NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO
Seja Bem Vindo

Siga este Blog

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

BOMBARDEIRO NUCLEAR RUSSO INVADE ESPAÇO AÉREO DA OTAN

BOMBARDEIRO NUCLEAR TUPOLEV-95 RUSSO INVADE O ESPAÇO AÉREO DA OTAN E É SEGUIDO POR CAÇAS
Após um reabastecimento aéreo, o bombardeiro russo foi seguidos por interceptores da OTAN, e esse vídeo foi gravado pelos pilotos russos do cockpit da aeronave. 

Os caças alemães literalmente escoltaram o Tu-95 no céu, que estava carregado com ogivas nucleares.

Os caças Eurofighters alemães acompanharam o bombardeiro nuclear russo até o final de suas fronteiras. 

Em tal proximidade, a possibilidade de conflito torna-se incrível. 

Após algumas horas de voo, o Tu-95 retornou à Rússia.

A Rússia está desenvolvendo mísseis hiper-sônicos ar-ar e considera que o Tu-95 seja o veículo ideal de entrega, já que poderia abater caças perseguidores e cumprir uma eventual missão de bombardeio com armas nucleares.
Via: http://verdadesespeciais.blogspot.com.br/2015/02/bombardeiro-nuclear-russo-invade-espaco.html

Google alerta que o Governo dos EUA poderá “hackear qualquer instalação” do mundo

Tradução: Caminho Alternativo
(18-02-2015) Google se opõe à tentativa por parte do Departamento de Justiça dos Estados Unidos de ampliar os poderes federais para buscar e incautar dados digitais. Segundo Google, isso permitiria que aos Estados Unidos “piratear qualquer instalação” do mundo.
Google diz que o aumento dos poderes do FBI plantearia “preocupações constitucionais, legais e geopolíticas monumentais”
O gigante das buscas alerta que sob as propostas atuais, os agentes do FBI seriam capazes de realizar operações encobertas em servidores sem importar onde se encontrem, dando ao governo dos Estados Unidos acesso mundial sem restrições a vasta quantidade de informação privada.
Em particular, Google chama a atenção sobre o desejo do FBI de buscar remotamente em qualquer lugar do planeta, a localização de computadores que ocultaram sua localização, seja através da criptografia ou ocultando seus endereços IP utilizando serviços de anonimato como o Tor.

Fonte: theguardian.com, visto em: el Microlector

Via:  https://caminhoalternativo.wordpress.com/2015/02/18/google-alerta-que-o-governo-dos-eua-podera-hackear-qualquer-instalacao-do-mundo/

Pesquisadores russos expõem 'arma secreta da NSA': Instalar programa que permite à América a espionar cada computador em casa no mundo é descoberto

Espionagem global com força total.Ninguém está imune.E empresas fabricantes de discos rígidos dizem que não sabiam da maracutaia insidiosa

  • A NSA sabe como esconder softaware de espionagem e sabotagem profundamente dentro de unidades de disco rígido, de acordo com investigadores cibernéticos e ex-agentes 
  • O grupo disse que encontrou computadores pessoais em 30 países infectados com um ou mais dos programas de espionagem
  • Maioria das infecções foram vistos no Irã, seguido pela Rússia, Paquistão, Afeganistão, China, Mali, Síria, Iêmen e Argélia 
  • As infecções começaram em 2001, mas aumentam drasticamente a partir de 2008, o ano em que o Presidente Barack Obama foi eleito
  • As ferramentas são projetadas para funcionar em computadores, mesmo quando não estiver conectado à Internet, e até mesmo os fabricantes de alguns dos discos rígidos não têm conhecimento de que estes programas foram incorporados
  • Os espiões fizeram um grande avanço tecnológico por descobrir a forma de apresentar o software malicioso no código obscuro chamado firmware que inicia cada vez que um computador está ligado
  Atualizado: 10:57 EST, 17 de fevereiro de 2015 
A Agência de Segurança Nacional descobriu como esconder espiar software profundamente dentro de unidades de disco rígido, permitindo-lhes acompanhar e espionar a maioria dos computadores do mundo - mesmo quando não estiver conectado à internet.
A fabricante de software de segurança baseado em Moscou Kaspersky Lab disse que encontrou computadores pessoais em 30 países infectados com um ou mais dos programas de espionagem, com a maioria de infecções observadas no Irã, seguido pela Rússia, Paquistão, Afeganistão, China, Mali, Síria, Iêmen e Argélia.
Os alvos incluíram o governo e instituições militares, empresas de telecomunicações, bancos, empresas de energia, os pesquisadores nucleares, mídia e ativistas islâmicos.
Kaspersky disse ter encontrado os computadores pessoais em 30 países infectados com um ou mais dos programas de espionagem
Kaspersky disse ter encontrado os computadores pessoais em 30 países infectados com um ou mais dos programas de espionagem
A NSA descobriu como esconder espiar software profundamente dentro de unidades de disco rígido, dando a agência de meios para espionar a maioria dos computadores do mundo, de acordo com a Kaspersky (foto de arquivo)
A NSA descobriu como esconder espiar software profundamente dentro de unidades de disco rígido, dando a agência de meios para espionar a maioria dos computadores do mundo, de acordo com a Kaspersky (foto de arquivo)
  A NSA começou a infectar computadores em 2001 acusa a  Kaspersky, elevando os seus esforços em 2008, quando o presidente Barack Obama foi eleito.
Este "supera qualquer coisa conhecida em termos de complexidade e sofisticação das técnicas, e que atua há quase duas décadas", disse Kaspersky.
Além do mais, até mesmo os fabricantes destes discos rígidos não têm conhecimento algum de que esses programas de espionagem foram instalados, com a NSA a obtenção de seus códigos-fonte, indo tão longe como a posar como desenvolvedores de software de acordo com ex-agentes de inteligência, ou dizendo as empresas que o governo deve fazer uma auditoria de segurança para se certificar de seu código-fonte é segura.
De acordo com a Kaspersky, os espiões fizeram um grande avanço tecnológico por descobrir a forma de apresentar o software malicioso no código obscuro chamado firmware, que aciona a cada vez que um computador está ligado.
Firmware da unidade de disco é visto por espiões e especialistas em segurança cibernética como o segundo mais valioso imobiliário em um PC para um hacker, perdendo apenas para o código BIOS invocado automaticamente como um computador é ligado."O hardware será capaz de infectar o computador mais e mais," disse do Kaspersky pesquisador Costin Raiu em uma entrevista.
Embora os líderes da campanha de espionagem ainda ativa poderiam ter tomado o controle de milhares de PCs, dando-lhes a capacidade de roubar arquivos ou escutar qualquer coisa que quisessem, os espiões foram seletivos e só estabeleceram o controle remoto completo sobre as máquinas pertencentes aos mais desejáveis alvos estrangeiros, de acordo com Raiu. 
 Ele disse que a Kaspersky encontrou apenas alguns especialmente computadores de alto valor com as infecções do disco rígido.
A empresa se ​​recusou a nomear publicamente o país por trás da campanha de espionagem, mas disse que estava intimamente ligado ao Stuxnet, o cyberweapon liderada pela NSA que foi usado para atacar instalações de enriquecimento de urânio do Irã. UND: Quem serão eles né? Dificílimo saber quem seja...A NSA é a agência norte-americana responsável pela coleta de inteligência eletrônica.
Um ex-funcionário da NSA, disse à Reuters que a análise da Kaspersky estava correta, e que as pessoas que ainda estão na agência de espionagem valorizam esses programas de espionagem como altamente como Stuxnet. Outro ex-agente da inteligência confirmou que a NSA tinha desenvolvido a técnica de ocultar premiado spyware em discos rígidos, mas disse que não sabia que os esforços de espionagem confiaram nele.
NSA porta-voz Vanee Vines disse que a agência estava ciente do relatório da Kaspersky, mas não quis comentar sobre isso publicamente.
Kaspersky publicou os detalhes técnicos da sua pesquisa na segunda-feira, um movimento que poderia ajudar as instituições infectadas a detectar os programas espiões, alguns dos quais de rastreamento para trás até 2001.
Eugene Kaspersky (foto de arquivo) publicou os detalhes de sua pesquisa na sexta-feira
Eugene Kaspersky (foto de arquivo) publicou os detalhes de sua pesquisa na sexta-feira
  A divulgação poderia prejudicar as habilidades de vigilância da NSA, já danificadas por vazamentos maciços por ex-contratado Edward Snowden. As revelações de Snowden tem perturbado alguns aliados dos EUA e desacelerou as vendas de produtos de tecnologia dos EUA no exterior.
A exposição destas novas ferramentas de espionagem poderia levar a uma maior reação contra a tecnologia ocidental, particularmente em países como a China, que já está a elaborar regulamentos que exigem a maioria dos fornecedores de tecnologia bancária para ofertar cópias de seu código de software para a inspeção.
Peter Swire, um dos cinco membros do Grupo de Revisão do presidente americano, Barack Obama sobre Inteligência e Tecnologia de Comunicações, disse que a Kaspersky relatório mostrou que é essencial para o país a considerar o possível impacto sobre o comércio e as relações diplomáticas antes de decidir usar seu conhecimento de software falhas para recolha de informações.
"Não pode haver graves efeitos negativos sobre outros interesses dos Estados Unidos", disse Swire.
Salto tecnológico
Reconstruções da Kaspersky dos programas de espionagem mostrar que poderiam trabalhar em unidades de disco vendidos por mais de uma dezena de empresas, compreendendo essencialmente todo o mercado. Western Digital, Seagate e Micron disse que não tinha conhecimento desses programas espiões.  Toshiba e Samsung se recusam a comentar. IBM não respondeu aos pedidos de comentário.
Obtendo o código-fonte
Raiu disse que os autores dos programas de espionagem deve ter tido acesso ao código fonte proprietário que direciona as ações das unidades de disco rígido. Esse código pode servir como um roteiro para vulnerabilidades, permitindo que aqueles que estudá-lo para lançar ataques com muito mais facilidade.
Não há nenhuma chance de que alguém poderia reescrever o sistema operacional [disco rígido] usando informação pública", disse Raiu.
As preocupações com o acesso ao código-fonte queimado após uma série de ataques cibernéticos de alto perfil no Google Inc e outras empresas norte-americanas, em 2009, que foram atribuídos a China.  Os investigadores disseram que encontraram evidências de que os hackers tiveram acesso ao código fonte de várias grandes empresas de tecnologia dos Estados Unidos e de defesa.
Não está claro como a NSA pode ter obtido o código fonte dos discos rígidos.  O porta-voz da Western Digital Steve Shattuck disse que a empresa "não apresentou o seu código-fonte para agências do governo."Os outros fabricantes de disco rígido não diria se eles tinham compartilhado o seu código-fonte com a NSA.
O porta-voz Seagate Clive Mais disse que tem "medidas seguras para evitar adulterações ou engenharia do seu firmware e outras tecnologias de reverter." O porta-voz Micron Daniel Francisco disse que a empresa tomou a segurança de seus produtos a sério e "não temos conhecimento de quaisquer casos de código estrangeira."
Kaspersky descobre ferramentas de espionagem on-line com ligações aparentes a NSA
De acordo com ex-agentes de inteligência, a NSA tem múltiplas formas de obtenção do código fonte a partir de empresas de tecnologia, incluindo perguntar diretamente e posando como um desenvolvedor de software
De acordo com ex-agentes de inteligência, a NSA tem múltiplas formas de obtenção do código fonte a partir de empresas de tecnologia, incluindo perguntar diretamente e posando como um desenvolvedor de software
De acordo com ex-agentes de inteligência, a NSA tem múltiplas formas de obtenção do código fonte a partir de empresas de tecnologia, incluindo perguntar diretamente e posando como um desenvolvedor de software. Se uma empresa quer vender produtos para o Pentágono ou de outra agência de US sensível, o governo pode solicitar uma auditoria de segurança para garantir que o código-fonte é segura.
  'Eles não admiti-lo, mas eles dizem: "Nós vamos fazer uma avaliação, precisamos do código-fonte", disse Vincent Liu, sócio da empresa de consultoria de segurança Bishop Fox e ex-analista da NSA.  "É geralmente a NSA fazendo a avaliação, e é bastante pequeno salto para dizer que eles vão manter esse código-fonte."
Vines disse que a agência está em conformidade com a lei e as diretrizes da Casa Branca para proteger os Estados Unidos e seus aliados "a partir de uma ampla gama de ameaças graves."
Kaspersky chamou os autores do programa de espionagem «o grupo Equation", em homenagem a seu abraço de fórmulas complexas de criptografia.
O grupo usou uma variedade de meios para espalhar outros programas de espionagem, como por comprometer sites jihadistas, infectando sticks USB e CDs, e desenvolver um worm de computador auto-propagação chamada Fanny, disse Kaspersky.
Fanny era como Stuxnet em que ela explora duas das mesmas falhas de software não divulgados, conhecidos como "zero dias, 'que sugeriam fortemente a colaboração dos autores, disse Raiu. Ele acrescentou que era "muito possível" que o grupo em equação utilizada Fanny scout para fora de alvos para Stuxnet no Irã e espalhar o vírus.
 http://noticia-final.blogspot.com.br/2015/02/pesquisadores-russos-expoem-arma.html

Corrida armamentista pela Ucrânia pode estar em andamento. Parlamentar alemão adverte que Guerra em Larga escala pode se desenvolver

EUA enviam Jatos de guerra tankbuster por temores na Europa sobre a Rússia e depois que a Alemanha diz que " Grande Guerra em larga escala poderá se desenvolver
Não é exatamente o ato de uma força de paz em busca de sequência de uma trégua
18 de Fev 15

Karl-Georg Wellmann, um parlamentar na União Democrata Cristã de Angela Merkel, alerta que, apesar de seus esforços para evitar que armas sejam fornecidas à Ucrânia, Alemanha "não será mais capaz de parar as entregas de armas a partir dos EUA e Canadá." Quase coincidência demais  estes comentários, CNN relata, que a Força Aérea dos Estados Unidos decidiu eestá enviando seus "Tankbusters" A-10 de volta para a Europa, a fim de "aumentar a presença de rotação na Europa para tranquilizar os nossos aliados e nações parceiras que nosso compromisso com a segurança europeia é uma prioridade." Como Wellmann ameaçadoramente conclui, aparentemente confirmando o aviso de Putin ontem que, se Kiev visa uma solução militar, a guerra nunca vai acabar ", uma guerra em grande escala poderá se desenvolver a partir  dessa."

Como relata Bloomberg, Alemanha, pode ser incapaz de parar a ida  Armas para a Ucrânia, Legislador  adverte.

Karl-Georg Wellmann, um parlamentar na União Democrata Cristã de Angela Merkel e presidente do grupo parlamentar alemã-ucraniana, diz  ao jornal Tagesspiegel que a Alemanha não será capaz de parar as entregas de armas dos EUA para a Ucrânia para lutar contra os separatistas russo-suportados.

