Seja Bem Vindo
NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO

Siga este Blog

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Paralisações em diversos setores da economia atingem indústrias do país

Por causa da greve dos caminhoneiros, Fiat liberou 6 mil trabalhadores. Justiça é acionada para dar fim aos bloqueios

Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press
As filas de caminhões foram vistas em diversos trechos da Rodovia Fernão Dias, desde domingo
Uma onda de manifestações, greves e demissões de trabalhadores toma conta do país. Nesta terça-feira, caminhoneiros mantêm interdição em pelo menos oito trechos de BRs mineiras. O protesto se estende por mais de 48 horas e impede a passagem de veículos de carga. Somente carros menores e ônibus têm a circulação liberada. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF) os pontos de interdição estão na BR-381, em Igarapé, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, Oliveira e Perdões, na BR-262, em Juatuba, na Grande BH, e Realeza, distrito de Manhuaçu, Zona da Mata, na BR- 040, em Nova Lima e Congonhas, Região Central, além da BR-116, também em Manhuaçu. Há interdição ainda na MG-050, entre Itaúna e Divinópolis, no Centro-Oeste. Além de Minas Gerais, seis estados enfrentam protestos, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, no Paraná, em Santa Catarina e Rio Grande do Sul e Goiás com bloqueios em rodovias, nesta terça-feira.

Ontem, diversas rodovias foram bloqueadas por caminhoneiros que protestam contra alta de combustíveis, e servidores públicos e empregados terceirizados cruzaram os braços em busca de reajustes salariais. Para piorar a situação, trabalhadores da indústria automotiva foram dispensados ou obrigados a tirar férias e empresas envolvidas no escândalo de corrupção da Petrobras continuam a fechar vagas porque alegam que não recebem recursos para honrar os compromissos.

O governo acendeu o sinal de alerta com os problemas espalhados por todas as regiões do Brasil (veja quadro). Para analistas, a tendência é que a situação se agrave, já que o país está mergulhado em uma recessão. Eles avaliam que o baixo crescimento da economia e a inflação em alta devem acelerar o processo de demissões, que resultará no aumento do desemprego. E as pressões contra as medidas tomadas pelo Executivo para ajustar as contas públicas também são criticadas. Em sete estados do país, caminhoneiros cruzaram os braços, mas a Advocacia-Geral da União (AGU)ingressou com ações na Justiça Federalcom o intuito de suspender os bloqueios nas estradas.

Saiba mais

Os trabalhadores reclamam que o preço dos combustíveis aumentou e o dos fretes permanece inalterado. Os motoristas profissionais ainda reivindicam queda no valor dos pedágios, melhores condições nas rodovias do país e tributação diferenciada no transporte de cargas.

Fiat libera 6 mil trabalhadores

Com o tráfego de caminhões interrompidos, diversas empresas foram afetadas. Na fábrica da Fiat, em Betim, os trabalhadores do segundo e terceiro turno foram liberados nesta terça-feira - pelo segundo dia consecutivo - devido às perspectivas de falta de peças para a montagem de carros. São cerca de 6 mil funcionários dispensados. Considerando que a planta produz aproximadamente 3 mil carros diariamente, a paralisação dos dois turnos faz com que pelo menos 2 mil veículos deixem de ser produzidos por dia.

Na segunda-feira, cerca de 6 mil trabalhadores do segundo e do terceiro turnos já tinham sido liberados. Segundo a Fiat, eles estão sendo dispensados porque o protesto impediu que as autopeças e componentes utilizados na fabricação de veículos chegue no horário programado. A fábrica de Betim está localizada na BR-381 (rodovia Fernão Dias), principal ligação entre São Paulo e Belo Horizonte. A unidade fica em uma região de alta concentração industrial, próxima à refinaria Gabriel Passos da Petrobras.

A Fiat afirma que está monitorando o protesto, "na expectativa de que a situação se normalize", para decidir quando os trabalhadores devem voltar. A montadora informou que os funcionários do turno da noite (23h-5h) estão "mobilizados" para irem trabalhar nesta terça-feira, caso a situação das rodovias melhorem ao longo do dia. A empresa não descarta ter que dispensar os colaboradores novamente amanhã.

Ceasa No entreposto da Ceasa em Contagem, o fluxo de mercadorias ainda não tinha sido afetado pela paralisação, mas técnicos fazem o levantamento para mensurar a situação. Segundo nota da central de abastecimento divulgada hoje, "uma análise mais precisa dos eventuais impactos da entrada de mercadorias deverá ocorrer após o mercado da manhã desta quarta-feira, quando a movimentação volta a ser mais mais intensa". No mercado dessa segunda-feira, a entrada de mercadorias se deu normalmente, não comprometendo o abastecimento de produtos.

O diretor de expansão, sustentabilidade e agropecuaria da BRF, Luiz Stabile, relatou que sem a circulação de caminhões para o transporte de carga, a companhia foi obrigada a interromper as atividades em dois frigoríficos. Em um deles são abatidos diariamente 700 mil frangos e no outros além de 300 mil aves, 40 mil perus. “Isso afeta os produtores rurais pequenos que terão prejuízos. Além disso, há uma ameaça sanitária porque, com exposição dos muitos animais a doenças”, disse. O presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, detalhou que uma única companhia deixou de processar 1,5 milhão de litros de leite e está com 100 contêineres vazios em um porto porque não consegue fazer a mercadoria chegar ao local com a greve dos caminheiros. Ele detalhou que o setor movimenta R$ 220 milhões por dia e fatura US$ 27 milhões com exportações, mas acumulará prejuízos com a paralisação dos motoristas profissionais.

Em Minas, os manifestantes interromperam o trânsito de pelo menos quatro rodovias do estado – as BRs 381, 262 e 040, além da MG-050. Na BR-381, a manifestação iniciada no domingo prosseguiu ontem em outros pontos da rodovia. Caminhoneiros impediram o trânsito em Igarapé, Oliveira e Perdões. Somados, os congestionamentos da Fernão Dias totalizaram quase 40 quilômetros. Na BR-262, em Juatuba, a paralisação interrompeu o fluxo no km 368, formando uma fila de mais de quatro quilômetros. No início da noite, o movimento chegou à BR-040, em pontos no município de Nova Lima e de Contagem. No Norte de Minas, houve o início de uma paralisação na BR-365, ligação com o Triângulo Mineiro. No entanto, sem adesão maciça, o movimento se desfez.

Segundo o presidente do Sindicato Interestadual dos Caminhoneiros, José Natan, a paralisação reflete o “estado de desespero” da categoria. Ele alega que os seguidos reajustes de combustível não foram incorporados ao valor do frete integralmente por uma parcela dos clientes. Isso tornou insustentável o custeio de uma parcela das transportadoras e de caminhoneiros autônomos. “O frete já estava pela hora da morte. Agora tem empresa que não conseguiu quitar o IPVA.”.

Natan diz ter havido redução de até 30% no valor pago no transporte de grãos e minérios devido à desaceleração do preço de commodities. O vice-presidente da Confederação Nacional dos Caminhoneiros, Carlos Alberto de la Rosa, pede que o governo refaça a planilha do preço do frete por quilômetro rodado. “A categoria quer se reunir com o governo para definir uma política. Os caminhoneiros estão sem condição de rodar.”

Outros tempos

Repetindo o formato da paralisação de julho de 2012, quando caminhoneiros pararam devido ao alto custo do óleo diesel e à entrada em vigor da Lei do Motorista, o movimento não tem uma liderança clara. Sindicatos negam serem os responsáveis. O presidente da Federação das Empresas de Transportes de Carga do Estado de Minas Gerais (Fetcemg), Vander Francisco Costa, critica a situação e diz buscar entender quais são as reivindicações. Ev condena a paralisação do fluxo nas rodovias. “É abusiva. Estão parando até cargas perecíveis”, acusa. Segundo ele, a entidade já acionou o Ministério Público Federal para acionar judicialmente o movimento para tentar desobstruir a pista.

O representante da Associação Brasileira dos Caminhoneiros, filiada à Confederação Nacional dos Transportes (CNT), José da Fonseca, afirma haver certo tom político na manifestação. “Não são caminhoneiros autônomos. É uma manifestação iniciada por frotistas. Estão usando os caminhoneiros”, afirma.

Manifestações a rodo
Veja as categorias que estão de braços cruzados, os serviços suspensos e as demissões
Sudeste
Caminhoneiros de Minas Gerais:
Trabalhadores fecharam parte da rodovia Fernão Dias, principal ligação entre Minas e São Paulo, protestando contra o aumento do preço dos combustíveis

Garis de Vila Velha (ES):
Trabalhadores protestam contra a demissão de 200 funcionários. Com as dispensas, apenas 600 pessoas fazem o trabalho no município de 450 mil habitantes

Metalúrgicos de Taubaté (SP):
A Volkswagen deu férias coletivas de 20 dias para 250 empregados. O terceiro turno de trabalho na fábrica foi suspenso

Metalúrgicos de São José dos Campos (SP):
Funcionários da General Motors (GM) entraram em greve após a companhia dispensar 794 trabalhadores. Uma reunião entre as partes está marcada para às 15h30 de hoje, no Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, em Campinas (SP)

Metalúrgicos de São Bernardo do Campo (SP):
A Ford afastou 420 empregados, por tempo indeterminado. A empresa afirma que a medida visa adequar a produção à realidade de mercado, já que a demanda por veículos e caminhões despencou em 2015

Metalúrgicos de Resende (RJ):
A MAN, fabricante de caminhões e ônibus da Volkswagen, deu férias coletivas de 10 dias para todos os empregados


Caminhoneiros do Paraná:
No estado, 20 rodovias estão fechadas entre as cidades de Cascavel, Curitiba e Guarapuava. Além de criticar os preços dos combustíveis, a categoria pede fixação do frete por quilômetro rodado e carência de seis meses a um ano para os financiamento de veículos de carga

Caminhoneiros de Santa Catarina:
Cinco rodovias no estado estão bloqueadas. Os manifestantes pedem a queda no preço do diesel e melhores condições nas estradas da região. Por causa dos bloqueios, 100% da coleta de leite pode ser interrompida

Caminhoneiros do Rio Grande do Sul:
Seis pontos de rodovias federais e outros sete de rodovias estaduais foram bloqueados. Alguns caminhoneiros colocaram fogo em pneus nos acostamentos da estradas. Eles criticam os valores de combustíveis e pedágios e a tributação no transporte de cargas

Motoristas e cobradores de Blumenau (SC):
Trabalhadores do setor de transporte coletivo da cidade paralisaram o trabalho para que medidas de segurança sejam implantadas pelo município

Professores municipais de Foz do Iguaçu (PR):
Os educadores cruzaram os braços para que a prefeitura implante o plano de carreira e dê melhores condições de trabalho. Pelo menos 1 mil alunos estão sem aula na cidade

Servidores do Departamento de Trânsito do Paraná:
Centenas de funcionários param contra o pacote de medidas de austeridade que está em discussão no legislativo paranaense

Metalúrgicos de Rio Grande (RS):
Mais de 1,8 mil trabalhadores foram dispensados de um estaleiro que construía plataformas para a Petrobras desde que quatro empresas foram citadas na Operação Lava-Jato

Norte
Policiais civis de Tocantins:
Os servidores decidiram cruzar os braços a partir de amanhã, por tempo indeterminado. Eles cobram reajuste de salário

Servidores do Procuradoria da República no Acre:
O funcionalismo reclama que não tem ganho real salarial há nove anos

Trabalhadores terceirizados da Petrobras em Manaus (AM):
Mais de 800 prestadores de serviço à petroleira foram dispensados desde que a operação Lava-Jato foi deflagrada pela Polícia Federal

Nordeste
Servidores do Tribunal de Justiça do Piauí:
Alegam que não receberam o reajuste de 10% que havia sido acordado em junho do ano passado com a presidência da Corte. Dos mais de 2 mil servidores, 90% aderiram à greve

Servidores da Prefeitura de Maceió (AL):
Trabalhadores estão de braços cruzados e cobram reajuste de 14%

Metalúrgicos de Maragogipe (BA):
Um estaleiro que construía embarcações para a Petrobras dispensou mais de 2 mil trabalhadores nos últimos quatro meses. As três empresas donas do consórcio foram citadas na Operação Lava-Jato e estão com problemas financeiros

Metalúrgicos da Refinaria Abreu e Lima (PE):
Com as denúncias de corrupção e superfaturamento de obras no complexo petroquímico, 4,6 mil trabalhadores foram demitidos

Metalúrgicos do Comperj de Ibatoraí (RJ):
Mais de 4 mil trabalhadores perderam os emprego desde que a Polícia Federal deflagrou
a Operação Lava-Jato

Centro-Oeste
Caminhoneiros do Mato Grosso:
Os motoristas bloquearam trechos das BRs 163 e 364. Eles tentam impedir, há quase uma semana, que os veículos de cargas façam o escoamento da produção agrícola

Caminhoneiros do Mato Grosso do Sul:
Dois trechos da BR-163, em Dourados e em Fátima do Sul, estão bloqueados. As manifestação podem durar até que as principais reivindicações da categoria sejam atendidas

Caminhoneiros em Goiás:
Um protesto interdita a BR-364, no perímetro urbano de Jataí. A rodovia é uma das principais rotas de escoamento de grãos, e liga Goiás ao Mato Grosso

Professores da rede pública do Distrito Federal:
Os educadores querem que os salários sejam pagos integralmente e não parcelados, como definiu o governo (Com Agênicias)
http://www.em.com.br
Via:  http://undhorizontenews2.blogspot.com.br/2015/02/e-os-componentes-de-uma-crise-se.html
NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO

POSTAGENS MAIS VISITADAS

Disso Você Sabia ? no Facebook