Agora são: horas e minutos - Agradeço sua presença e volte sempre

Crescem estranhas "margaridas mutantes" em localidade próximo a usina nuclear de Fukushima (Foto)

Um usuário japonês do Twitter, San _kaido encontra estranhas "margaridas mutantes 'que crescem na cidade japonesa de Nasushiobara, apenas 110 quilômetros da usina nuclear de Fukushima. Flor sofre deformações significativas.
Embora as causas de mutações sofridas pelos botões de flores não são ainda claras, as imagens sugerem que estas deformações pode ser causada por radiação a partir da planta de Fukushima, relata a revista ScienceAlert .
Não é o primeiro caso de irregularidades na natureza após o desastre de Fukushima, que foi severamente danificada pelo tsunami brutal registrado em 2011.
O ano passado um estudo verificou que o tamanho da população local, borboleta foi reduzido, além de ter registado uma elevada taxa de mortalidade e alterações morfológicas após a catástrofe.
Embora a radiação poderia explicar o que aconteceu com margaridas na região, há outras razões para sugerir que este tipo de distorção pode ser devido a causas naturais.Fasciação também pode provocar mutações na flor.
FONTE:

Via: http://illuminatielitemaldita.blogspot.com.br/2015/07/crescem-estranhas-margaridas-mutantes.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+IlluminatiAEliteMaldita+(ILLUMINATI:+A+ELITE+MALDITA)&utm_content=Netvibes

Postagens mais visitadas deste blog

Porquê tomar o Cloreto de Magnésio P.A.?

Homem constrói rádio chamado ''espírito de Tesla'' adivinha o que acontece quando ele é ligado? Assustador...

ÍNDIA - Cientistas Criam Cruza de Humano com Gorila, Nascendo Bebê Híbrido!!

Você já percebeu seu olho pulsando? Saiba o motivo disso acontecer

Cérebro Quântico: Somos computadores quânticos biológicos?

As Digitais dos deuses – A Cidade dos deuses

O que se esconde em nossas impressões digitais

Caminhoneiros param o Brasil e prometem manter a greve até que Dilma renuncie

Especialistas explicam como identificar a depressão e previnir suicídios entre os adolescentes