NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO

Siga este Blog

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

A misteriosa morte de 60.000 antílopes em 4 dias

Tudo começou no final de maio.
Quando o ecologista Steffen Zuther e seus colegas chegaram no centro do Cazaquistão para acompanhar o parto de um rebanho de saigas, um antílope que vive no estepe e que está criticamente em perigo, os veterinários na área já haviam relatado animais mortos no chão.
“Mas uma vez que essa mortandade passou de forma limitada durante os últimos anos, num primeiro momento nós não estávamos realmente alarmados,” Zuther, o coordenador internacional da Iniciativa de Conservação Altyn Dala, disse.
Mas dentro de quatro dias, grande parte do rebanho – 60.000 saigas – tinha morrido. Conforme os veterinários e os conservadores tentaram conter as mortes, eles também recebiam a notícia de acidentes populacionais semelhantes em outros rebanhos em todo o Cazaquistão. No início de junho, a morte em massa havia terminado.
Agora, os pesquisadores descobriram pistas de como mais da metade do rebanho do país, contado em 257 mil em 2014, morreu tão rapidamente. Bactérias desempenharam claramente um papel no desaparecimento das saigas. Mas exatamente como estes micróbios normalmente inofensivos podem ter causado as mortes é um mistério, disse Zuther.
“A extensão desta matança e a velocidade assustadora não foram observadas em qualquer outra espécie”, disse Zuther. “É realmente inédito.
Saigas desempenham um papel fundamental no ecossistema do estepe árido, onde os invernos frios impedem que o material vegetal caído entre em decomposição; os antílopes ajudam a combater esse processo, reciclando nutrientes no ecossistema e prevenindo incêndios florestais alimentados por muita serapilheiras no chão. Os animais também fornecem refeições saborosas para os predadores do estepe.
“Onde você encontra saigas, também reconhecemos que há outras espécies muito mais abundantes”, disse Zuther.
Saigas, que estão listadas como criticamente ameaçadas pela União Internacional para a Conservação da Natureza, vivem em alguns rebanhos no Cazaquistão, um pequeno rebanho na Rússia e um rebanho na Mongólia. Os rebanhos se reúnem com outros durante os invernos frios, bem como quando eles migram para outras partes do Cazaquistão, durante o outono e a primavera. Os rebanhos se dividem para parir seus filhotes durante o final da primavera e o início do verão. As mortes começaram durante o período do parto.

O mistério permanece

Uma matança em massa semelhante ocorreu em 1988, e os veterinários relataram sintomas semelhantes. Mas como essa mortandade ocorreu durante a era soviética, os pesquisadores simplesmente atribuíram as mortes à Pasteurelose, uma doença causada pela Pasteurella, e não realizaram qualquer outra investigação.
Até agora, a única causa ambiental possível é a que houve um inverno frio e duro seguido por uma primavera úmida, com muita vegetação exuberante e água, que pode permitir que as bactérias se espalhem mais facilmente.
Zuther disse que ele e seus colegas planejam continuar sua busca por uma causa das mortes, e evitar que isso ocorra nos próximos anos. 

Via: http://verdademundial.com.br/2015/09/a-misteriosa-morte-de-60-000-antilopes-em-4-dias/
NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO