NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO

terça-feira, 31 de março de 2015

“O Brasil tem um pré-sal de urânio a explorar’, diz novo presidente da INB “

RIO – O Brasil possui atualmente, segundo dados da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) a sétima maior reserva de concentrado de urânio do mundo, de 309 mil toneladas. Considerando as reservas ainda não exploradas, o país tem potencial para alcançar a primeira posição deste ranking nos próximos anos, de acordo com o novo presidente das Indústrias Nucleares do Brasil (INB), Aquilino Senra, nomeado na semana passada.
Formado em Física na Uerj, Senra fez mestrado e doutorado em Engenharia Nuclear na UFRJ, onde estava lotado como vice-diretor da Coordenação de Pós-Graduação em Engenharia (Coppe) e é considerado uma das principais autoridades do país no assunto. Para que o Brasil avance, no entanto, ele diz que é necessário não só ampliar a extração do minério, atualmente restrita à mina de Caetité, na Bahia, mas também as outras etapas do processo de beneficiamento até chegar ao combustível atômico de fato.
— O Brasil tem um “pré-sal de urânio” por explorar, em termos de potencial energético. Mas, assim como no pré-sal de petróleo, existe uma diferença entre ter as reservas e elas serem de fato exploradas. Isso exige recursos e tempo — pondera.
Segundo dados das INB, os investimentos necessários até 2020 são de R$ 2,42 bilhões, sendo 64% (R$ 1,55 bilhões) destinados à fase do enriquecimento do material, ou seja, a separação dos átomos de maior potencial energético (U235) dos átomos comuns da substância (U238) por meio de centrífugas.
Por que a mudança na diretoria das Indústrias Nucleares do Brasil?
A INB é uma empresa mista, vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, e a mudança é normal. Em toda e qualquer empresa se busca o aperfeiçoamento. Se houve outros motivos, não sei. A diretoria é toda de técnicos especializados, “da casa”. O forasteiro sou eu, mas tenho muito contato com o setor nuclear devido à minha formação.
Como vê o quadro atual do setor no país?
Minério nós temos. O que precisamos é alocar recursos para atender à demanda. Nós temos um pré-sal em termos de riqueza energética com as reservas de urânio. Nesse quesito, o Brasil hoje está atrás de Austrália, Cazaquistão, Rússia, África do Sul, Canadá e Estados Unidos. Isso é o que tem prospectado. Mas, no caso do Brasil, apenas cerca de 25% do território nacional foi prospectado. A tendência é o Brasil ir para o primeiro lugar dessa lista.
O que precisa ser feito para isso?
Uma coisa é ter as reservas, outra coisa é ser capaz de explorá-las. Com o petróleo é assim, e com o urânio não será diferente. Tem o custo das obras em si, fora o licenciamento ambiental.
O objetivo é abastecer apenas o mercado interno?
Os planos da China são de aumentar sua capacidade de produção de energia nuclear de 7 giga-watts para 80 giga-watts em dez anos. Isso vai demandar minério e serviços de beneficiamento de todo o mundo. Só que o primeiro reator da Coreia do Sul, por exemplo, é “irmão gêmeo” do reator de Angra 1. Hoje, eles lá tem 21 e nós ainda não terminamos o terceiro.
O Brasil ficou para trás?
O Brasil tinha uma política de geração de energia com forte base nas hidrelétricas, que acabou sendo impactada pela falta de reservatórios, com a construção das usinas de fio d’água. Houve uma indefinição sobre qual seria o tamanho do programa nuclear brasileiro nas décadas passadas, e não se fez os investimentos necessários. Hoje, a INB importa os materiais para a construção de Angra 3.
Quais serão as prioridades na INB?
É preciso definir, e isso é uma discussão que tem que ser retomada com todo o setor e todos os níveis do governo, o quanto de energia nuclear vai compor a matriz energética brasileira (atualmente, a parcela é de 2,7%). Um ponto fundamental no programa nuclear brasileiro é aumentar a produção do minério de urânio. A extração não está sendo feita na dimensão que precisa. O Brasil tem reservas de 309 mil toneladas de pasta de urânio (chamada de yellow cake, “bolo amarelo”, é um processado do minério que precisa ser transformado em gás para a separação dos isótopos mais “valiosos” energeticamente, depois reconvertida em pastilhas, usadas então como combustível nas usinas nucleares).
E o nível de consumo atual?
Angra 1 e Angra 2 consomem hoje o equivalente a cerca de 400 toneladas por ano, que é a capacidade máxima da Mina de Caetité, que tem reservas de 94 mil toneladas. É preciso ampliar Caetité para 800 toneladas por ano e, ainda, começar a exploração da nova mina (de Santa Quitéria, no Ceará), que tem mais 91 mil toneladas estimadas em reservas, e adicionaria 400 toneladas por ano.
O país precisa evoluir mais no processamento do urânio?
O acordo com a Alemanha, na década de 1970, previa uma transferência de tecnologia que nunca se efetivou. A tecnologia de enriquecimento só nove países dominam. É coisa que não se vende nem se transfere. E dos nove que detêm a técnica de beneficiamento, apenas três possuem reservas do minério e usam efetivamente a energia nuclear: Brasil, Estados Unidos e Rússia. O Brasil precisa ainda ampliar as instalações para as etapas intermediárias do processamento, da transformação da pasta de urânio nas pastilhas de combustível. Mesmo assim, o país conseguiu construir seu programa nuclear, sem alarde, diferentemente do Irã, por exemplo.
Mas isso porque sinalizou o uso pacífico desde o início.
Exato. Esse uso pacífico virou até artigo na Constituição de 1988. E o Brasil também foi rápido em assinar o Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares.
Além da eletricidade, que aplicações práticas da energia nuclear têm se destacado?
Uma das principais é a produção dos chamados radioisótopos, que hoje em dia são fundamentais para cerca de 750 mil exames e procedimentos médicos por ano. Antes, para identificar um problema coronariano, por exemplo, a pessoa era submetida de imediato a um cateterismo, que é invasivo. Hoje, com os radioisótopos, é possível verificar se há ou não necessidade do cateterismo. Também são usados no tratamento de câncer. Antes, era uma fonte de cobalto, que afetava outras áreas do corpo além da que se localizava o tumor. Os radiosótopos minimizam os danos aos tecidos saudáveis dos pacientes.
Ainda assim, o público continua a associar energia nuclear a bombas atômicas e acidentes em usinas.
O lançamento das bombas de Nagasaki e Hiroshima, na Segunda Guerra Mundial, se “colou” à imagem da energia nuclear. Mas, atualmente, cerca de 16% de toda a eletricidade gerada no planeta tem fonte nuclear. É a eletricidade usada por mais ou menos um bilhão de pessoas. É a única forma de geração de energia que não emite gases estufa. Houve três acidentes em usinas em toda história da energia nuclear: Three Mile Island (EUA, 1979), Chernobyl (Rússia, 1986) e Fukushima (Japão, 2011). Os benefícios, a meu ver, são claramente superiores aos riscos. Mas o acidente de Fukushima, em 2011, decretou uma espécie de moratória na discussão dos projetos. Nomes importantes do movimento ambiental, como Patrick Moore (fundador do Greenpeace) e James Lovelock (do Gaia Theory) vinham revisando seus conceitos sobre a energia nuclear, mas aquelas imagens chocantes reapareceram.
E quanto ao lixo radioativo?
O depósito desses rejeitos requer uma preocupação especial, sem dúvida. Os ambientalistas têm se posicionado sobre o significado de um legado desses para gerações futuras. E têm que se posicionar mesmo. Não só quanto a essas mas quanto a outras questões. Mas existem soluções técnicas. O físico Carlo Rubia, vencedor do prêmio Nobel, propôs um processo que reduz o tempo de atividade deste material de milhares de anos para 200 anos. Nomes importantes do movimento
Mesmo assim, são 200 anos…
Ainda parece muito, e é, mas trata-se de um prazo mais manejável, em uma perspectiva de longo prazo.
Fonte: O Globo

Via: 
http://noticia-final.blogspot.com.br/2015/03/o-brasil-tem-um-pre-sal-de-uranio.html
NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO

Disso Você Sabia ? no Facebook