Seja Bem Vindo
NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO

Siga este Blog

domingo, 2 de agosto de 2015

O EXÉRCITO CHINÊS TEM UMA NOVA ARMA SECRETA: TRENS ULTRA-VELOZES

Geralmente, a rede ferroviária de alta velocidade da China é para transportar milhões – sim, milhões – de passageiros, veranistas e turistas de todo o país.
Mas em 14 de maio, uma seção da rede em expansão serviu a um propósito muito diferente. Uma brigada da região militar do Lanzhou do Exército de Libertação Popular da China (ELP), embarcou em um trem de alta velocidade e partiu para Xinjiang – 300 milhas a oeste.

O exercício descobriu uma maneira rápida e inteligente de mover as tropas através do enorme país, algo com o qual Pequim vem lutando para lidar. A China tem o maior exército terrestre e a segunda fronteira terrestre mais longa do mundo, que compartilha com 14 nações… mais do que qualquer outro país, exceto a Rússia.

Um desses países – Índia – é um dos rivais de Pequim e os dois países têm duas disputas de fronteira em curso. Outras disputas, com Myanmar ao sul – e ao oeste com Tajiquistão e Quirguistão – são potencialmente instáveis. Depois, há a fronteira com a Coréia do Norte.
Tudo isso acrescenta muitas potenciais crises ao longo da fronteira. O resultado é que Pequim quer que seu exército tenha a capacidade de responder a muitas crises variadas e potenciais. Daí trens de alta velocidade.

O exército da China está começando a se mover rápido.

A viagem da brigada Lanzhou – que incluiu seus equipamentos – foi a primeira que uma unidade militar, que nunca tinha viajado ao longo da linha ferroviária de alta velocidade, fez para Xinjiang. A província ocidental é o lar de uma insurgência travada entre o estado e os militantes étnicos muçulmanos uigur.

O jornal militar estatal chinês Jiefangjun Bao anestésicamente descreveu o exercício como parte da “projeção de poder e força de prontidão de combate a partir do movimento dos militares sobre o ‘trem contemporâneo” de integração civil-militar.”

Esta é uma referência oblíqua à China utilizando infra-estruturas civis para fins militares. A China tem a maior rede ferroviária de alta velocidade do mundo – definida por linhas férreas com trens que viajam acima de 120 milhas por hora.
Rede ferroviária de alta velocidade da China em 2013 | (Wikimedia Commons, Cortesia War is Boring)

A China tem seis linhas de alta velocidade – e essa de Xianjiang é a mais nova, tendo sido inaugurada em 2014. Mas Pequim vai mais que dobrar suas linhas de alta velocidade na década de 2020.

A tendência para o aumento da utilização dupla pelos militares também está em ascensão.
“A divisão levemente equipada pode ser movida na linha Wuhan-a-Guangzhou – cerca de 600 milhas – em cinco horas, uma muito rápida mobilização em termos militares”, a estatal China Youth Daily noticiou em 2014.

Pesquisadores do exército dos EUA já demonstram um interesse nisto. “No início, as tropas viajavam em rodovias durante treinos de manobra”, como observou em junho,OE Watch, The army’s boletim informativo de Estudos Militares do Ministério das Relações Exteriores do Exército. “Este novo modo de transporte é uma melhoria. Com as tropas agora com capacidade de sair de seus quartéis utilizando o comboio de alta velocidade, o movimento de tropas será significativamente mais rápido.”

Uma das razões da China querer suas forças armadas movendo-se rapidamente pelos trilhos é porque as guerras irrompem muito mais rápido hoje. Durante 1991, na Guerra do Golfo Pérsico, os Estados Unidos rapidamente transportou mais de 500.000 tropas para a Arábia Saudita em apenas alguns meses.

O resultado da guerra – uma vitória desequilibrada para os EUA e seus aliados no terreno – teve um efeito profundo sobre o pensamento militar chinês e sua doutrina.

Desde então, as maiores mudanças para os militares chineses têm sido no ar e no mar. “O PLA começou a enfatizar o poder aéreo mais do que o poder terrestre, e, em particular, investigou o potencial do ataque de precisão de longo alcance“, Robert Farley da Escola Patterson observou no National Interest.

O Segundo Corpo de Artilharia da China – responsável pela manutenção e instalação das armas nucleares – também recebeu atenção considerável. A Segunda Artilharia passaria a adotar novas armas de ataque de precisão para ataques além das fronteiras da China.

No caso de uma crise se deteriorar rapidamente, a Segunda Artilharia teria de acelerar em direção ao problema. Este é o lugar onde ferroviária de alta velocidade entra.

De acordo com o relatório de China Youth Daily, o Corpo poderia apressar seus mísseis de cruzeiro ao longo das linhas ferroviárias de alta velocidade em direção à costa, no caso de um conflito com o Japão ou Taiwan. Agora sabemos que a China provavelmente enviaria milhares de tropas terrestres adicionais também.
A partir de drones para AKs, alta tecnologia para as políticas baixas, War is Boring explora como e porque nós lutamos acima, sobre e abaixo de um mundo com raiva.

Autor: Robert Beckhusen
Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com
Fonte: The Week
http://noticia-final.blogspot.com.br/2015/08/o-exercito-chines-tem-uma-nova-arma.html
NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO

POSTAGENS MAIS VISITADAS

Disso Você Sabia ? no Facebook