"Nós já não somos capaz de parar essas entregas de armas a partir dos EUA e Canadá", após ganhos rebeldes na cidade estratégica de Debaltseve no leste da Ucrânia, Wellmann diz Tagesspiegel em entrevista

"Uma guerra em grande escala vai se desenvolver a partir dessa", diz Wellmann

Wellmann diz  que novas sanções econômicas contra a Rússia são "inevitáveis", diz Tagesspiegel

E assim, como relata a CNN, os EUA estão enviando os Warthogs ...

A Força Aérea dos Estados Unidos está enviando seus "Tankbusters" de volta para a Europa.

O Comando Europeu dos serviços, disse nesta semana que 12 A-10 Thunderbolts seriam destacados para a Base Aérea de Spangdahlem, na Alemanha, como parte da Operação Atlântico Resolve, que foi formado após a intervenção da Rússia na Ucrânia durante o ano passado.
A Força Aérea está a aumentar a presença de rotação na Europa para tranquilizar os nossos aliados e nações parceiras que nosso compromisso com a segurança europeia uma prioridade", o tenente-general Jones, vice-comandante para os  Estados Unidos  das Forças Aéreas na Europa África, disse em um comunicado.
A Força Aérea disse que além de operar na Alemanha, serão distribuídos para a frente a outras nações parceiras na Europa Oriental. As forças dos EUA operam a partir de bases na Lituânia Estónia, Letónia e Polónia, entre outros, no ano passado.
também conhecido como o Warthog", foi concebido na década de 1970 para apoiar as tropas terrestres na Europa contra tanques e veículos blindados então União Soviética. Embora os jatos podem carregar uma variedade de bombas e mísseis, eles são mais conhecidos por barril 30 milímetros Gatling uma arma montada no nariz que pode disparar quase 4.000 tiros por minuto, o suficiente para explodir rapidamente para além de um tanque. Os aviões também são duráveis com o piloto protegido de fogo de chão um invólucro titânio, muitas vezes chamado de "a banheira" E eles são projetados para fácil manutenção em áreas de campo de batalha com peças intercambiáveis lados direito e esquerdo da aeronave.
Não é exatamente o ato de uma força de paz em busca na sequência de uma trégua Mas, novamente ... Washington não foi incluído na Cúpula Minsk tão aparentemente se sente livre para agitar as coisas de forma explícita.
Errado?
Via:  http://undhorizontenews2.blogspot.com.br/2015/02/corrida-armamentista-pela-ucrania-pode.html


Agencia internacional retira selo de ‘bom pagador’ do Brasil

Publicado por Revolta Brasil em 18 fevereiro
Agencia internacional retira selo de ‘bom pagador’ do Brasil
As contas defasadas e em constante piora do governo brasileiro levaram a consultoria e agencia de classificação de risco britânica Economist Intelligence Unit a retirar o grau de investimento concedido ao país nos idos de 2012.
A agencia é um braço de uma das revistas de economia mais conceituadas do mundo, a ”The Economist”, e reduziu a nota da dívida soberana brasileira de BBB para BB.
Na prática isso significa, segundo análise da agencia de investimentos que o Brasil não é seguro para investimentos, retornando à categoria considerada a mais arriscada (BBB)
O departamento de análise de risco da EIU recebeu em 2013 a certificação de agência de classificação de risco da European Securities and Markets Authority (ESMA, autoridade que regula o mercado europeu).
Com informações de Folha Online e SOS Consumidor – Associação de Defesa do Consumidor
 http://www.revoltabrasil.com.br/mundo/5717-agencia-internacional-retira-selo-de-bom-pagador-do-brasil.html

Vídeos de execuções do Estado Islâmico apontam para a "Hipótese Fox Mulder"

Certa vez o agente especial do FBI Fox Mulder, da série televisiva “Arquivo X”, criou uma instigante hipótese: Hollywood propositalmente encenaria nos plots de seus filmes conspirações políticas para que as críticas contra essas mesmas conspirações, dessa vez na realidade, fossem desmoralizadas como meras “ficções”. A série recente de vídeos do Estado Islâmico sobre supostas decapitações de reféns estaria repetindo como farsa os vídeos fakes mostrados em filmes como “Mera Coincidência” (1997) e Homem de Ferro 3 (2013)? Diferente de antigos vídeos jihadistas de execuções, os atuais apresentam estranhas “anomalias” para vídeos supostamente realistas do estilo de antigos vídeos VHS como “Faces da Morte” – ao contrário, possuem superproduções análogas a blockbusters hollywoodianos com Dolby Digital Surround e suspeitas de uso de Chroma Key 3 D.
A hipótese Fox Mulder: em um dos episódios da sérieArquivo Xvemos o agente especial do FBI, Fox William Mulder, participando como convidado de um congresso de ufólogos. A certa altura alguém lhe pergunta o motivo de ao mesmo tempo em que o governo dos EUA tenta esconder o fenômeno UFO, permite que Hollywood produza tantos filmes sobre contatos com aliens. E Mulder responde: “para que todos pensem que os contatos com UFOs e aliens são do mundo da ficção, coisas de cinema. Por isso, quando surgem notícias verdadeiras, ninguém acredita”.
Nas últimas décadas, Cinema e Guerra estão se tornando uma espécie de sala de espelhos que se refletem mutuamente, até não sabermos distinguir o reflexo daquilo que é refletido. No Oscar 2013Michelle Obama aparece em link ao vivo direto da Casa Branca abrindo o envelope do prêmio de Melhor Filme paraArgo, cujo plot narra uma estratégia militar norte-americana de simulação de produção de um filme para libertar reféns do Irã nos anos 70;
"Mera Coincidência" (1997) e o vídeo
em Chroma Key
Em 1997 em plena crise política provocada por um escândalo sexual envolvendo o presidente Bill Clinton era lançadoMera CoincidênciaWag the Dog, com Dustin Hoffman e Robert De Niro) onde uma guerra fictícia é produzida por Hollywood para desviar a atenção do público também de uma crise envolvendo um escândalo sexual presidencial – e o ponto alto é a produção de um vídeo emcroma keysimulando uma batalha sangrenta dos EUA contra terroristas da Albânia;
EmHomem de Ferro 3é apresentado o cruel líder muçulmano chamado Mandarim (com um appeal de Bin Laden), que ordena atentados mundo afora. Mas na verdade não passa de um ator medíocre contratado para fazer vídeos que constantemente são “vazados” para as rede de TVs do mundo – um “inside job” dos próprios EUA.
Roteiristas e produtores de Hollywood buscam inspiração dos plots narrativos de seus filmes nos eventos políticos internacionais. Ou será o contrário? Os eventos políticos internacionais estariam imitando a linguagem cinematográfica para ganharem credibilidade na opinião pública? A realidade busca a ficção para se tornar mais “realista”?

Hipótese Fox Mulder em ação?

