explodem no momento do impacto, tornando-se de fato minas terrestres que representam uma ameaça para os civis durante anos após a implantação. O uso, a produção, venda e transferência de munições de fragmentação é proibida nos termos da Convenção de 2008 sobre as Munições de Fragmentação, que tem quase 100 Estados membros.
Apesar do Brasil, Iêmen, Arábia Saudita e os outros membros da coalizão liderada pela Arábia Saudita que participam no conflito no Iêmen não sejam partes na Convenção, nos termos das regras do direito humanitário internacional consuetudinário, eles não devem usar armas inerentemente indiscriminadas, que invariávelmente representam uma ameaça para os civis.
ASTROS II brasileiro
A Anistia Internacional, Human Rights Watch e a Munition Coalition Cluster documentaram o uso da coalizão liderada pela Arábia Saudita de quatro tipos de bombas de fragmentação no conflito Iémen até à data, incluindo três variantes fabricadas nos EUA.
Mas esta é a primeira suspeita de uso de munições de fragmentação de fabricação brasileira no conflito.
Várias empresas brasileiras produzem bombas de fragmentação. Embora a Anistia Internacional tenha sido incapaz de verificar de forma independente, com absoluta certeza a marca e o modelo das submunições lançadas sobre Ahma, elas têm semelhanças a uma fabricada por uma empresa brasileira chamada Avibrás Indústria Aeroespacial SA.
O ASTROS II é um sistema com carga de caminhão múltiplos de lançamento de foguetes (MLRS) fabricado pela Avibrás. O ASTROS II pode disparar vários foguetes em rápida sucessão e três de seus foguetes podem ser equipados com até 65 submunições, com um alcance de até 80 km, dependendo do tipo de foguete. O site da empresa descreve como “capaz de lançar mísseis de longo alcance, projetado como um sistema de armas estratégicas com grande poder de dissuasão”.
De acordo com o Landmine and Cluster Munition Monitor, a Avibrás vendeu este tipo de munição cluster para a Arábia Saudita no passado, e a Human Rights Watch documentou a sua utilização pelas forças da Arábia Saudita em Khafji em 1991″, deixando para trás um número significativo de submunições não detonadas.”
O Brasil deve esclarecer imediatamente a extensão de suas transferências internacionais de munições de fragmentação proibidas, que remontam há décadas. Brasil e outros países que continuam a permitir a produção e transferência dessas armas não pode alegar ignorância do pedágio que estão a tomar contra civis no Iêmen e em outros lugares. Brasil deve parar imediatamente a produção, destruir seus estoques e aderir à Convenção sobre Munições de Fragmentação, sem demora“, disse Átila Roque, diretor-executivo da Anistia Internacional no Brasil.
A Amnistia Internacional falou com um oficial sênior da Avibrás hoje que tinha visto as imagens a partir de Iémen. Ele disse que a forma “se assemelha” a projetos da AVIBRAS e não descartou que fosse deles, mas disse que a probabilidade disso estava baixa por causa do tamanho do calibre. No entanto, ele admitiu que a empresa fabricou calibres semelhantes no início de 1990, e disse que iria investigar mais.
Fonteamnesty.org
Comentário do blog
A venda deeste tipo de arma para o regime terrorista da Arábia Saudita pode ser comprovada com uma simples busca na internet. Mas o mais importante é como o regime sionista de Israel, o patrocinador de terroristas no Oriente Médio, domina o setor bélico brasileiro.
De forma encoberta, o Brasil está sendo inserido como ator no cenário de guerra no Oriente Médio, produzindo armas para massacrar civís. Pelo menos, umas 500 crianças foram assassinadas nos bombardeios sauditas.
Além do Brasil produzir armas proibidas para que o regime saudita as utilize contra a população civil iemenita, também participa na produção de aviões para o regime sionista, que usa seu arsenal sobre a população civíl palestina.
O Brasil está sendo usado para fornecer armas que são utilizadas para cometer genocídio no Iêmen e na Palestina.
Artigos relacionados

China alerta EUA para perigo de guerra no mar

O comandante da Marinha militar chinesa, Wu Shengli, disse que, se os Estados Unidos não derem fim a suas "ações provocativas" no Mar da China Meridional, pode desatar uma guerra na região. Ainda segundo ele, até mesmo um pequeno incidente registrado na área pode culminar em um confronto bélico. "Espero que Washington aprecie a boa situação entre as marinhas, que não foi conquistada de forma fácil, e evite que este tipo de incidente aconteça novamente", disse.

Brasil: Crise militar

A crise militar
Demissão de general que criticou os políticos provoca crise militar
 
 
General Mourão homenageou Ustra e criticou a classe política
 
Publicado: 30 de outubro de 2015

O GENERAL ANTONIO HAMILTON MARTINS MOURÃO FOI TRANSFERIDO PARA UM CARGO BUROCRÁTICO.

Gerou um ambiente de insatisfação a determinação do ministro Aldo Rebelo (Defesa) para que o comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas, demitisse o general Antonio Hamilton Martins Mourão do comando Militar do Sul , além de transferi-lo para a Secretaria de Economia e Finanças do Exército, em Brasília.  Fontes militares informam que pode haver desdobramentos do episódio na manhã desta sexta-feira (30).
A demissão é uma punição pelas declarações do general a oficiais da reserva, fazendo duras críticas à classe política e convocando os presentes para "o despertar de uma luta patriótica". Para o lugar de Mourão irá o general Edson Leal Pujol, que estava na Secretaria de Economia e Finanças do Exército.
Com o novo cargo, eminentemente burocrático, o general Mourão perde a prerrogativa de falar para tropa. A decisão foi tomada depois de reunião do alto comando do Exército em Brasília, nesta semana. 
O senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional questionou o ministro da Defesa sobre a fala do general, que teria dito que "ainda tínhamos muitos inimigos internos, mas que eles se enganavam achando que os militares estavam desprevenidos" e que teria feito uma provocação, incitando os militares ao dizer: "eles que venham!".
Em claro desafio ao governo, como informou a coluna de Cláudio Humberto, do Diário do Poder, o Comando Militar do Sul fez uma homenagem póstuma ao coronel Brilhante Ustra, primeiro militar a ser oficialmente considerado um torturador.
Esta postura do general Mourão acrescenta um ingrediente à crise política que o governo Dilma já vive. O Planalto havia deixado este assunto a cargo da Defesa porque não quer trazer mais esta questão para dentro do palácio.


O mistério dos refugiados muçulmanos desaparecidos

AWOL: Milhares Mais "migrantes" muçulmanos "desaparecem misteriosamente"








Pamela Geller 

30 de outubro de 2015No início desta semana, eu relataram que os campos de refugiados começaram a relatar que os muçulmanos estavam desaparecendo - sumindo. Ninguém sabe para onde.

Está se espalhando - para outros campos. Tornou-se uma epidemia. 7.000 migrantes deixaram os abrigos em Brandenburg. Onde eles estão indo? Quem está abrigando estes imigrantes ilegais, muitos deles com laços com ISIS?

Eu vi o futuro, irmão, é assassinato.

Die Welt está informando isso.

    Milhares de refugiados deixaram alojamento por conta própria

    "Eles simplesmente não estão mais lá" - diariamente muitos refugiados desaparecem das primeiras instalações de recepção sem dar aviso prévio. Este é um problema sério para as autoridades.

    Milhares de refugiados deixando alojamento por conta própria

    "Eles simplesmente não estão mais lá" - diariamente muitos refugiados desaparecem das primeiras instalações de recepção sem dar aviso prévio. Este é um problema sério para as autoridades.

    A partir das instalações de recepção iniciais em Brandenburg, os refugiados estão cada vez mais indo por conta própria para parentes na Alemanha ou no exterior. Várias centenas de pessoas desaparecem a cada semana desde o início de setembro sem assinar off, Ingo Decker, o porta-voz do Ministério do Interior em Potsdam disse, respondendo a um inquérito. "Eventualmente, esses refugiados  simplesmente não existem mais.", Disse o porta-voz, e que às vezes eles iriam voltar ou eles seriam apanhados pela polícia.
migrant slovenia
Pelo menos 7.000 pessoas deixaram sem registro
Na quarta-feira sozinho, mais de 600 pessoas deixaram as primeiras instalações de recepção, Susan Fischer, porta-voz adjunto do ministério informou. Segundo dados oficiais do governo do estado, mais de 17.000 recém-chegados entraram no país desde o início de setembro. Sobre 7800 que foram acomodados nas cidades e comunidades, cerca de 2.700 pessoas ainda estão nas primeiras instalações de recepção.Segue-se que, pelo menos, 7000 pessoas deixaram por conta própria.

É um problema sério para as autoridades que muitos milhares de pessoas estão no seu caminho por conta própria no território federal, disse Decker. Ele também disse que os refugiados possam, assim, ser registrado várias vezes como o registro é baseado em informações dadas pelos registrantes, que quase sempre vêm sem quaisquer papéis. "O mesmo cara que é Muhammad Ali aqui em Eisenhüttenstadt pode ser Ali Mohammed um pouco mais tarde em Hamburgo", exemplificado Decker. Os estados devem viver com isso por enquanto, pois um registro adequado na fronteira não está neste momento à vista.

Via:  http://undhorizontenews2.blogspot.com.br/2015/10/o-misterio-dos-refugiados-muculmanos.html
NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO