NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO
Seja Bem Vindo

Siga este Blog

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Tragédia ? - Se Dilma CAIR by @ReinaldoAzevedo - @RachelSherazade


Por que a NASA e a mídia ocidental está encobrindo uma “Devastação” por choque de Meteoro no Irã?

The Daily Sheeple
7 de Agosto , 2015
Todos os olhos estão sobre o Irã agora por causa do acordo nuclear com o Irã  ou não estão?

Como relatado anteriormente, aquela coisa toda é um provável teatro. É geralmente. América é a única nação jamais usou armas nucleares nestes 70 anos.

Assim, enquanto a atenção é desviada falando sobre o acordo das armas nucleares e sobre o Leão Cecil ou o que quer que seja , alguém  a mencionar que impacto de meteoro (na verdade múltiplos impactos) atingiu o Irã apenas alguns dias atrás?

Agência de Notícias Tendência, 31 de julho:

confirmou que um meteoro atingiu algum lugar na parte norte do país.

O meteoro desembarcou em na província de Qazvin, Mohammad Ahani, diretor e funcionários de Gestão da Crise de Qazvin  disseram, à agência de notícias   em31 de julho.  Além disso, tem havido relatos de que alguns pedaços de rocha atingiram áreas Eshtehard, província de Alborz, Arsalan  Qasemi, governador de Boeen Zahra, condado na província de Qazvin, disse.
Fontes locais estão conversando e a reivindicação é a destruição em escala inimaginável.
Mesmo que esse não seja o , onde está para comentar sobre este assunto? Por que eles não anunciaram relataram qualquer coisa sobre ele?

Por que o silêncio ensurdecedor?

Até mesmo os meios de comunicação na Itália estão relatando sobre este evento.

Faça uma pesquisa simples de notícia sobre isso em algum lugar como Google News e você vai saber sobre um monte de . Pesquisar sobre meteoro  no Irã o máximo que você vai encontrar são blogs admoestando a  por não reconhecer publicamente que isso aconteceu mesmo.

Enquanto a NASA colocou para fora um relatório a desmascarar alegações de que um asteróide acabar com a Terra em Setembro próximo, as pessoas podem dificuldade em acreditar neles quando eles não podem sequer responder a um impacto de meteoro real no )


e vem mais esse post abaixo para colocar mais lenha na fogueira ....

Meteoro caiu no irã
[Imagem: Meteorit_131212.jpg]
Parece que as agências aeroespaciais conseguem ver planetas a anos luz de distância e até se são habitáveis mas têm problemas a detectar meteoros que caem na terra.
Segundo as agências noticiosas iranianas ontem deu - se mais um impacto:

Irã confirma  ataque de meteoro  http://en.trend.az/iran/society/2421112.html

Via: http://undhorizontenews2.blogspot.com.br/2015/08/envolto-em-misterio-meeros-teriam.html

Senado aprova indicação absurda de genro de senador para diretoria da ANAC


Imagem da internet
Imagem da internet
Advogado, 28 anos de idade, nenhuma experiência relevante em aviação, – MÁS – genro do senador Eunício Oliveira (PMDB-CE).
Recentemente o advogado Ricardo Fenelon, formado a 4 anos no curso de direito, casou-se com a filha do senador citado acima.
Esse é o indicado por Dilma e aprovado pelo Senado, para ser um dos 5 homens a decidir sobre a aviação civil no Brasil.
Pois é, não é só o governo Dilma que está perdido, vale lembrar que quem aprovou essa indicação foi o Senado Federal.
Veja o que o jornalista William Waack falou sobre o assunto:

Fonte:
Measure
Measure

RÚSSIA E EUA TROPEÇAM NA GUERRA: UMA ANÁLISE EXAUSTIVA DOS EVENTOS QUE ANTECEDEM UMA GUERRA RUSSO-AMERICANA.

Poderia uma resposta dos EUA às ações da Rússia na Ucrânia provocar um confronto conduzindo a uma guerra russo-americana?
Após o fim da União Soviética, Richard Nixon observou que os Estados Unidos haviam vencido a Guerra Fria, mas ainda não tinha ganho a paz. A partir daí, três presidentes americanos – representando ambos os partidos políticos – ainda não cumpriram essa tarefa. Ao contrário, a paz parece cada vez mais fora de alcance conforme ameaças à segurança dos Estados Unidos e da prosperidade multiplicam-se tanto a nível sistêmico, onde as grandes potências estão cada vez mais insatisfeitas desafiando a ordem internacional, a nível estadual e distrital, onde grupos étnicos, tribais, religiosos e outros insatisfeitos estão desestabilizando importantes países e até mesmo regiões inteiras.

Mais perigosos são os desacordos entre o sistema internacional e as prerrogativas das grandes potências em suas imediatas vizinhanças – disputas do tipo que têm produzido historicamente os maiores conflitos. E estas são as tensões centrais dos EUA e do Ocidente com a Rússia e, ainda mais preocupante, com a China. Atualmente, o desafio mais urgente é a crise em curso na Ucrânia. Lá, podem-se ouvir os ecos fantasmagóricos dos eventos de um século atrás que produziram a catástrofe conhecida como a Primeira Guerra Mundial. Por enquanto, o acordo Minsk II, ambíguo, estreito e interpretado de forma inconsistente está segurando, e podemos esperar que ele levará a mais acordos que impedem o retorno de uma guerra quente. Mas a guerra que já ocorreu e pode continuar a refletir profundas contradições que a América não pode resolver se não resolvê-las de forma honesta e direta.

Nos Estados Unidos e na Europa, muitos acreditam que a melhor maneira de prevenir a retomada da sua missão imperial histórica sobre a Rússia é assegurar a independência da Ucrânia. Eles insistem que o Ocidente deve fazer o que for necessário para impedir o Kremlin de estabelecer o controle direto ou indireto sobre aquele país. Caso contrário, prevêem que a Rússia realize a remontagem do antigo império soviético e ameace toda a Europa.

Por outro lado, na Rússia, muitos afirmam que enquanto a Rússia está disposta a reconhecer a soberania da Ucrânia e sua integridade territorial (com excepção da Crimeia), Moscou vai exigir nada menos do que aquilo que qualquer outra grande potência faria em sua fronteira. Segurança em sua fronteira ocidental requer uma relação especial com a Ucrânia e um grau de deferência esperado nas esferas de influência das grandes potências. Mais especificamente, o sentido de estabelecimento da Rússia sustenta que o país nunca pode estar seguro se a Ucrânia juntar-se à OTAN ou tornar-se parte de uma comunidade euro-atlântica hostil. De sua perspectiva, isso faz a posição não-comparável da Ucrânia uma exigência inegociável para qualquer Rússia poderosa o suficiente para defender os seus interesses de segurança nacional.


As áreas disputadas sob controle dos russos e os países membros do tratado de segurança da Rússia (OTSC) que serve de contraponto à OTAN.
Quando a União Soviética encontrou seu fim em 1991, a Rússia estava de joelhos, dependente da ajuda ocidental e consumida por seus próprios assuntos internos. Nesse contexto, não é de surpreender que os líderes ocidentais tenham se acostumado a ignorar as perspectivas russas. Mas desde que Vladimir Putin assumiu o poder em 1999, ele promoveu uma recuperação da autoestima da Rússia como uma grande potência. Alimentada pelo aumento da produção do petróleo e dos preços que trouxeram uma duplicação do PIB da Rússia, durante o seu reinado de quinze anos, os russos são cada vez mais contidos dessa conduta.

Os americanos fariam bem em recordar a seqüência de eventos que levaram ao ataque do Japão aos Estados Unidos em Pearl Harbor e a entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial. Em 1941, os Estados Unidos impuseram um embargo quase total sobre os embarques de petróleo para o Japão para punir a agressão no continente asiático. Infelizmente, Washington subestimou drasticamente em que medida o Japão iria responder. Conforme um dos “homens sábios” do pós-Segunda Guerra Mundial, o secretário de Estado Dean Acheson, observou depois, a leitura incorreta do governo americano não foi do que o governo japonês propôs fazer na Ásia, não a hostilidade que o nosso embargo excitaria, mas os riscos inacreditavelmente altos que o General Tojo assumiria para realizar seus fins. Ninguém em Washington percebeu que ele e seu regime considerava a conquista da Ásia não como a realização de uma ambição, mas como a sobrevivência de um regime. Era uma questão de vida ou morte para eles.

Poucos dias antes de Pearl Harbor, um enviado especial japonês, Saburo Kurusu, disse a Washington que “os japoneses acreditam que as medidas econômicas são uma arma de guerra muito mais eficaz do que as medidas militares; eles estão sendo colocados sob forte pressão dos Estados Unidos para ceder à posição norte-americana; e é preferível lutar em vez de ceder à pressão.” Apesar deste aviso, a resposta japonesa à guerra econômica pegou os Estados Unidos com a guarda baixa, matando cerca de 2.500 pessoas e afundou grande parte da frota do Pacífico dos Estados Unidos.

Rever o histórico recente das previsões das administrações norte-americanas sobre as consequências de grandes opções de política externa, deve servir como luz estroboscópica.

A administração Clinton descaracterizou uma guerra civil prolongada e sangrenta na Iugoslávia antes de impor sua própria partição trêmula e irritando a Rússia e a China no processo.

Quando George W. Bush decidiu invadir o Iraque e substituir o regime de Saddam Hussein por um democraticamente eleito, ele acreditava que isto seria, como ele disse, para “servir como um poderoso exemplo de liberdade e de independência em uma parte do mundo que está desesperada por liberdade e independência. “Ele e sua equipe segurou firme esta convicção, apesar de várias advertências de que a guerra iria fragmentar o país ao longo das linhas tribais e religiosas, que qualquer governo eleito em Bagdá seria dominado pelos xiitas e que o Irã seria o principal beneficiário de um Iraque enfraquecido.

Em seguida, a administração Obama se juntou a Grã-Bretanha e a França em uma grande campanha aérea na Líbia para remover Muammar el-Kadafi. O consequente caos contribuiu para as mortes de um embaixador dos EUA e outros diplomatas norte-americanos e para a criação de um refúgio para extremistas islâmicos mais ameaçadores do que a Líbia de Kadafi foi aos seus vizinhos e para a América.
Conflitos armados na África em 2015 alguns em decorrência da instabilidade política provocada pelas ações da OTAN e revoluções da primavera àrabe no continente.
Na Síria, desde o início da guerra civil, o governo Obama exigiu a derrubada do presidente Bashar al-Assad, mesmo ele nunca ter representado uma ameaça direta para a América. Nem a administração Obama nem os membros do Congresso levaram a sério as previsões de que os extremistas islâmicos que dominam a oposição síria, ao contrário das mais moderadas forças de Assad, não seriam fáceis de substituir.

Poderia a resposta dos EUA às ações da Rússia na Ucrânia provocar um confronto para conduzir a uma guerra russo-americana? Essa possibilidade parece quase inconcebível. Mas ao julgar algo como sendo “inconcebível”, devemos nos lembrar sempre que se trata de uma declaração não sobre o que é possível no mundo, mas sobre o que podemos imaginar. Conforme Iraque, Líbia e Síria demonstraram, os líderes políticos têm muitas vezes dificuldades que visam à eventos que eles encontram desconfortáveis, perturbadores ou inconvenientes.

Visões predominantes do confronto atual com a Rússia sobre a Ucrânia se encaixam neste padrão. Desde então a remoção de Slobodan Milosevic, Saddam Hussein e Muammar Kadafi do poder teve limitado impacto direto sobre a maioria dos americanos, o que talvez não seja surpreendente que a maioria dos fazedores de política de Washington e os analistas supõem que desafiando a Rússia sobre a Ucrânia e procurando isolar internacionalmente e inviabilizar economicamente Moscow, isso não contribuirá a um custo significativo, muito menos representará perigos reais para a América. Afinal, o refrão mais comum em Washington quando o tema da Rússia surge é que “a Rússia não importa mais.” Ninguém na capital gosta de tentar humilhar Putin mais do que o presidente Barack Obama, que inclui a Rússia repetidamente em sua lista de flagelos atuais juntamente com o Estado Islâmico e o Ebola.

E não pode haver dúvida de que sendo um petro-estado, a Rússia é economicamente vulnerável e tem muito poucos, se houver, aliados genuínos. Além disso, muitos entre suas elites empresariais e intelectuais estão tão entusiastas quanto a página editorial do Washington Post para ver Putin deixar o ofício. Com a mesma visão do que ocorreu na Ucrânia, o ex-presidente ucraniano Viktor F. Yanukovych expulso com sucesso e apoiado indiretamente pelo Ocidente, então, argumenta-se que, talvez Putin seja vulnerável também.

No entanto, a Rússia é muito diferente dos outros países onde os Estados Unidos tem apoiado a mudança de regime. Primeiro e mais importante, o país tem um arsenal nuclear capaz de literalmente apagar os Estados Unidos do mapa. Enquanto muitos americanos já se convenceram de que as armas nucleares não são mais relevantes na política internacional, os oficiais e generais em Moscow pensam de forma diferente. Em segundo lugar, independentemente de como os americanos consideram seu país, os russos o consideram como uma grande potência. Grandes potências raramente se contentam em servir simplesmente como objetos da políticas de outros estados. Onde eles têm o poder para fazê-lo, eles tomam seu destino em suas próprias mãos, para o bem ou para o mal.

Enquanto a maioria dos decisores políticos e comentaristas descartam a possibilidade de uma guerra russo-americana, estamos mais preocupados com o rumo dos acontecimentos do que em qualquer momento desde o fim da Guerra Fria. Dizemos isto tendo seguido os eventos soviéticos e russos durante a Guerra Fria e nos anos desde a implosão da União Soviética, em 1991. E nós dizemos isso depois que um de nós recentemente passou uma semana em Moscow, falando abertamente com indivíduos no e em torno do governo Putin, inclusive com muitos funcionários russos influentes, e o outro na China que ouve os pontos de vista de Pequim. A nossa avaliação se baseia sobre essas conversas, assim como em outras fontes públicas e privadas.

Há três fatores-chaves ao considerar como o conflito de hoje pode escalar à guerra: a tomada de decisão da Rússia, a política da Rússia e da dinâmica EUA-Rússia.

No que diz respeito à tomada de decisão da Rússia, Putin é reconhecido tanto dentro como fora do país como o decisor unilateral. Toda a evidência disponível sugere que ele confie em um círculo muito restrito de assessores, nenhum dos quais está preparado para desafiar suas suposições. É improvável que este processo ajude Putin a tomar decisões informadas que plenamente levem em conta os custos e os benefícios reais.

Além disso, o ambiente político de Rússia, tanto aos níveis da elite como aos níveis públicos, estimula Putin a escalar exigências e não fazer concessões. Ao nível da elite, o estabelecimento da Rússia cai em dois campos: um campo pragmático, que é atualmente dominante graças principalmente ao apoio de Putin, e um campo linha dura. O público russo em grande parte apóia o campo linha-dura, a quem um assessor de Putin chamou de “exaltados”. Dada a política russa de hoje, Putin é pessoalmente responsável pelo fato de as políticas revanchistas da Rússia não serem mais agressivas. Sem rodeios, Putin não é o mais difícil dos conservadores na Rússia.

Embora nenhum dos “cabeças quentes” critiquem Putin, mesmo em conversas privadas, um número crescente de oficiais militares e da segurança nacional é a favor de uma abordagem consideravelmente mais resistente para os Estados Unidos e a Europa na crise da Ucrânia. Isto é evidente em seus ataques a esses oficiais de gabinete relativamente moderados, como o vice-primeiro-ministro Igor Shuvalov e o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Sergey Lavrov. De sua perspectiva, os moderados não conseguem compreender a gravidade do desafio EUA-Europa para a Rússia e mantêm esperanças fúteis de que as coisas podem melhorar sem a Rússia se render a uma imposição estrangeira inaceitável e degradante. Eles recomendam deslocar o jogo para as áreas da força russa – usando a força militar para defender os interesses russos, como Putin fez na Criméia, e para pressionar o Ocidente a aceitar Moscow com os seus próprios termos.

Um público cada vez mais nacionalista russo também apóia este abordagem de “desafiar o inimigo principal”, que tira a sua língua e inspiração do ex-líder soviético Yuri Andropov. Putin tem claramente contribuído para o crescimento de sentimentos nacionalistas através de sua retórica patriótica e sua acusação dura do comportamento ocidental. Mas ele apenas empurrou uma porta aberta devido a uma desilusão generalizada com o tratamento ocidental dado à Rússia, como um perdedor da Guerra Fria, em vez de um aliado na construção de uma nova ordem mundial.

Além do mais, os russos comuns podem ter ido mais além em seus pontos de vista truculentos do que o próprio Putin. Não muito tempo atrás, a mídia da Rússia amplamente divulgou um aviso do comandante rebelde recentemente demitido Igor Strelkov, que disse que por ser muito indeciso, Putin não satisfaria a ninguém e sofreria o mesmo destino de Slobodan Milosevic – igualmente a rejeição dos liberais e nacionalistas. Mais recentemente, Strelkov já teria colocado o retrato de Putin proeminente em seu escritório, explicando que na sua opinião o presidente russo “compreendeu que todo compromisso com o Ocidente é infrutífero” e que ele está “restabelecendo a soberania russa.” Strelkov muitas vezes exagera, mas seus pontos de vista refletem as frustrações da coalizão nacionalista influente da Rússia.

O suporte adicionado para uma afirmação mais musculosa vem de um grupo em expansão de oficiais militares e civis que acreditam que a Rússia pode brandir suas armas nucleares para um bom efeito. De acordo com este grupo, o arsenal nuclear da Rússia não é apenas o seu cobertor de segurança final, mas também uma espada que pode ser manejada para coagir outros que não têm armas nucleares, bem como aqueles que não estão dispostos a pensar o impensável de que realmente possa explodir uma bomba nuclear. Putin pareceu endossar essa visão em seu controverso discurso em Sochi, em setembro do ano passado, quando ele disse:

Nikita Khrushchev martelou a mesa com o sapato na ONU. E o mundo inteiro, principalmente os Estados Unidos e a OTAN, pensaram: “Este Nikita é melhor deixar sozinho, ele pode simplesmente ir e disparar um míssil. É melhor mostrar algum respeito por eles.” Agora, a União Soviética se foi e não há necessidade de levar em conta os pontos de vista da Rússia. Ela passou por transformação durante o colapso da União Soviética, e nós podemos fazer o que queremos, desconsiderando todas as regras e regulamentos.

O diretor da rede de televisão Rossiya Segodnya, Dmitry Kiselyov, foi mais explícito, alertando repetidamente, “A Rússia é o único país no mundo que é realisticamente capaz de transformar os Estados Unidos em cinzas radioativas.” Em 2014, a doutrina militar da Rússia salienta que a Rússia usará armas nucleares não só em resposta aos ataques nucleares, mas também “no caso de agressão contra a Federação Russa com o uso de armas convencionais”. E, como um recente relatório da Rede de Liderança Européia regista, houve quase quarenta incidentes o ano passado, nos quais as forças russas se ocuparam em um modelo de provocações que, se continuado, “poderiam resultar catastróficas.”

Por mais contra-intuitivo que possa parecer, também é improvável que o enfraquecimento da economia da Rússia possa criar pressão pública para concessões. Pelo contrário, o prejuízo de uma economia russa já estagnada sofrendo com os baixos preços da energia é, na verdade, vai reduzir a flexibilidade da política externa de Putin. O presidente da Rússia precisa mostrar que o sofrimento de seu país tem valido a pena. A retração poderia danificar gravemente a imagem cuidadosamente cultivada de Putin como um forte homem ao estilo que os russos têm historicamente apreciado e alienar sua base política hiper-nacionalista. Eles se ressentem pelas sanções, ao ver que elas ferem as pessoas comuns muito mais do que a comitiva de Putin, e querem que seus líderes resistam, não capitulem. Para muitos, a dignidade da Rússia está em jogo.

Essa conclusão veio claramente através de uma recente conversa com um alto oficial russo. Quando perguntado por que seu governo não iria tentar negociar um acordo com base nos princípios já articulados, tais como a troca de garantias russas sobre a integridade territorial da Ucrânia menos a Criméia e direito à Ucrânia se mover em direção a União Européia com garantias ocidentais de que a Ucrânia não se juntaria à OTAN e que os Estados Unidos e a União Européia relaxariam as sanções, o funcionário respondeu dizendo, “Nós temos o nosso orgulho e não podemos parecer estar pressionando os insurgentes para ter as sanções reduzidas.”

A questão fundamental é esta: Será que Putin continuará a apoiar os pragmatistas relativamente moderados, ou ele vai dar atenção aos “cabeças quentes”? Por enquanto, ele chegou a um meio termo: a Rússia tem prestado um apoio eficaz, mas limitado aos separatistas, enquanto, ao mesmo tempo, na esperança de restaurar muitos dos seus laços com o Ocidente (ou pelo menos com a Europa). Putin também tentou esconder a escala da intervenção da Rússia, a fim de contemporizar e explorar as diferenças de EUA-europeus e intra-europeus.

Atualmente, os pragmatistas mantêm a vantagem, em grande parte porque Putin tem mantido a sua equipe de governo quase intacta, tanto no gabinete como na administração presidencial. Enquanto leal a Putin e preparada para executar sua agenda, essa equipe é constituída principalmente de funcionários cujas experiências formativas estabeleceram a interdependência econômica com o Ocidente e a tentativa de fazer da Rússia uma voz importante em uma ordem mundial predominantemente moldada por Estados Unidos e sua aliados.

Lavrov, o Ministro dos Negócios Estrangeiros e outros que apoiam a sua abordagem mais pragmática argumentam que Moscow ainda pode fazer negócios com os Estados Unidos e, especialmente, com os europeus, se a Rússia não fechar a porta. Os “cabeças quentes” são de opinião contrária, insistem que o Ocidente visualiza qualquer moderação na política russa como um sinal de fraqueza. Retratando-se como realistas, eles argumentam que a OTAN está determinada a derrubar Putin, forçar a Rússia a ficar de joelhos e talvez até desmembrar o país.
Mapa mostra como a OTAN pretende anular a resposta militar russa cercando o território russo a partir da Europa e através da África e da Ásia, inclusive promovendo mudanças de regime, golpes de estado e revoluções coloridas em diversos países.
A relutância de Putin em mudar de rumo drasticamente até agora explica sua guerra híbrida no leste da Ucrânia, o que ajuda os separatistas sem a Rússia entrar formalmente no conflito. Essa é também a base das negações impersuasivas da Rússia de que está dando apoio militar aos separatistas, que ao mesmo tempo fazem Moscow alvo de críticas justificadas e criam em Washington e na Europa uma esperança infundada de que a Rússia não será capaz de absorver baixas maiores em uma guerra em que afirma não participar.
No entanto, a tentativa de Putin de seguir os objetivos maiores dos pragmatistas, acomodando os “cabeças quentes” no terreno da Ucrânia pode não ser indefinidamente sustentável.

Uma visão que cada vez mais prevalece entre os conselheiros de Putin é de que as esperanças de uma recuperação da cooperação Ocidental-russa são uma causa perdida porque os EUA e os líderes ocidentais não vão aceitar qualquer resolução que atenda aos requisitos mínimos da Rússia. Se os Estados Unidos e a União Europeia, em grande medida removerem as sanções e os negócios forem restaurados como de costume, eles insistiriam para que a Rússia engolisse seu orgulho e reconciliasse. Mas se a Rússia vai continuar sendo sancionada, excluída do mercado financeiro e a ela será negada a tecnologia ocidental, eles dizem, então a Rússia deve seguir o seu próprio caminho independente. Putin ainda tem de enfrentar um momento decisivo que exigiria dele uma escolha fatídica entre acomodar as exigências ocidentais e mais diretamente entrar no conflito e talvez até mesmo utilizar a força contra os interesses ocidentais fora da Ucrânia. E se esse momento chegar, podemos muito bem não dar as boas-vindas à sua escolha.
Deixando as SANÇÕES de lado, dois outros desenvolvimentos poderiam forçar a mão de Putin. Uma delas seria a perspectiva de uma derrota militar dos separatistas; a segunda seria a adesão da Ucrânia à OTAN.

Putin traçou uma linha vermelha brilhante impedindo a primeira de uma entrevista com o canal de televisão ARD da Alemanha em 17 de Novembro de 2014. Falando retoricamente, perguntou se a OTAN queria ver “as autoridades centrais ucranianas aniquilarem todos dentre os seus inimigos políticos e opositores” no leste da Ucrânia. Se assim for, Putin declarou categoricamente: “Nós não vamos deixar isso acontecer.” Em todos os casos, quando os militares ucranianos pareciam próximos de ganhar vantagem no confronto, e apesar das advertências e sanções dos Estados Unidos europeus, Putin elevou a aposta para assegurar o êxito dos separatistas no campo de batalha.

Embora o presidente da Rússia tenha dito menos sobre a segunda linha vermelha, não pode haver dúvida de que a potencial adesão da Ucrânia à OTAN é uma preocupação notável da Rússia. Uma razão importante para a disposição de Moscow em deixar Donetsk e Luhansk voltar para o controle central ucraniano, com um grau considerável de autonomia, é o desejo do Kremlin de que suas populações pró-russas possam votar nas eleições ucranianas, e para que seus governos locais autônomos servam como um freio sobre a estrada da Ucrânia em direção à OTAN. A corrente política da Rússia apoia esmagadoramente impedir o surgimento de uma Ucrânia hostil sob o guarda-chuva de segurança da OTAN, a menos de 400 milhas de Moscow.
Parceiros da OTAN movimentam seus aviões para próximo da fronteira com a Rússia-Ucrânia – by Tyler Durden, http://www.zerohedge.com
Este sentimento está fundado tanto nas questões de segurança russas como nos sentimentos quase incontroláveis sobre a Ucrânia e sua população de língua russa. A crescente popularidade do slogan Rossiya ne brosayet svoikh – a Rússia não abandona o seu próprio – reflete esses sentimentos e assemelha-se às atitudes pan-eslavas da Rússia em direção a Sérvia antes da Primeira Guerra Mundial. Um de nós viu um poderoso exemplo de essas emoções enquanto assistia a uma discussão sobre a Ucrânia num programa russo de entrevistas antes da audiência ao vivo. O palestrante russo declarou sob aplausos estrondosos que “nossa causa é justa e nós vamos prevalecer.” É importante ressaltar que o pronunciador da frase, Vyacheslav Nikonov, não é apenas um membro do partido pró-Putin Rússia Unida e presidente da comissão de educação do parlamento. Ele também é neto do ex-ministro das Relações Exteriores soviético Vyacheslav Molotov, que fez a mesma declaração após Hitler atacar a União Soviética em 1941. Nikonov é conhecido por refletir as perspectivas do estabelecimento. O diplomata e filósofo conservador Joseph de Maistre do início do século XIX viu algo semelhante em seu próprio tempo: “Não existe homem que deseje tão apaixonadamente como um russo. Se pudéssemos prender um desejo russo debaixo de uma fortaleza, a fortaleza explodiria.” O nacionalismo russo, hoje, é uma tremenda força explosiva.
É necessário um pouco de imaginação para encontrar possíveis gatilhos para uma mudança decisiva na postura de Putin. O mais imediato seria uma decisão dos EUA de armar os militares da Ucrânia. Poderiam alguns no governo de Putin, na verdade, estar tentando seduzir os Estados Unidos para armar a Ucrânia? Enquanto isso parece um tanto forçado, à primeira vista, um outro interlocutor russo fez um caso pensativo que este sim é verdadeiramente o plano de alguns em torno de Putin, talvez até mesmo com o consentimento de Putin. De acordo com esta teoria, esta estratégia tem tanto uma base tática como lógica.

Taticamente, um anúncio de Obama de que os Estados Unidos estavam enviando armas para a Ucrânia iria dar a Putin uma fuga fácil daquilo que se tornou uma negação cada vez mais insustentável do óbvio. Para concidadãos russos, Putin e o seu governo repetidamente insistiram de forma inequívoca que a Rússia não é uma das partes do conflito, apesar de os políticos do governo pró-russos e líderes separatistas gabarem-se da ajuda de Moscow pela televisão. Mesmo após a derrubada do avião de passageiros da Malásia que matou quase trezentas pessoas em julho do ano passado, e apesar dos relatórios Ocidentais contínuos dos fatos, Putin não mudou a história deles.

Um anúncio que Washington estava armando a Ucrânia, argumenta-se, daria a Putin o pretexto que ele precisa para afirmar sua narrativa. Ele acusa os Estados Unidos de ter patrocinado o golpe de Estado Maidan que depôs Yanukovych, um presidente democraticamente eleito, e de estar apoiando a guerra do atual governo ucraniano contra os étnicos russos no leste da Ucrânia. Mostrar publicamente o armamento da Ucrânia por Washington vai assim desmascarar a atividade americana anteriormente secreta e justificar a Rússia de responder com armas ou até mesmo com tropas, iniciando um jogo de escalada que brinca com a sua força.
Instalações militares e locais de lançamento de mísseis da OTAN, da Rússia e dos EUA na Europa.
Estrategicamente, isto seria, como chamam os mestres de xadrez, uma armadilha. Ao deslocar a competição do tabuleiro econômico (onde os Estados Unidos e a Europa possuem todas as peças poderosas) para um militar, ele terá mudado de fraqueza para força. Na área militar, Putin possui os altos comandos: não há praticamente uma arma oferecida dos Estados Unidos a Kiev que a Rússia não possa igualar ou ultrapassar; logisticamente, ele pode enviar as armas por transporte rodoviário, ferroviário, marítimo e aéreo, através de uma fronteira porosa, enquanto os Estados Unidos é um continente à distância; dentro das fileiras militares da Ucrânia, eles tem centenas ou mesmo milhares de agentes e colaboradores. E, mais importante, como já foi demonstrado, as forças militares russas estão preparados não só para aconselhar os separatistas, mas também para lutar ao lado deles – e para matar e morrer. Ele assume que os Estados Unidos nunca vão colocar as botas no solo da Ucrânia. Quanto mais vividamente ele puder manejar este ganho com os europeus, por isso o pensamento de linha dura vai permanecer, com mais respeito ele pode comandar.

Os linhas-duras vêem isso como a melhor chance de Putin arrebatar o que eles chamam de “vitória estratégica” das garras da derrota. Como se vê, a vantagem comparativa da Rússia nas relações com a Europa e os Estados Unidos não é a economia. Em vez disso, está implantando o poder militar.

Os europeus têm essencialmente desarmado a si mesmos e mostram pouca vontade de lutar. Os americanos, sem dúvida, têm o maior poder militar da terra e estão muitas vezes preparados para lutar. Mas mesmo que ganhem todas as batalhas, eles parecem incapazes de vencer uma guerra, como no Vietnã ou no Iraque. Na Ucrânia, os “exaltados” têm esperança, a Rússia pode ensinar aos europeus e americanos algumas verdades duras. A operação profissionalmente executada que anexou a Criméia praticamente sem um tiro foi o primeiro passo. Mas o mais profundo é que os Estados Unidos pode ser sugado na Ucrânia e o mais visível é que está empenhado em alcançar metas inatingíveis, como a restauração da integridade territorial da Ucrânia, o melhor a partir dessa perspectiva russa bélica. No campo de batalha da guerra na Ucrânia, a Rússia tem o que os estrategistas da Guerra Fria chamam de “dominância escalada”: a mão superior a cada passo até a escada escalada. Esta é uma guerra por procuração que os Estados Unidos não podem vencer e Rússia não pode perder, a menos que a América esteja disposta a ir para a guerra em por ela mesma.
Do ponto de vista político, étnico e ideológico a Ucrânia já está rachada.
O público primário deste drama é, naturalmente, a Europa. O fato de que, nem os membros europeus da OTAN nem os Estados Unidos podem salvar a Ucrânia, é a esperança de penetrar na consciência dos europeus pós-modernos. Quando isso acontecer, de acordo com esta lógica, uma hábil combinação de intimidação e intimação de esperança deve dar à Rússia uma abertura para abrir uma brecha entre os Estados Unidos e a Europa, proporcionando o alívio das sanções mais onerosas e o acesso aos mercados financeiros europeus.

Inicialmente, Putin vai tentar explorar a validade das sanções da UE, que estão programadas para expirar em julho. Se isso falhar, no entanto, e a União Europeia junta-se aos Estados Unidos na imposição de sanções econômicas adicionais, como excluindo Moscow a partir do sistema de compensação financeira SWIFT, Putin seria tentado a responder por não recuar, mas terminando toda a cooperação com o Ocidente, mobilizar seu povo contra uma nova ameaça “apocalíptica” para a Mãe Rússia. Como um líder político russo nos disse: “Ficamos completamente sozinhos contra Napoleão e contra Hitler. Essa foi a nossa vitória contra os agressores, e não a nossa diplomacia, que dividiu as coalizões inimigas e nos providenciou novos aliados”.

Nesse ponto, Putin modificaria provavelmente tanto a sua equipe como o impulso da sua política estrangeira. Como um oficial sênior disse: “O presidente valoriza a lealdade e a coerência, então, permitir que as pessoas vão e anunciem mudanças políticas fundamentais chega sério para ele. Mas ele é um homem decidido e quando chega a uma decisão, faz o que for preciso para obter resultados. “Isto significaria uma política russa significativamente mais beligerante em todas as questões levadas por uma narrativa sobre uma campanha ocidental para minar o regime ou, na verdade, causar o colapso do país. Entre outras coisas, isso provavelmente significa o fim da cooperação em projetos como a Estação Espacial Internacional, suprimentos de metais estratégicos como o titânio, lidar com o programa nuclear iraniano e estabilizar o Afeganistão. Neste último caso, isto poderia incluir não só a pressionar Estados da Ásia Central para reduzir a cooperação de segurança com os Estados Unidos, mas também tirar partido das diferenças políticas na coalizão de governo do Afeganistão para apoiar os remanescentes da Aliança do Norte.

Uma vez que a relação russo-americana entrar na zona de confrontação aquecida, os altos oficiais militares de ambos os lados, inevitavelmente desempenharão um papel maior. Semelhante ao que o mundo viu um pouco antes da Primeira Guerra Mundial, quando o dilema da segurança tomou conta, o que parecem ser as precauções razoáveis para um lado pode muito bem parecer como a evidência de uma provável agressão para o outro. Clausewitz descreve a lógica implacável que empurra cada lado em direção a um “novo aprimoramento mútuo, o que, na concepção pura, deve criar um novo esforço em direção a um extremo.” Os comandantes têm de pensar em termos de capacidades, em vez de intenções. Isso os empurra em direção a passos que são taticamente prudentes, mas traz uma errônea interpretação estratégica.

Previsivelmente, os líderes e seus conselheiros militares também vão calcular mal. Antes da Primeira Guerra Mundial, Kaiser Wilhelm II não acreditava que a Rússia se atreveria a ir para a guerra por causa de sua derrota pelo Japão menos de uma década antes o que havia demonstrado a incompetência dos militares russos. Ao mesmo tempo, o ministro da Defesa russo, Vladimir Sukhomlinov assegurou ao czar que a Rússia estava pronta para a batalha e que a Alemanha já tinha decidido atacar. Como Sukhomlinov disse em 1912, “Sob nenhuma circunstância a guerra é inevitável e é vantajosa para nós iniciá-la mais cedo ou mais tarde… Sua Majestade, eu acredito no exército e sabemos que a guerra só vai trazer coisas boas para nós.” Em Berlim, o Estado Maior alemão também defendeu uma ação rápida, temendo a conclusão iminente de uma nova rede de linhas ferroviárias, que permitiria ao czar mover as divisões russas rapidamente até a fronteira da Alemanha.

Após o assassinato do arquiduque Franz Ferdinand, conforme a crise se intensificou, os comandantes militares tanto na Rússia e como na Alemanha apressaram-se para não ser o segundo a se mobilizar. Como o general do Estado Maior russo disse a Nicholas II, apenas uma mobilização em grande escala imediata impediria uma derrota rápida, se não da própria Rússia, então, pelo menos da França, cujo apoio a longo prazo a Rússia precisava para suportar o ataque alemão.

Letônia, Estônia, Lituânia e formam o calcanhar de Aquiles da aliança da OTAN. Eles são protegidos pelas garantias do seu artigo 5, de que um ataque contra um será considerado como um ataque contra todos. Assim, os Estados Unidos têm uma responsabilidade inequívoca e inegável para dissuadir e defender ataques contra os Estados bálticos. Dada a sua dimensão, a proximidade com a Rússia e as minorias de língua russa substanciais, esta é uma exigência assustadora. Não é difícil imaginar cenários em que a ação dos EUA ou da Rússia poderia por em movimento uma cadeia de eventos no fim dos quais as tropas americanas e russas estariam matando umas às outras.

Atualmente uma animada discussão acontece entre os russos linha-dura, sobre como o domínio russo em ambas as forças convencionais e armas nucleares táticas na Europa Central e Oriental poderia ser usada para a vantagem da Rússia. Putin falou publicamente sobre sua disposição de usar armas nucleares para repelir qualquer esforço para retomar a Criméia – notando que ele confiou no arsenal nuclear da Rússia durante a operação da Criméia. Nestes debates, muitos perguntam se o presidente Obama se arriscaria a perder Chicago, Nova York e Washington para proteger Riga, Tallinn e Vilnius. É uma questão preocupante. Se você quiser assombrar ou silenciar uma mesa ao lado de você em um restaurante em Washington ou Boston, pergunte aos seus colegas clientes o que eles pensam. Se as secretas forças militares russas assumissem o controle da Estônia ou da Letônia, o que os Estados Unidos deveriam fazer? Será que eles suportam o envio de americanos para lutar pela sobrevivência da Estônia ou da Letônia?
Contingente estimado das forças militares da OTAN no Leste da Europa e posicionados contra as forças russas na fronteira.
Imagine, por exemplo, um levante de etnia russa na Estônia ou na Letônia, espontaneamente ou por instigação de serviços de segurança russos; uma resposta desajeitada por aquelas forças de polícia e militares débeis nacionais; um apelo dos russos étnicos para Putin honrar a sua declaração “Doutrina Putin” durante a libertação da Crimeia de que ele viria em defesa dos russos étnicos onde quer que eles fossem atacados; uma tentativa de repetição da guerra híbrida contra a Ucrânia; e um confronto com o batalhão de seiscentas forças americanas ou da Otan, agora em rotações regulares através dos Estados Bálticos.

Alguns russos têm ido tão longe como a sugerir que isso daria provocação suficiente para Moscow usar uma arma nuclear tática; o embaixador da Rússia na Dinamarca, por exemplo, recentemente ameaçou que a participação dinamarquesa no sistema de defesa antimísseis da OTAN tornaria o país “um alvo para as armas nucleares russas.” Além do mais, a Rússia tem estudado estacionar mísseis Iskander em Kaliningrado – o enclave russo entre a Lituânia e a Polônia – enquanto a inteligência da Suécia declarou publicamente que considera as operações de inteligência russas como preparação para “operações militares contra a Suécia.”

Num clima de desconfiança mútua, ainda mais alimentado pelas políticas internas de ambos os lados, garantias de intenções benignas raramente são suficientes.O livro de 2013 de Christopher Clark, Os Sonâmbulos, fornece um relato convincente de como, nos dias que precederam a Primeira Guerra Mundial, ambas as alianças desdenhosamente rejeitaram as explicações e garantias que ouviram do outro lado.

Claro, as alianças são agora o ponto mais fraco de Putin. A Rússia não tem um único aliado empenhado em apoiar Moscow na guerra. No entanto, deve-se ser cauteloso sobre contar com o isolamento de Moscow, em um confronto de longo prazo com o Ocidente. Uma razão que Kaiser Wilhelm II apresentou seu ultimato à Rússia foi a de que ele não acreditava que a Inglaterra iria se juntar a Rússia em uma guerra sobre a crise nos Balcãs, onde Londres esteve tradicionalmente resistente à influência russa. Além disso, sem Inglaterra, poucos esperavam que a França oferecesse muita resistência.

O que aqueles que contam com o isolamento russo hoje não levam em conta adequadamente é que uma aliança poderosa e assertiva, preparada para defender os seus interesses e promover os seus valores, inevitavelmente estimula anticorpos. Foi esse senso de determinação da Alemanha para alterar o equilíbrio geopolítico na Europa e no mundo que levou a Grã-Bretanha a se afastar de um século de isolamento esplêndido e tornar-se tão emaranhada com aliados que, quando veio a guerra, teve pouca escolha além de entrar. É o mesmo sentido que está levando a China hoje a expandir seus laços com a Rússia durante seu conflito com os Estados Unidos.

Para ser claro, não há virtualmente nenhuma chance de que a China vá se juntar à Rússia contra os Estados Unidos e a Europa em um confronto sobre a Ucrânia. Da mesma forma, a China não está preparada para socorrer financeiramente a Rússia ou a arriscar sua lucrativa integração econômica com o Ocidente para apoiar as ambições revanchistas de Moscow. Mas também não é indiferente a Pequim a possibilidade de derrota política, econômica ou (especialmente) militar da Rússia pela aliança ocidental. Muitos em Pequim temem que se os Estados Unidos e seus aliados forem bem sucedidos em derrotar a Rússia e, particularmente, mudar o regime na Rússia, a China poderia muito bem ser o próximo alvo. O fato de a liderança chinesa ver isso como uma séria ameaça poderia, com o tempo, empurrar Pequim para mais perto de Moscow, um desenvolvimento que iria alterar fundamentalmente o equilíbrio de poder global.
Como a Rússia e a China estão cercadas pelas forças da OTAN e dos EUA.
Além disso, se houvesse uma guerra russo-americana, é preciso pensar cuidadosamente sobre quais seriam as ações dos chineses podendo optar por lançar-se contra Taiwan, por exemplo, ou mesmo punir vizinhos, como Japão ou Vietnã, que conforme Pequim acredita estão a cooperar com Washington para conter suas ambições.

Nem a China nem a Rússia são o primeiro estado a confrontar uma aliança poderosa e crescente. Nem os Estados Unidos são os primeiros a receber apelações entusiásticas de aliados sob a perspectiva de que podem acrescentar marginalmente para capacidades totais, mas simultaneamente trazem exigências e fazem os outros se sentirem inseguros. Em uma passagem atemporal em sua História da Guerra do Peloponeso, Tucídides relata a resposta de Atenas a uma Esparta conturbada: “Nós não ganhamos este império pela força… Nossos aliados vieram até nós por sua própria iniciativa e nos implorou para levá-los. “Obviamente, Esparta não encontrou essa explicação tranquilizadora e essa desculpa não impediu trinta anos de guerra que terminaram com a derrota de Atenas, mas a um preço muito além de todos os benefícios que se acumulou para o vencedor.

Para reconhecer as consequências potencialmente catastróficas da guerra com a Rússia não é preciso paralisia ao enfrentar o desafio de uma Rússia ressurgente, mas ferida. Os Estados Unidos têm um interesse vital em manter a sua credibilidade como uma superpotência e em assegurar a sobrevivência e segurança de sua aliança da OTAN – e assim, de cada um dos seus aliados da OTAN. Além disso, na política internacional, apetites podem crescer rapidamente se alimentados por vitórias fáceis.

Os objetivos atualmente limitados do presidente russo na Ucrânia podem se tornar mais expansivos, se a Rússia não enfrentar resistência séria. Afinal de contas, a anexação da Criméia suave levou a uma explosão de retórica triunfalista em Moscow sobre a criação de uma nova entidade, a Novorossiya, que incluiria a Ucrânia oriental e sul atravessando todo o caminho até a fronteira romena. A combinação da resistência das populações locais, a disposição do governo ucraniano para lutar por seu território, e as sanções dos EUA e da UE rapidamente convenceu a liderança russa a reduzir essa linha de pensamento. Quando uma nação está preparada para lutar por interesses importantes, a clareza sobre essa determinação é uma virtude na potencial agressão desanimadora.

No entanto, os Estados Unidos devem ter o cuidado de evitar dar a aliados ou a amigos como Kiev a sensação de que eles têm um cheque em branco no confronto com Moscow. Durante a I Guerra Mundial, até mesmo um forte defensor da guerra como o tal Pavel N. Milyukov – líder do Democratas Constitucionais da Rússia e mais tarde ministro estrangeiro no Governo Provisório – se surpreendeu com os termos que fariam o secretário de Relações Exteriores britânico Sir Edward Grey recusar a atribuição de qualquer culpa pelo conflito com os sérvios. “Ouça”, relata ele dizendo para Grey, “a guerra começou por causa da arrogância sérvia. A Áustria poderia pensar que ela era um perigo grave. A Sérvia aspirava a fazer nada menos do que dividir a Áustria. “Para Grey, no entanto, um aliado não podia errar.

As crises dos Balcãs nos anos antes da Primeira Guerra Mundial merecem um estudo cuidadoso. Poucos naquele momento podiam conceber que se tornaria o ponto de ignição de um incêndio que acabaria por se tornar um inferno continental.

Mas eles fizeram. Enfrentar o desafio de uma raivosa, mas enfraquecida Rússia de hoje requer uma combinação sutil de firmeza e moderação. Onde os interesses americanos vitais estão envolvidos, temos de ser capazes e estar dispostos a lutar: para matar e morrer. A dissuasão eficaz requer três Cs: clareza sobre as linhas vermelhas que não podem ser cruzadas (por exemplo, atacando um aliado da OTAN); capacidade de reagir de maneiras que farão o custo da agressão exceder em muito os benefícios que um agressor poderia ter esperança de alcançar; e credibilidade sobre a nossa determinação de cumprir nosso o compromisso. Ao mesmo tempo, devemos reconhecer que, se as forças americanas e russas se encontram para disparar uns sobre os outros, isso violaria uma das principais restrições de ambos os lados respeitadas assiduamente durante quatro décadas de escalada da Guerra Fria – que arriscando uma guerra ambos perderiam.

A força militar e guerra econômica, tais como as sanções são instrumentos indispensáveis da política externa. Quando empregados sem uma visão estratégica sólida e uma diplomacia astuta, porém, os instrumentos de coerção podem desenvolver seu próprio impulso e tornarem-se os fins em si mesmos. Tendo conseguido um confronto sobre a tentativa da União Soviética de instalar mísseis nucleares em Cuba, que ele acreditou, teve uma possibilidade em três de terminar em guerra nuclear, o presidente John F. Kennedy passou muitas horas refletindo sobre as lições daquela experiência. A mais importante delas ele ofereceu para os seus sucessores, com estas palavras: “Acima de tudo, ao defender nossos interesses vitais, potências nucleares devem evitar esses confrontos que trazem um adversário a uma escolha de uma retirada humilhante ou uma guerra nuclear.” É uma lição a que os estadistas devem aplicar-se para enfrentar o desafio que a Rússia apresenta na Ucrânia de hoje.
Autores: Graham Allison, Dimitri K. Simes
Graham Allison é diretor do Centro Belfer da Escola Kennedy de Harvard para Assuntos Científicos e Internacionais e ex-secretário assistente de Defesa para a política e planos. Dimitri K. Simes, é editor do Nacional Interest, e presidente no Center for the National Interest.
Imagem: Wikimedia Commons / Rob Schleiffert
Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.comFonte: National Interest 

Via: http://noticia-final.blogspot.com.br/2015/08/russia-e-eua-tropecam-na-guerra-uma.html

Atacadistas podem deixar MG após "bitributação" do governo petista

O governador petista de Minas Gerais Fernando Pimentel, em encontro com o prefeito de Uberlândia Gilmar Machado, também do PT, na terça-feira (4 de Agosto), em Belo Horizonte, anunciou a prorrogação por mais 30 dias do regime especial de tributação para o setor atacadista, no qual emite-se nota fiscal uma vez.

A resolução 4.800, publicada pela Secretaria de Estado de Fazenda (SEF) no último dia 24 de Julho, revoga os regimes especiais de tributação para os atacadistas. Segundo a categoria, fornecedores e clientes sofrerão prejuízos uma vez que a nova regra levaria a uma queda de 60% no volume de negócios.
Dilma, Pimentel e Gilmar Machado em campanha.
O anúncio também traz mais tranqüilidade aos municípios que têm grande movimentação atacadista, como é o caso de Uberlândia, que deixa de perder receita. Nos próximos 30 dias, representantes do governo e do setor irão se reunir com mais freqüência para avaliar a situação e chegar a um acordo que seja satisfatório para ambas as partes. 

Prefeito

O prefeito de Uberlândia levou a preocupação do setor ao governo mineiro e, junto com um grupo de 11 atacadistas do Triângulo Mineiro, se reuniu com o subsecretário da Receita Estadual, João Alberto Vizzotto. A principal preocupação era com o impacto da mudança do ICMS na geração de emprego. O regime especial de tributação encerrou em 31 de julho. 

De acordo com o prefeito, a mudança na tributação estadual pode impactar na geração de empregos em toda a região. “Esta resolução mexe com a economia do Município e da região inteira, pois pode inviabilizar negócios e gerar desemprego. Se o governo estadual está preocupado com a sonegação, uma saída seria ampliar a fiscalização. 

A mudança pode inviabilizar negócios e gerar desemprego. Mas estou confiante em uma notícia boa a partir deste encontro”, disse Gilmar. O regime está assegurado desde o dia 1º de agosto e vale até o dia 31. O prefeito confirmou que na próxima semana, o secretário da Fazenda estará na cidade para uma reunião específica com o setor. “Já no dia 26 de agosto, o governador também estará em Uberlândia para um seminário regional e vai aproveitar para anunciar a proposta definitiva”, explicou.

O diretor da Aciub, Paulo Romes, explicou que após foram dois dias tensos. “Não tínhamos certeza de nada e essa nova notícia foi muito bem recebida. Foi importante o governo entender a necessidade desse prazo para a gente poder ampliar essa discussão e cada um apresentar o ponto de vista. 

Já conversamos com os principais interessados do setor atacadista, vamos nos reunir e apresentar nosso ponto de vista e necessidades. O grande objetivo do setor atacadista é manutenção do regime”, disse. 

Empresas e impactos

Para o empresário Geraldo Eduardo Caixeta, da União Atacado Distribuidor, o sistema impedirá que Minas Gerais mantenha-se como plataforma de distribuição para o restante do Brasil. Ele justificou que ter o imposto ressarcido pelo Estado em prazo que pode superar seis meses significa prejuízo, pois o atacadista será obrigado a pagar seu ICMSST antecipadamente. Outro problema apontado pela categoria é a burocratização do sistema, que obriga geração diária de boletos sobre as notas fiscais emitidas. 

O empresário Paulo Romes e o presidente da OAB Uberlândia, Egmar Ferraz, comentaram sobre o assunto e falaram dos impactos que a nova resolução pode trazer ao setor econômico. O setor atacadista gera mais de 15 mil empregos diretos e cerca de R$ 300 milhões em tributos para o Estado. 

Segundo Paulo Romes, a discussão sobre a nova regra deveria ser ampliada “A resolução publicada no dia 24 vigora a partir do 1º. Tecnicamente, nem a indústria e nem o setor de atacado têm condições de atender minimamente essa resolução a curto prazo. Porque precisa formatar todo o sistema e precificar”, disse. 

O empresário disse, ainda, que a norma é inviável do ponto de vista burocrático e as empresas passarão a interromper pedidos. A fim de cumprir a resolução, o fiscal cobrará o imposto na barreira estadual e, assim, serão formadas filas de caminhões na barreira entre Minas e os outros estados. Egmar também salientou sobre o impacto econômico. “Dessa forma, o Estado vai cobrar o imposto na entrada sem saber para quem é de direito e só depois irá ressarcir o empresário, que já terá que pagar tributos para outros estados que trazem a mercadoria. 

Essa bitributação levará as empresas a ficarem inviáveis economicamente e haverá desemprego. Uberlândia é um polo atacadista, polo de logística nacional. O Estado precisa rever isso urgentemente e reabrir a discussão para que o empresário tenha condições de se reorganizar”, considerou. 

Alerta a sociedade

Fica o alerta a todas pessoas que moram em Minas Gerais sobre a gravidade do caso. Uma possível saída dos atacadistas do estado geraria problemas incalculáveis e a população deve estar atenta quanto a isso no sentido de evitar que ocorra! 

Com o país já em crise uma medida destas poderia de vez afundar o estado inteiro. Lembrem-se que estas empresas podem muito bem transferir seus serviços para outros estados da federação brasileira e Minas ficaria literalmente "a ver navios". 

Qualquer governador aceitaria estes atacadistas de "braços abertos" tendo em vista que geram muitos empregos e impostos ao estado. 

Fontes:http://www.uberlandia.mg.gov.br/2014/noticia/10180/governo_atende_pleito_de_uberlandia_e_prorroga_regime_especial_de_tributacao.html

http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulo-mineiro/noticia/2015/07/atacadistas-de-uberlandia-buscam-alternativas-nova-regra-tributaria.html

http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulo-mineiro/noticia/2015/08/governo-prorroga-regime-especial-de-tributacao-apos-pedido-de-atacadistas.html

Via: http://www.anonymousbr4sil.net/2015/08/atacadistas-podem-deixar-mg-apos.html
NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO