Translate

Trabalhamos para divulgar notícias SOBRE: POLITICA, CURIOSIDADES, SAÚDE, ASTRONOMIA, UFOLOGIA, GUERRA, MISTÉRIOS E MUITO MAIS.Precisamos de sua ajuda, clique nas propagandas expostas no Blog, para manter nosso site no ar.

domingo, 26 de julho de 2015

Os perigos do flúor

Fluorose dental e esquelética

"O senso comum deve dizer-nos que, se um veneno que circula no corpo de uma criança pode danificar as células formadoras de dente, outros danos, em seguida, também são prováveis." - Dr. John Colquhoun (1997).

A fluorose é um defeito do esmalte dos dentes causado por excesso de ingestão de flúor durante os primeiros 8 anos de vida. Embora a fluorose possa ser tratada cosmeticamente, o dano para o esmalte é permanente. As causas mais comuns de fluorose incluem: beber água fluoretada (particularmente durante a infância), a ingestão de creme dental com flúor, uso de comprimidos de flúor, e consumo de alimentos processados feitos com água fluoretada.



Fluorose: um sinal visível de toxicidade sistêmica

Os efeitos cosméticos e psicológicos da fluorose são significativos. Fluorose dental não se limita, no entanto, às preocupações cosméticas. Os dentes não são o único tecido do corpo que se acumulam flúor (os ossos, a glândula pineal, e artérias acumulam-no também). Não há nenhuma razão aparente, portanto, por que os efeitos do fluoreto no corpo sejam limitados aos dentes. Como observado pelo Dr. Hardy Limeback, "é ilógico supor que o esmalte do dente é o único tecido afetado por baixas doses diárias de ingestão de flúor." De acordo com o falecido Dr. John Colquhoun, "O senso comum deve dizer-nos que, se um veneno circula no corpo de uma criança pode danificar as células formadoras de dentes, outros danos, em seguida, também são prováveis".


Num estudo, por exemplo, um investigador britânico descobriu que as células na glândula pineal (uma glândula que contém depósitos calcificados que se acumulam fluoreto) foram tão sensíveis à toxicidade induzida por fluoreto quanto as células formadoras de dente. Ao contrário dos dentes, no entanto, a glândula pineal não pode ser vista a olho nu. Como observado pelo investigador, "A segurança da utilização de fluoretos, em última análise baseia-se no pressuposto de que o órgão em desenvolvimento de esmalte é o mais sensível aos efeitos tóxicos de fluoreto. Os resultados deste estudo sugerem que os pinealócitos podem ser tão suscetíveis ao flúor como o órgão do esmalte em desenvolvimento."


A exposição prolongada e excessiva ao fluoreto (flúor) pode causar uma doença óssea incapacitante conhecida como fluorose esquelética. A doença desenvolve-se de forma insidiosa e pode ser difícil de distinguir de um número de outras doenças articularese ósseas. A investigação mostra que a susceptibilidade individual à fluorose varia grandemente entre a população, tanto no que diz respeito às doses e duração da exposição que podem causar a doença, e as manifestações esqueléticas e sintomas que resultam. Embora a fluorose esquelética costume ser considerada um não-problema nos Estados Unidos e outros países ocidentais, a pesquisa recente sugere que muitas pessoas - particularmente bebedores frequentes de chá e aqueles com insuficiência renal - podem, sem saber, estar sofrendo de algum tipo da doença.


97% da Europa Ocidental rejeitou a fluoretação da água

Embora os Centros dos EUA para Controle de Doenças elogiem a fluoretação da água como uma das "dez maiores conquistas da saúde pública do século XX," a maior parte do mundo ocidental, incluindo a grande maioria da Europa Ocidental, não coloca flúor em seu abastecimento de água.

Atualmente, 97% da população da Europa Ocidental bebe água não fluoretada. Isto inclui: Áustria, Bélgica, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Islândia, Itália, Luxemburgo, Países Baixos, Irlanda do Norte, Noruega, Portugal, Escócia, Suécia, Suíça, e aproximadamente 90% tanto do Reino Unido e Espanha. Embora alguns desses países fluoretem seu sal, a maioria não o faz. (Os únicos países da Europa Ocidental que permitem fluoretação do sal são a Áustria, França, Alemanha, Espanha e Suíça.)

Apesar dos precedentes "uma das dez maiores conquistas da saúde pública do século XX," as taxas de cáries têm diminuído na Europa vertiginosamente nos últimos 50 anos. Isso levanta sérias questões sobre a afirmação do CDC que o declínio da cárie dentária nos Estados Unidos desde a década de 1950 é em grande parte atribuível ao advento da fluoretação da água.

Muitas crianças agora já excedem a dose diária recomendada de flúor, isso somente contando as pastas de dente.

"A estimativa da quantidade de flúor ingerida de todas as fontes ambientais e dietéticas é importante para que decisões racionais e cientificamente razoáveis possam ser feitas quando as diretrizes para o uso de fluoretos são revistas periodicamente e modificadas." (Journal of Dental Research, 1992)

Produtos odontológicos são uma importante fonte de exposição ao flúor, especialmente para as crianças. Produtos odontológicos incluem cremes dentais fluoretados, enxaguatórios bucais, os géis, e suplementos de flúor.

Mais de 95% dos cremes dentais agora contêm flúor. Uma única tira de pasta de dentes que cobre o comprimento da escova de uma criança contém entre 0,75 a 1,5 mg de fluoreto. Isso excede a quantidade de flúor na maioria das prescrições dos suplementos de flúor (0,25 a 1,0 mg).

Muitas crianças engolem mais de 50% da massa adicionada a sua escova, particularmente se elas usam variedades com sabor de doces e se elas não são supervisionadas durante a escovagem para garantir que cuspam e enxaguem completamente. A pesquisa mostrou que algumas crianças engolem mais fluoreto de creme dental sozinho do que é recomendado a partir de todas as fontes combinadas.

Embora dentistas recomendam que as crianças só usem "uma quantidade do tamanho de ervilha" de pasta de dentes, muitas crianças utilizam mais do que isso, especialmente quando a pasta de dentes tem sabor de chiclete de melancia.

A ingestão de creme dental durante a infância é um importante fator de risco para fluorose dentária, e também pode causar sintomas de toxicidade aguda de flúor (por exemplo, dor de estômago, etc).

O flúor não é um nutriente!

Na década de 1950, os dentistas acreditavam que o flúor era um "nutriente". Um nutriente é uma vitamina ou mineral que é necessário para uma boa saúde. Dentistas acreditavam que a ingestão de flúor durante a infância era necessária para os dentes fortes e saudáveis. Uma "deficiência de flúor" era considerada como a causa das cáries, tal como uma deficiência de cálcio pode causar osteoporose, ou uma deficiência de vitamina D pode causar raquitismo. Sabe-se agora, no entanto, que o fluoreto não é um nutriente. Como reconhecido pelo CDC, o teor de fluoreto de um dente tem pouca influência sobre se ou não o dente irá desenvolver uma cárie. De acordo com o CDC:

"A prevalência de cáries dentárias na população não está inversamente relacionado com a concentração de fluoreto no esmalte, e uma maior concentração de fluoreto de esmalte não é necessariamente mais eficaz na prevenção da cárie dentária."

FONTE: CDC (2001). Recomendações para o uso de flúor para prevenir e controlar a cárie dentária nos Estados Unidos. Mortality and Morbidity Weekly Review 50(RR14):1-42.

Em suma, as pessoas podem ter dentes perfeitos, sem consumir água fluoretada ou qualquer outro produto de flúor. Tal como acontece com os dentes, nenhum outro tecido ou processo celular requer fluoreto. Por conseguinte, é agora aceito que o fluoreto não é um nutriente essencial.

36 estudos ligaram fluoretos com QI reduzido em crianças.

A partir de fevereiro de 2015, um total de 50 estudos investigaram a relação entre o flúor e inteligência humana, e um total de 34 estudos investigaram o fluoreto no relacionamento e aprendizado/memória em animais. Destas investigações, 43 dos 50 estudos em humanos descobriram que a exposição elevada ao fluoreto está associada com QI reduzido, enquanto 32 dos 34 estudos com animais descobriram que a exposição ao fluoreto prejudica a capacidade de aprendizagem e/ou memória de animais. Os estudos em humanos, que são baseados em exames de QI de mais de 11.000 crianças, fornecem evidências convincentes de que a exposição de flúor durante os primeiros anos de vida pode danificar o cérebro em desenvolvimento de uma criança.

Depois de analisar 27 estudos de QI dos humanos, uma equipe de cientistas de Harvard concluiu que o efeito do fluoreto no cérebro jovem agora deve ser uma "pesquisa de alta prioridade." (Choi et al 2012). Outros colaboradores chegaram a conclusões semelhantes, incluindo o prestigioso National Research Council (NRC), e os cientistas da Divisão de Neurotoxicologia da Agência de Proteção Ambiental (Mundy, et al). Para uma discussão dos 7 estudos que não encontraram uma associação entre flúor e IQ, clique aqui.

Fonte: Fluoride Action Network


Via: http://noticias-alternativas.blogspot.com.br/2015/07/os-perigos-do-fluor.html
voltar ao topo, inicio