O Mandarin do "Homem de Ferro 3": um vídeo
fake para assustar o Ocidente
Ou será que Hollywood e a política externa dos EUA já estariam sincronizadas a ponto de estar em pleno funcionamento estratégias que confirmariam a hipótese Fox Mulder? – Hollywood brinca com a possibilidade da ameaça terrorista ser na verdade incitada por vídeos falsoscomo tática para desmoralizar qualquer acusação na vida real de que vídeos terroristas possam ser, de fato, fakes.
Observando a série de chocantes vídeos de execuções por decapitação de jornalistas e prisioneiros divulgados pelo chamado “Estado Islâmico”, muitos analistas (seguindo a hipótese Fox Mulder, facilmente tachados de “conspiranóicos” ou “teóricos da conspiração” porque seriam influenciados pelas “coisas de cinema”) encontram “anomalias”.
Diferentes dos antigos vídeos de pessoas decapitadas em nome do Islã como os da Guerra da Chechênia ou do jornalista norte-americano Daniel Pearl em 2002 pela Al Qaeda (vídeos de impactante realismo), temos agora vídeos com uma linguagem (áudio, composição dos planos, marcação das cenas, e planos com câmeras emtravellinge gruas) típicas deblockbusterhollywoodiano de ação ou de algumslash movie.
Parecem não mais se tratar de vídeos com decapitações reais cometidas por terroristas islâmicos ensandecidos e sedentos por sangue gritando “Allahu Akbar!” ("Alá é Maior") e outras slogans fundamentalistas, com muito sangue por todos os lados. Tudo parece ser composto, montado, coreografado numa violência construída em “agilidade formal”: o impacto do que supostamente ocorre no conteúdo da imagem é muito mais sugerido pelos elementos da forma (edição, timing, sonoplastia, trilha etc.) do que num enquadramento longo que mostre o horror sem cortes.
Vamos enumerar algumas dessas “anomalias” mais discutidas nessa atual série de vídeos:

Anomalias

O vídeo da decapitaçãodos 21 egípcios cristãos coptas começa com uma animação de uma gota que cai formando o logo do Estado Islâmico ao som de qualidade Dolby Digital Surround como no cinema. Em seguida vemos um plano de câmara com um primor de composição de elementos cinemáticos típicos dos thrillers – pela composição saturada, sabemos que algo de muito terrível acontecerá: nuvens escuras no céu, homens de preto acompanham seus prisioneiros caminhando em diagonal (gestalt em desequilíbrio para conotar tensão, clichê de filmes de ação e terror) e um áudio com o som do mar ao fundo com uma música crescendo até chegar a um estampido de explosão com umlettering: “Uma Mensagem Assinada com o Sangue para a Nação da Cruz”. Texto diagramado com fontes ao mesmo tempo minimalista e gótica numa alusão a escrita da lápide de um túmulo;
(b) Enquanto os terroristascaminham pela praia com os reféns, eles aparecem e desaparecem em um impressionante efeito – parece significar duas imagens que foram anexadas mediante a técnica dechroma key, o segredo mais bem guardado de Hollywood – a partir de atores que contracenam diante de um fundo verde, é possível configurar cenários inexistentes. No filme Mera Coincidência de 1997 essa técnica é aplicada no vídeo de uma suposta guerra contra terroristas na Albânia. Com as atuais técnicas dechromaaplicados em ambientes 3 D as possibilidades tornam-se infinitas, como podemos ver no vídeo abaixo;
 
(c) A câmera emtravellinge em movimento de grua em ascensão mostra uma impecável marcação de cena e coreografia: cada terrorista com seu refém guarda uma distância constante do outro. Todos os reféns de ajoelham de uma só vez e na hora da decapitação, cada um deita-se em seguida do outro, formando uma “ola” macabra. Com isso, o vídeo ganha timing, dinamismo e uma tensão crescente... excessivamente roteirizado para um suposto registro ao vivo de execuções;
(d) E talvez a anomalia mais incômoda:as vítimas estão estranhamente tranquilas, resignadas, obedecendo pacientemente a marcação e coreografia da cena... não demonstram a menor resistência naturais para pessoas que sabem que vão ser executadas nos próximos minutos;
(e) No caso da execução do jornalistanorte-americano James Foley, o discurso de despedida da vítima parece que obedece a um roteiro desenhado para chegar ao coração dos americanos (liberdade, pátria, etc.). Mais uma vez, não parece coerente para uma pessoa que sabe que será que vai morrer degolado. Estarão todos eles enganados? Drogados? Anestesiados?;
(f) As imagens em câmara lentade reféns e vítimas caminhando pela praia rumo ao local da execução lembram os ditames dos westerns do mestre da violência no cinema, o diretor Sam Peckimpah –Meu Ódio Será Sua Herança, Sob o Domínio do Medo, Pet Garret e Billy The Kid;
(g) Em vez de dar uma mensagemem árabe, como faria um bom jihadista (com legendas em alguma outra língua), o suposto terrorista muçulmano extremista fala em inglês –e muitos afirmam, com sotaque britânico. Tudo legendado em árabe;
(h) Na sequência das decapitações, entra em ação o recurso da agilidade formal: novamente em Dolby Digital Surround, tudo fica negro com uma série de flashes com supostas decapitações de reféns – tudo o que podemos identificar são gritos, sangue e facas cortando algo. “Chicotes” (travellings rápidos) da direita para a esquerda, em primeiro plano com o vídeo acelerado e, em outros momentos, em câmera lenta: mais lições aplicadas do mestre Sam Peckimpah – pergunto-me porque por trás dessa tão meticulosa produção de vídeo estariam terroristas que esquecem o documento de identidade na cena do atentado de Paris ao Charlie Hebdo;
(i) Por isso fica uma indagação:Por que uma organização tão radical e brutal como o estado Islâmico, que se caracteriza por ter já publicado vídeos horrendos de atos violentos, justamente agora editam vídeos reduzidos a fragmentos onde jamais se vê a decapitação em si? De repente ficaram mais sensíveis ou temerosos de ter sua conta no YouTube suspensa?

Hipóteses

Os vídeos do Estado Islâmico tem uma inegável natureza canastrona, pela saturação e “overacting” da composição e dramaticidade da montagem. São muito mais Propagandas de Guerra do que execuções reais de reféns. Por isso, é rizível o mantra dos telejornais do mundo sobre a existência de uma suposta análise anterior da “autenticidade” do vídeo.
Além da hipótese Fox Mulder (baseada no sincronismo da linguagem dessas produções audiovisuais com as “brincadeiras” sobre vídeos terroristas que Hollywood faz em filmes comoMera CoincidênciaeHomem de Ferro 3), podemos numerar algumas outras hipóteses:
(a) Na verdade os vídeos são uma ferramentade marketing para conseguir novos recrutas, especialmente do Ocidente e principalmente em um cenário europeu de profunda crise econômica e elevado desemprego entre imigrantes. Ressentimento e ódio de pessoas segregadas economicamente produz o terreno psíquico para o fascismo e os chamados “efeitos copycat” (efeitos de contágio e imitação a partir dos sensacionalismo midiático), como possivelmente se registrou no último atentado na Dinamarca – um jovem recém saído da prisão, sem conexões com grupos jihadistas, com histórico de brigas de gangs e porte de arma, teria imitado os atentados de Paris. Essas pessoas supostamente seriam o grande alvo desse marketing do ódio.
(b) Falsa bandeira (False FlagouBlack Flag) –Poucas horas depois da divulgação do vídeo, o Egito já respondia com ataques à Líbia com pesadas perdas entre civis. Assim como o atentado em Paris ao Charlie Hebdo, a série de vídeos com decapitações fariam parte de uma ampla estratégia de criação de pretextos para intervenção militar no Yêmen, Líbia e Síria. Esses eventos estariam criando “um novo contexto”. Pelo apuro técnico, esses vídeos (assim como as próprias armas pesadas de origem norte-americana que esses terroristas carregam) seriam de fato produzidos por empresas que prestam serviço ao Pentágono e CIA.
(c) As três hipóteses elencadas nessa postagem(Fox Mulder + Marketing de Recrutamento + Falsa Bandeira) não são excludentes: podem funcionar numa infernal sincronia – Hollywood alimentando teorias da conspiração no campo ficcional para desmoralizar as críticas no campo real sobre essas mesmas conspirações, enquanto os EUA tocam fogo no psiquismo que alimenta o protofascismo e radicalismo de jovens desempregados europeus que ajudarão a produzir os “novos contextos” necessários que justifiquem a intervenção militar dos EUA, sempre em defesa da “liberdade de expressão” e “Democracia”.
 
Via http://cinegnose.blogspot.com.br/2015/02/videos-de-execucoes-do-estado-islamico.html
 http://chega2012.blogspot.com.br/2015/02/videos-de-execucoes-do-estado-islamico.html

O que aconteceria com os gregos se o país deixasse o euro?

O governo da Grécia, eleito em janeiro sob a promessa de que acabaria com as medidas de austeridade impostas no país, segue travando um braço de ferro com a União Europeia (UE) na negociação por um novo acordo financeiro.
A Grécia quer um empréstimo e não uma extensão do acordo de resgate - fechado com a UE e o FMI para tirar o país de sua profunda crise econômica -, que inclui as duras medidas de austeridade.
Se não houver acordo até o final de fevereiro, a Grécia ficará sem meios de conseguir dinheiro e se veria praticamente obrigada a sair da zona do euro.

Seria uma situação inédita; desde 1999, ano em que o euro foi lançado, nunca um país teve de desistir da moeda. E não há um processo formal estabelecido para um caso desses - tudo seria feito na base do improviso.

Veja abaixo respostas a algumas das principais dúvidas que surgem para o caso da Grécia ter mesmo de deixar a zona do euro.

O que aconteceria com a Grécia?

O ex-primeiro-ministro grego Antonis Samaras advertiu que o padrão de vida grego poderia cair em 80% nas semanas seguintes a uma eventual saída do euro.

O governo grego, incapaz de tomar empréstimos - mesmo de outros países europeus - ficaria sem dinheiro. Teria que pagar benefícios sociais e salários de funcionários públicos em notas promissórias - se conseguir pagá-los - até que uma nova moeda fosse introduzida.

A Grécia não conseguiria pagar suas dívidas, que atualmente somam cerca de 320 bilhões de euros (cerca de R$ 1 trilhão), a maior parte com governos e agências europeias e o Fundo Monetário Internacional (FMI).

O governo teria que impor um congelamento a saques e remessas de dinheiro ao exterior. Isto poderia levar a uma corrida de gregos aos bancos tentando sacar o dinheiro de suas contas antes que ele seja convertido a uma nova moeda cujo valor seria substancialmente menor.

No longo prazo, a economia da Grécia se beneficiaria com uma taxa de câmbio muito mais competitiva. Mas a desvalorização não resolveria outros problemas da economia, incluindo o sistema de cobrança de impostos falho e dificuldades em controlar os gastos do governo.

Há também a possibilidade real de alta da inflação. A arrecadação fiscal provavelmente cairia com a contração da economia e o governo, então, financiaria os gastos, emitindo moeda.
A provável desvalorização da moeda também seria inflacionária e tornaria bens importados mais caros - o que incluiria diversos alimentos e remédios.

O que aconteceria com a zona do euro?

Há o perigo de que a saída da Grécia da zona do euro possa causar um dano econômico maior, mas o risco é visto como muito menor desde 2012, quando tal especulação era forte.

O Banco Central Europeu é um elemento-chave por trás dessa mudança. Em primeiro lugar, pelo compromisso de fazer "o que for preciso para preservar o euro", como disse o presidente do BCE, Mario Draghi, em julho de 2012.

A entidade se comprometeu, depois, a comprar títulos das dívidas dos governos cujos custos de empréstimos foram afetados por temores deles deixarem o euro.
O BCE não tem atuado nessa frente, mas a existência desta promessa foi suficiente para acalmar os mercados financeiros da zona do euro. E o BCE poderia usar esta iniciativa se os temores ressurgirem no caso de uma saída da Grécia.

Há também o afrouxamento monetário (conhecido como "quantitative easing", ou QE), o programa de compra de títulos da dívida pública em toda a zona do euro, anunciado pelo BCE em janeiro.
O plano não tem como alvo países financeiramente vulneráveis, mas a expectativa já reduziu os custos de empréstimos de governos, que permaneceram baixos para todos os países da zona do euro, à exceção da Grécia.

Apesar de tudo isso, se a Grécia realmente deixar a zona do euro, o contágio financeiro não pode ser descartado.

Correntistas de outros países da zona do euro em dificuldades, como Espanha ou Itália, também poderiam transferir seus depósitos para locais mais seguros, como a Alemanha, provocando uma crise bancária no sul da Europa.

A confiança em outros bancos que emprestaram grandes volumes para o sul da Europa - como os bancos franceses - também poderia ser afetada. Tal crise bancária poderia se espalhar pelo mundo, assim como em 2008.

O que significa para as empresas?

Empresas gregas enfrentariam um desastre legal e financeiro. Alguns contratos regidos pela lei grega seriam convertidos para uma nova moeda, enquanto outros contratos estrangeiros permaneceriam em euros. Muitos contratos poderiam acabar em disputas judiciais.

Empresas gregas que têm grandes dívidas em euros com credores estrangeiros, mas cujas principais fontes de renda seriam convertidas para uma outra moeda desvalorizada, não conseguiriam honrar seus compromissos.


Muitas empresas ficariam numa situação de insolvência - com suas dívidas valendo mais do que seus ativos - e estariam à beira da falência. Credores estrangeiros e parceiros de empresas gregas enfrentariam grandes perdas.

No resto da zona do euro, empresas, temerosas com o futuro do euro, poderiam cortar investimentos. Diante de uma enxurrada de más notícias na imprensa, cidadãos comuns poderiam começar a reduzir seus próprios gastos. Tudo isso poderia empurrar a zona do euro para uma recessão.

O euro poderia perder valor nos mercados de câmbio, o que daria um certo alívio à zona do euro por tornar suas exportações mais competitivas no cenário internacional. Mas a desvantagem é que as importações ficariam mais caras - especialmente nas transações com EUA, Reino Unido e Japão.

Quais seriam as consequências políticas?

Uma saída grega minaria a ideia de que o projeto do euro é irreversível e poderia dar impulso a forças contrárias à moeda única e à União Europeia em outros países.

Na Espanha, o partido de esquerda antiausteridade Podemos está se fortalecendo, e haverá eleições ainda neste ano. Em Portugal, que também vai às urnas neste ano, há uma crescente insatisfação com medidas de austeridade.

Nos termos da atual legislação europeia, o abandono do euro provavelmente também significa deixar a União Europeia. Mas havendo vontade política dos países do bloco, é provável que seria possível encontrar uma maneira de manter a Grécia na UE.

 Fonte:

BBC: O que aconteceria com os gregos se o país deixasse o euro?

Via:  http://www.somerice.com/2015/02/o-que-aconteceria-com-os-gregos-se-o.html

REBELDES SÍRIOS ENJAULAM CRIANÇAS EM RECRIAÇÃO DE VÍDEO DO ESTADO ISLÂMICO


Independente de ser uma suposta "manifestação" contra Bashar al-Assad, é revoltante ver estas crianças nestas condições... Até onde isso tudo vai chegar?
Pior que toda esta desgraça é financiada pelos globalistas na pessoa do falsário sr, Barack Obama, presidente de uma nação declarada cristã!

Ativistas sírios pró-rebeldes divulgaram perturbadoras fotografias que remetem à brutal execução do piloto jordaniano Moaz al-Kasesbeh, morto queimado vivo dentro de uma jaula por membros do grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Nas fotos, cerca de 15 crianças estão amontoadas dentro de uma gaiola diante de uma tocha de fogo, mantida distante, no primeiro plano. Elas vestem roupas laranjas, assim como os reféns mortos pela facção anteriormente.

As fotos teriam sido feitas na última segunda, 16 de fevereiro, durante um evento realizado na cidade de Douma, devastada pela guerra que assola o país desde março de 2011.

A proposta alegada consiste em comparar as ações do grupo extremista Estado Islâmico (EI) com as atrocidades cometidas pelo presidente sírio Bashar al-Assad.

Confira o vídeo:
Via: http://noticias.portalvox.com/internacional/2015/02/estado-islamico-enjaula-criancas-apos-ataques-sirios.html
http://www.libertar.in/2015/02/rebeldes-sirios-enjaulam-criancas-em.html

Descoberta proteína no café com efeito similar ao da morfina






Com informações da Embrapa
Pesquisadores da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) e da UnB (Universidade de Brasília) identificaram peptídeos inéditos no café.
Esses fragmentos de proteína apresentam um efeito similar ao da morfina, ou seja, uma ação analgésica e ansiolítica, com um diferencial positivo: o tempo de duração desses efeitos foi significativamente maior.
Peptídeos opioides
A identificação dos peptídeos se deu quando os pesquisadores Felipe Vinecky e Carlos Bloch estavam em busca de genes de café associados à melhoria da qualidade do produto.
Ao analisar as sequências gênicas, a dupla observou que algumas das sequências continham fragmentos internos com estruturas semelhantes à de alguns opioides endógenos humanos, como a encefalina.
Eles decidiram então sintetizar essas moléculas em laboratório para avaliar experimentalmente suas funções biológicas e efeitos fisiológicos em mamíferos.
Enquanto isso, um concentrado proteico presente no endosperma (parte maior da semente) do café foi submetido à digestão enzimática para simular o processo digestivo em humanos e, assim, deduzir como poderia ser o processo real de biodisponibilização e atividade final dessas moléculas dentro do organismo.
A partir dos análogos sintéticos, foram realizados testes com camundongos na Universidade de Brasília, que comprovaram que o composto do café tem efeito similar ao da morfina.
Melhor do que isso: na verdade, o tempo de duração do efeito analgésico é significativamente superior ao da morfina, chegando a cerca de quatro horas.
Toxicidade e patente
Embora não tenham sido observados efeitos colaterais sérios, os pesquisadores pretendem realizar outros experimentos mais rigorosos para avaliar a segurança do composto.
A Embrapa já solicitou ao INPI o registro de patente dos "peptídeos opioides" derivados do café - sete compostos no total.

Direito de Parir - @RachelSherazade

Publicado em 17 de fev de 2015
Destaque Final de Rachel Sheherazade no Jornal da Manhã desta Terça-Feira - 17/fev/15

Pré-sal @CanalDoOtario

Cresce o número de pessoas que exige uma ação dos militares. Fenômeno interessante a observar.


Grupo pretende iniciar manifestações por todo o BRASIL.
Se ha um enormo número de pessoas exigindo a volta dos militares com toda certeza ha algo de muito errado com o sistema atual. As autoridades e as próprias forças armadas tem de estar atentas. O que está acontecendo realmente com o Brasil?
Intervenção Militar! Cresce o número de pessoas que exige uma ação dos militares. Fenômeno interessante a observar.
Cresce o número de pessoas pedindo INTERVENÇÃO MILITAR, E agora?
   A Maioria possui por volta de 30 anos e escolaridade de nível superior e médio. Mas é comum encontrar gente mais madura em meio às discussões. A formação é muito diversificada, são astrônomos, administradores, contabilistas, historiadores, técnicos de informática, advogados etc. Não se pode dizer que são desinformados, e muito menos que não são politizados. O que eles tem em comum? A desilusão com o governo realizado pelos partidos de esquerda do Brasil e a certeza de que a solução para o "caos nacional" é uma Intervenção Militar. Para eles o Brasil precisa de um tipo de “reset”, um começar de novo implementado por um governo militar provisório que colocaria ordem na casa e em pouco tempo devolveria a administração para as mãos dos civis, de forma mais organizada, sem a urna eletrônica, com menor número de deputados, e expurgado de todas as leis e regras que endossem a existência de categorias privilegiadas com poderes quase ilimitados.
    Eles parecem acreditar que o grupo que controla o Brasil atualmente é como uma espécie de câncer, que precisa ser extirpado, com todas as suas ramificações, e jogado no lixo, para que o organismo limpo, renovado, possa funcionar perfeitamente. O sistema democratico em curso seria incapaz de fazer isso, pois o povo estaria "corrompido" pelo assistencialismo governamental, que estrategicamente liga a alimentação e benefícios doados à milhões de brasileros ao partido da Presidente da República.
 Essas pessoas, se organizando por meio da internet, fizeram crescer de forma assustadora o número de comunidades e fanpages que defendem a ação militar para a deposição do atual governo. As páginas somam centenas de milhares de acessos, compartilhamentos e curtidas todos os dias. Se isso não é um claro sinal de que há algo de errado com o governo atual o que mais será preciso? São milhares de pessoas participando dessas comunidades, a maioria delas com alto grau de esclarecimento e disposição para participação política.
   Qualquer analista político pode perceber facilmente que se essas comunidades conseguirem se unir em um só bloco e transformar em ação todo esse sentimento expressado pelas redes sociais, o governo atual vai ter muito trabalho para permanecer no poder. 
   É justamente isso que uma das páginas, chamadaINTERVENÇÃOMILITAR2014, pretende fazer, eles planejam concentrar todas as comunidades e democraticamente organizar as ações no sentido de tornar mais real aquilo que na maioria das vezes não sai das páginas da grande rede.
   Os organizadores Maria A. e Carlos C. não estão de brincadeira, eles realmente pretendem, nas suas palavras: “juntar essas pessoas num único grupo, a fim de se organizarem e pôr em prática de uma vez por todas a vontade do povo, que é a volta do Regime Militar e Impeachment da presidente Dilma ainda antes da Copa do Mundo, Prisão para todos os mensaleiros e políticos corruptos, com punição exemplar por traição ao Povo e à Pátria; Não à Ditadura Comunista; Não ao Desperdício irresponsável do dinheiro do povo; Investigação do investimento de bilhões feito pelos últimos governos em países em crise política (comunistas e socialistas),  Intervenção pela Ordem e Progresso do Brasil”.
  Eles fazem questão de lembrar que o grupo foi criado por civis comuns, cansados de ver a devastação do Brasil sob todos os aspectos; educação, saúde, segurança precária e falta de emprego Com a ajuda de amigos que se conheceram pela internet com os mesmos objetivos, em 3 dias, o grupo já possuía milhares de associados e continua crescendo rapidamente. O efeito viral de suas mensagens pode alcançar dezenas de milhares de visualizações por dia, já que normalmente cada pessoa possui mais de uma centena de amigos nas redes sociais.
  O grupo tem levado a sério sua proposta e até já traçou uma estratégia, na página estão catalogadas as regiões militares das 10 maiores cidades de todos os estados brasileiros. A intenção, é que a partir de 04 de março de 2014 (Carnaval), as pessoas se reúnam nesses locais e levem faixas, se vistam de verde e amarelo e peçam a ajuda constitucional que o povo brasileiro precisa urgentemente.
   Ainda que diversos oficiais da reserva declarem que qualquer intervenção seja algo impossível de ocorrer, as comunidades  citam como exemplo os movimentos ocorridos recentemente no Oriente Médio, especialmente no Egito.
   Os movimentos "intervencionistas" parecem lutar contra a opinião dos próprios militares, que recomendam cautela. Em setembro passado o general Valmir Fonseca Azevedo Pereira, um dos militares mais citados na atualidade, sem negar que acredita que o governo atual empurra o país para o caos, divulgou um texto que deixa claro que é praticamente impossível que os militares brasileiros intervenham novamente. Ele disse:
“... Hoje, é difícil saber quantos militares seriam capazes de participar de uma contrarrevolução para salvar o Brasil do comunismo ou da camarilha que nos leva para o abismo moral e econômico. Provavelmente, apenas uma minoria... Pelas armas, pela imposição tudo deve ser evitado, e os chefes militares esperam o amadurecimento da população, que esclarecida, possa por meio do voto consciente, sem trocas de benesses, escolher os seus verdadeiros líderes políticos.Cabe aos militares colaborarem na transição, na esperança de que na consciência dos cidadãos, ressurja a certeza do que é bom para a Nação é que eles cumpram a sua obrigação de patriotas, com cidadania..Por isso, é de bom senso para as Forças Militares preservar, manter - se às margens da canalhada que nos governa e, se por acaso, a indignação, a impaciência atingir às raias do impensável, que as Forças Armadas abandonem o silêncio e atendam à voz do povo de ´fora PT´(Texto completo AQUI)
Para conhecer o grupo clique em: INTERVENÇÃOMILITAR2014,

Roubo, extorsão comprovada. Ninguém vai fazer nada? Vejam esse vídeo.

18/02/2015
Robson A.D.Silva – Revista Sociedade Militar.
Somos governados por um grupo que usa de todos os artifícios possíveis para se manter no poder. Por isso todos os espertos do país acham que podem fazer igual. Eu e você que trabalhamos honestamente estamos abandonados à mercê de um bando de safados.
Infelizmente esse é o Brasil de hoje, e de amanhã, se não fizermos nada.
Todo mundo sabe que os índios estão cobrando pedágio ilegal ha anos. Mas ninguém faz nada quanto a isso. Que país é esse? A prova está aí. Ou índio tem direito de roubar, surrupiar o dinheiro alheio? Pra nós esse grupo não passa de um bando de ladrões safados.
Será que o MP não pode tomar uma atitude quanto a isso? Será que a polícia federal não deveria investigar isso? Será que as redes de TV não deveriam mostrar isso?
Assista a esse vídeo.
Revista Sociedade Militar
Estejamos atentos, no mês que vem ocorrerão duas grandes manifestações. A primeira serpa na sexta-feira, dia 13 de março e a segunda no domingo, 15 de março.  No Rio as manifestações serão, no dia 13, em frente a Petrobrás, e no dia 15 em Copacabana. Em São Paulo as duas serão na Avenida Paulista.
Robson A.D.Silva

Objetos misteriosos caem do espaço e intrigam moradores do Rio de Janeiro

Em Iguaba, Rio de Janeiro, um fenômeno assustou os moradores. Três pedras prateadas e brilhantes despencaram em cima de duas casas. A pedra é composta de silício, o suficiente para concluir que ela não veio de outro planeta. O material teria se soltado de algum satélite, e não se desprendido de algum meteoro ou planeta do sistema solar. Veja!



FONTE: TV RECORD

Como o islã planeja dominar o mundo

O Futuro do Terrorismo: O Que A Al-Qaeda Realmente Deseja
Se existe alguém que pode, eventualmente, ter uma idéia sobre o que a Al-Qaeda está fazendo, é o jornalista jordaniano Fouad Hussein. Ele não só passou um tempo na prisão com al-Zarqawi, mas também conseguiu fazer contato com muitos dos líderes da rede. Com base em correspondência com estas fontes, ele já trouxe um livro que detalha o plano diretor da organização.

213
Deve haver algo de particularmente confiável ​​sobre o jornalista jordaniano Fouad Hussein. Afinal de contas, ele conseguiu fazer com que alguns dos terroristas mais procurados viessem a se abrir com ele. Talvez o que ajudou é que eles passaram um tempo juntos na prisão, há muitos anos atrás – quando Hussein era um prisioneiro político, ele negociou com sucesso para que Abu Musab al-Zarqawi fosse liberado da prisão solitária. Ou será que é por causa da maneira honesta e direta em que ele coloca as suas idéias no papel? Seja qual for a razão, o resultado é que um filme que Hussein fêz sobre al-Zarqawi ainda foi mostrado em Web sites afiliados da al-Qaeda. “Isso me mostrou que, pelo menos, eu me senti compreendido”, diz o jornalista.
Mesmo para um jornalista árabe não é fácil entrar em contato com o círculo interno de al-Qaeda. No entanto, Hussein, que está baseado em Amã, na Jordânia, conseguiu transformar sua correspondência com os terroristas em um livro notável: “Al-Zarqawi – A Segunda Geração da Al-Qaeda”.
Se você encontrar Hussein, como você poderia quando ele está relaxando no Café Viena de Amã, você vê que ele é calmo e descontraído, sem o glamour de um espião do serviço secreto. Mas o que este homem pequeno e magro tem para comunicar é nada menos do que o plano da rede terrorista mais perigosa do mundo em ação: a estratégia da Al-Qaeda para as próximas duas décadas. É ao mesmo tempo assustador e absurdo, um plano maluco concebido por fanáticos que vivem em seu próprio mundo, mas que continuamente é gerenciado para se tornarem realidade através de seus atos brutais de violência.
Uma das fontes mais sensacionais de Hussein para o livro, de acordo com o que ele disse à agência de notícias Spiegel Online, foi Seif al-Adl. O terrorista egípcio, que é suspeito de participar dos ataques às embaixadas americanas em Dar es Salaam e Nairobi em 1998, e que tem um prêmio de US$ 5 milhões pela sua cabeça no FBI. Os serviços secretos suspeitam que al-Adl está agora no Irã.
Para provar que ele realmente teve contato com a Al-Adl, Hussein incluiu nas duas primeiras páginas do livro uma cópia de uma carta escrita à mão do homem procurado que foi enviada ao autor. No documento original, que é de 15 páginas, al-Adl descreve as divergências entre al-Zarqawi e Osama bin Laden durante a guerra no Afeganistão. “As declarações de Seif al-Adl também são colocadas no capítulo sobre a estratégia da Al-Qaeda”, explica Fouad Hussein.

11
Um califado islâmico em sete etapas fáceis
Na introdução, o jornalista jordaniano escreve: “Eu entrevistei todo um conjunto de membros da Al-Qaeda com ideologias diferentes para ter uma idéia de como a guerra entre os terroristas e Washington iria se desenvolver no futuro”. O que ele descreve então entre as páginas 202 e 213 é um cenário que prova tanto a cegueira dos terroristas bem como de sua brutal obstinação. Em sete fases a rede de terror espera estabelecer um califado islâmico ao qual o Ocidente estará muito fraco para combater.
  • A Primeira Fase, conhecida como “O Despertar” – isto já foi realizado e se supunha que duraria de 2000 a 2003, ou mais precisamente a partir dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 em Nova York e Washington até a queda de Bagdá em 2003, o objetivo dos ataques de 11/9 era provocar os EUA a declararem guerra ao mundo islâmico e, assim, “despertar” os muçulmanos. “A primeira fase foi julgada pelos estrategistas e cérebros por trás da Al-Qaeda, como muito bem sucedida”, escreve Hussein. “O campo de batalha foi aberto e os americanos e seus aliados tornaram-se um alvo mais próximo e mais fácil”. A rede terrorista também relatou que estava convencida de que sua mensagem pode agora ser ouvida “em todos os lugares”.
  • A Segunda Fase, “Abrindo os Olhos” é, segundo a definição de Hussein, o período que estamos agora e deve durar de 2003 até 2006. Hussein diz que os terroristas esperam fazer a conspiração ocidental ciente da “comunidade islâmica”. Hussein acredita que esta é uma fase em que a Al-Qaeda quer uma organização para se transformar em um movimento. A rede está apostando no recrutamento de jovens durante esse período. O Iraque deve tornar-se o centro de todas as operações globais, com um “exército”, criado lá e com bases estabelecidas em outros Estados árabes.
  • A Terceira Fase, ela é descrita como “O Surgimento e Por-se de Pé” e deve durar de 2007 a 2010. “Haverá um foco na Síria”, profetiza Hussein, com base no que as suas fontes lhe disseram. Os quadros de luta estão supostamente já preparadas e alguns estão no Iraque. Os ataques contra a Turquia e – ainda mais explosivo – em Israel são previstos. Idealizadores da Al-Qaeda esperam que os ataques a Israel irão ajudar o grupo terrorista a se tornarem uma organização reconhecida. O autor também acredita que os países vizinhos do Iraque, como a Jordânia, também estão em perigo.
  • A Quarta Fase, entre 2010 e 2013, Hussein escreve que a Al-Qaeda terá como objetivo provocar o colapso dos governos árabes odiados. A estimativa é de que “a perda insidiosa do poder destes regimes levará a um crescimento constante na força dentro de al-Qaeda”. Ao mesmo tempo os ataques serão realizados contra fornecedores de petróleo e a economia dos EUA serão atacadas usando o terrorismo cibernético.
  • A Quinta Fase, Este será o momento em que um Estado islâmico, ouCalifado, pode ser declarado. O plano é que, desta vez, entre 2013 e 2016, a influência ocidental no mundo islâmico será tão reduzida e Israel estará tão enfraquecido que a resistência não vai ser temida. A Al-Qaeda espera que, em seguida, o Estado islâmico será capaz de trazer uma nova ordem mundial.
  • A Sexta Fase, Hussein acredita que a partir de 2016 haverá um período de “confronto total”. Assim que o califado for declarado o “exército islâmico” vai instigar a “luta entre os crentes e os não crentes” que tem sido tantas vezes previstos por Osama bin Laden.
  • A Sétima Fase, esta fase final é descrita como “vitória definitiva“. Hussein escreve que, aos olhos dos terroristas, porque o resto do mundo estará tão abatido pelos “um bilhão e meio de muçulmanos”, o califado, sem dúvida, terá sucesso. Esta fase deve ser concluída até 2020, embora a guerra não deva durar mais de dois anos.
Um plano sério?
Mas o quão sério é este cenário? “A Al-Qaeda não faz concessões”, diz o autor do livro Fouad Hussein. Ele obviamente acredita que este plano de sete pontos poderia muito bem tornar-se o princípio orientador de toda uma gama de combatentes da Al-Qaeda. Hussein está longe de ser alarmista histérico – na verdade, ele é visto como um jornalista sério e seu livro Zarqawi é melhor do que a maioria dos relatórios em árabe sobre o assunto. Só no ano passado, o jornalista fez um filme que foi recebido com grande interesse e foi mostrado na canal de arte da TV franco-alemã. Nela, ele forneceu profundas introspecções sobre a máquina de propaganda na internet da Al-Qaeda.
No entanto, não há como o cenário que ele descreve poder ser visto como um plano que a al-Qaeda pode seguir passo-a-passo. A rede terrorista simplesmente não funciona mais assim. A importância da liderança central tem diminuído e seus comandos diretos perderam uma grande importância. O plano diretor suposto para os anos de 2000-2020 compreende-se em partes mais como um conjunto de idéias de paralelepípedos juntos em retrospecto, do que algo planejado e apresentado com antecedência. E para não mencionar que a agenda terrorista é simplesmente impraticável: a idéia de que a Al-Qaeda poderia criar um califado em todo o mundo islâmico é um absurdo. O plano de 20 anos é baseado principalmente em idéias religiosas. Ele quase não tem nada a ver com a realidade – especialmente as fases 4-7.
Mas isso não significa que devemos simplesmente descontar tudo o que Hussein descobriu. Alguns dos passos na agenda são plausíveis. A idéia de que a Síria vai se tornar um foco para o Mujahedin é considerado por especialistas como altamente provável. “Cerrar fileiras, se concentrar em obter mais recrutas, criar células”, era a chamada para o “Mujahedin na Síria”, que apareceu em um site, no início de agosto. Do ponto de vista dos jihadistas, Israel e Turquia também são alvos bastante lógicos para uma escalada do confronto. “A Al-Qaeda vê cada luta como uma vitória, porque por tanto tempo os muçulmanos não tinham arma nenhuma”, diz Hussein. Ele pode não estar longe. Quanto à Jordânia, os líderes da Al-Qaeda, como al-Zarqawi, já fizeram ataques ao país. Eles também afirmaram em várias ocasiões que Jerusalém é o verdadeiro alvo.
Da mesma forma, a idéia de que, no futuro, a Al-Qaeda poderia se tornar um movimento que atrai jovens frustrados, é quase uma teoria tirada do ar. A rede terrorista coloca um grande esforço em sua propaganda – assumidamente, a fim de expandir a sua base de apoio.
Os ataques contra o Ocidente: um meio para um fim
O que é interessante é que os grandes ataques contra o Ocidente não são sequer mencionados por Fouad Hussein. O terrorismo aqui não pode ser ignorado – , mas parece que esses ataques simplesmente complementam o maior objetivo da criação de um califado islâmico. Ataques como os de Nova Iorque, Madrid e Londres seriam, neste caso, não um fim em si, mas sim os meios para a alcançar um objetivo maior – as etapas de um processo de crescente insegurança no Ocidente.
Hoje em dia, é mais difícil do que nunca compreender verdadeiramente a Al-Qaeda: a organização degenerou em galhos e as células são frouxamente ligadas, grupos relacionados são tomados e as pessoas que quase não tinham nada a ver com a Al-Qaeda antes, agora realizam ataques em seu nome. É difícil imaginar que as ordens vêm desde o topo, porque Osama bin Laden gasta todo o seu tempo lutando para sobreviver. Ao mesmo tempo, a divisão entre soldados na organização e simpatizantes estão se tornando cada vez mais tênue. É muito fácil ser vítima de desinformação – a Al-Qaeda também se destaca nesta área. Mesmo o cenário de Hussein deve ser julgado com ceticismo.
Seu livro deve ser lido por aquilo que ele realmente é: uma tentativa de adivinhar como os terroristas da Al-Qaeda pensam, o que eles realmente querem e como eles se propõem para chegarem lá.
Fonte: Dvcorp
Via: https://blogaultimatrombeta.wordpress.com/2015/02/17/como-o-isla-planeja-dominar-o-mundo/
Measure
Measure
NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO