Siga este Blog

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Um dos jornais mais conceituados do mundo cita estádio brasileiro como campeão de gastos absurdos e superfaturamento


Publicado por 
Washington Post, divulgou matéria sobre gastos com a Copa do Mundo relatando alguns gastos, que são absurdos até para um leigo que os analise. A matéria citou com atenção especial, o estádio Mané Garrincha, em Brasilia, local que nem se quer tem um grande time de futebol ou uma grande competição, o que fará o estádio ficar quase que inutilizado após a Copa. Um fato, no mínimo curioso apresentado pela matéria foi a análise feita, apresentando este estádio como o segundo mais caro de todos os tempos.
Outro dado muito interessante levantado pela matéria, foi o levantamento feito por uma auditoria independente quanto ao valor gasto com o transporte das arquibancadas pré-fabricadas, para o estádio. O levantamento constatou que o valor estimado de gastos ficou em torno de US$ 4,7 mil (Cerca de R$ 10,5 mil), no entanto o valor que foi efetivamente gasto com este processo foi(PASMEM) de R$ 1,5 milhão. Para ter acesso a matéria na integra, clique aqui.
Realmente a imagem do Brasil no exterior não está nada boa, quem não se lembra dos jornalistas que foram convidados pelo governo brasileiro para vir ao Brasil falar bem do país para os tabloides internacionais, e foram roubados aqui. Governos estão alertando seus turistas sobre o perigo de se vir ao Brasil, protestos já tomam conta do país, mais de 500 mil funcionários públicos ameaçam fazer greve durante a Copa. Tomara que o povo não seja mais prejudicado com tudo isso do que já está sendo com rios do seu dinheiro que não estão sendo aplicados no que realmente interessa, senão estádios superfaturados.

Como o Establishment dos EUA quer Apresentar o que Acontece na Ucrânia

Atualmente, o establishment (estrutura de poder financeiro, econômico, político e midiático) norte-americano, ou seja, o 1% que governa o país (com a assistência de outros 9%), está tentando criar uma leitura do que está acontecendo na Ucrânia, onde a responsabilidade pelas tensões – que poderiam desembocar em um conflito mundial – é das aspirações imperialistas da Rússia, presidida pelo sr. Putin, quem a ex-secretária Hillary Clinton e o senador John McCain definiram como o novo Hitler. E mostram a anexação da Crimeia como uma prova irrefutável disso. E os maiores meios de comunicação espanhóis, conhecidos por seu servilismo e docilidade com esse establishment midiático, reproduzem, sem fissuras, tal percepção.

Vamos por partes, começando pela equiparação de Putin a Hitler. Primeiramente, é preciso destacar, como bem afirma o professor Floyd Rudmin (de família ucraniana, certamente), da Universidade de Tromsø, na Noruega, em seu artigo “Viewing the Ukraine Crisis From Russia’s Perspective”, do qual tiro muitos dos dados que apresento neste artigo, o establishment norte-americano (a partir de agora EUA-NSA) sempre chamou seus adversários de Hitler. Hillary Clinton definiu Assad como Hitler, John McCain chamou Fidel Castro de Hitler, George Bush fez o mesmo com Saddam Husein Donald Rumself também chamou o presidente Chávez, da Venezuela, de Hitler. No passado, figuras dos EUA chamaram de Hitler o presidente Allende, do Chile, Ortega (Nicarágua), Arafat (Palestina)... e uma longa lista de dirigentes. E o último da lista é o sr. Putin.



Classificar o presidente da Rússia como Hitler já alcança nível recorde, mostrando o grau de ignorância e de insensibilidade dos EUA, pois foram a Rússia e as outras repúblicas da União Soviética que derrotaram Hitler. Ao contrário do que Hollywood mostrou, as tropas nazistas foram derrotadas predominantemente pelas tropas da União Soviética e não pelas dos Estados Unidos. Aqui estão os dados que comprovam.

Em 1941, Hitler criou o maior exército que já existira na Europa, com 3.2 milhões de soldados alemães e 500 mil soldados da Itália e da Romênia. Esse exército invadiu a Rússia e o resto da União Soviética. Nunca conseguiu conquistar Moscou, nem Leningrado, nem Stalingrado, nem os campos de petróleo do Mar Cáspio. As mortes russas e soviéticas foram enormes. Foram 13 milhões de soldados e mais de 20 milhões de civis. Somente na localidade de Leningrado houve 1.2 milhões de civis e 200 mil soldados mortos. Em contrapartida, o número de mortos norte-americanos durante toda a Segunda Guerra Mundial foi de 418 mil soldados e apenas dois mil civis.
Foram a União Soviética e o Exército Vermelho que primordialmente derrotaram Hitler e o nazismo, como bem lembrou Winston Churchill. Depois da derrota nazista em Stalingrado em fevereiro de 1943 e na batalha de Kursk em agosto do mesmo ano, a Alemanha começou a perder a guerra. O dia da vitória final aconteceu apenas um ano depois. Ao terminar o conflito, 90% de todos os mortos causados pelo Exército nazista eram cidadãos soviéticos, russos em sua maioria. O fato de os EUA chamarem atualmente o presidente da Rússia de Hitler rebaixa qualquer fronteira da decência que deveria vigorar inclusive entre adversários. Os EUA exerceram um papel menor na derrota de Hitler na Europa (sua maior contribuição foi no Pacífico).

Quem é mais imperialista?

Se analisarmos o mapa de bases militares no mundo, podemos ver que existem bases militares norte-americanos por todo o globo, especialmente ao redor da Rússia e da China. Não há bases militares russas ao redor dos EUA e há muito poucas fora da Rússia. São dados fáceis de comprovar. Quem tem, portanto, mais anseio de expandir seu peso militar e sua influência? Não há dúvidas de que o governo federal dos EUA é o mais expansionista.

Na verdade, um dado deliberadamente ignorado na mídia norte-americana é que, quando o então presidente da União Soviética, o sr. Gorbachev, aceitou a reunificação da Alemanha, o fez com uma condição – aceita pelos EUA (governo de George H. W. Bush) e pela Alemanha (chanceler Kohl, pai da unificação alemã) - que a OTAN não se expandisse para o Leste, o que não foi respeitado.

Expandiu-se, na verdade, para cercar ainda mais a Rússia. E, conforme conversas telefônicas interceptadas e publicadas registraram, havia um plano (explicitado por Victoria Nuland e Geoffrey Pyatt) do Departamento de Estado para trocar o governo democraticamente eleito da Ucrânia por um governo títere (como já aconteceu).

Não é, portanto, surpreendente que o governo russo, no recente Tratado de Genebra, ressalte a necessidade de a Ucrânia não se transformar em membro da OTAN, o que continua sendo um desejo dos EUA. Conforme afirma o professor Rudmin, a Rússia foi invadida constantemente em sua história, sendo a última delas a invasão nazista. Os EUA nunca sofreram uma invasão em seu território.

E por último, está a anexação da Crimeia como mostra do suposto imperialismo russo. E a melhor maneira de responder a essa suposta prova de imperialismo soviético é olhar para a própria história dos EUA. Em 1835, os norte-americanos (camponeses em sua grande maioria) que estavam no território mexicano do Texas, sentiram-se ameaçados pelo governo mexicano, governo do Estado a que pertenciam. Tal ameaça forçou que esses cidadãos pedissem a independência e negociassem mais tarde sua anexação aos EUA. O governo dos EUA deveria se lembrar de sua história e, portanto, compreender que, se os cidadãos russos da Ucrânia se sentiram ameaçados quando o novo governo da Ucrânia liderou um golpe contra um governo corrupto – mas democraticamente eleito – e tomou medidas ameaçadoras contra a população russa, eles se tornaria independente e pediria depois sua anexação e união à Rússia. Na realidade, a Crimeia já havia sido russa durante 170 anos, o que explica ainda mais seu desejo de união com a Rússia.

Bem, encerro acrescentando um pedido. Que o leitor distribua amplamente meus artigos sobre a Ucrânia (“Lo que no se está diciendo sobre Ucrania”,  “Lo que no se está diciendo sobre Ucrania. Parte II”; “Las falsedades de los mayores medios españoles en su cobertura de Ucrania”; e “El silenciado movimiento de tropas estadounidenses cerca de Ucrania”, visto que a falta de diversidade dos meios de comunicação explica que se esteja criando uma histeria que pode nos levar a uma Terceira Guerra Mundial. Acreditem em mim, pois isto é possível. Daí a necessidade de a população se informar, o que não está acontecendo. Por favor, façam isso!

(*) Vicenç Navarro é Catedrático de Políticas Públicas da Universidade Pompeu Fabra e Professor de Políticas Públicas da Universidade Johns Hopkins.

Leia mais:




FMI vai à Guerra na Ucrânia








Como a Crise Ucraniana Pode Derrubar o Império Anglo-Sionista




Fontes:
Carta Maior: Como o establishment dos EUA quer apresentar o que acontece na Ucrânia
Blog de um sem mídia: Geopolítica - Ucrânia
- Counter Punch: Viewing the Ukraine Crisis From Russia’s Perspective
- Público: Lo que no se está diciendo sobre Ucrania
- Vicenc Navarro: Lo que no se está diciendo sobre Ucrania. Parte II
- Vicenc Navarro: Las falsedades de los mayores medios españoles en su cobertura de Ucrania
- Público: El silenciado movimiento de tropas estadounidenses cerca de Ucrania

Leia mais: http://www.anovaordemmundial.com/2014/05/como-o-establishment-dos-eua-quer-presentar-o-que-contece-na-ucrania.html#ixzz31uOVwilw

Caminho para a Marca da Besta: Palma da mão e quatro dígitos ameaçam cartões bancários

Os cartões bancários podem tornar-se muito em breve uma mera relíquia de coleção. Um grupo de estudantes da Universidade de Lund, na Suécia, criou uma forma de pagamento biométrico que permite pagar só com a palma da mão. Tudo o que precisa é pressionar a palma da mão no aparelho, inserir os últimos quatro dígitos do seu “telefone inteligente” e o pagamento estará feito. 

Intitulado Quixter, o projeto é da autoria do estudante de engenharia Fredrik Leifland. O objetivo era criar uma forma mais rápida de pagamento e evitar a clonagem dos cartões. “Tive esta ideia quando estava numa fila de espera para pagar num restaurante. Percebi que a maior parte da demora da compra se devia ao pagamento. Entendi que deveria haver uma forma mais rápida de o fazer. Aí começou o Quixter”, revela-nos Leifland. 

O processo de pagamento recorrer a um “scanner” de infravermelhos que lê a estrutura de veias na mão da pessoa que vai pagar para identificação. Esta estrutura do corpo humano é única para cada pessoa. 

A própria tecnologia, porém, não é nova. No Japão já é usada há muitos anos no acesso a registo médicos e o sistema é largamente utilizado para identificar pessoas. Mas o Quixter reclama o título de primeira empresa a usar essa tecnologia como forma de pagamento. Os estudantes que o têm utilizado à experiência estão satisfeitos. 

“É muito útil e não temos de andar sempre com dinheiro atrás. No campus, quase não há terminais de multibanco, por isso é ótimo poder pagar usando apenas a minha mão. É muito rápido”, garante uma estudante. 

Leifland defende que este sistema da palma da mão é mais seguro do que uso de impressões digitais. Com o uso, caberá, contudo, aos utilizadores decidir se a tecnologia é realmente rápida e de fácil utilização.

Veja o Video:


Fonte: Euro News

Inédito: Mídia Brasileira Publica sobre a Geo-engenharia, Bill Gates, Controle Populacional e Monsanto


Por: Oberon de Mello Site: Chemtrails Brasil

Neste dia 15 de Maio de 2014 o Diário do Estado, um dos maiores jornais do estado do Mato Grosso do Sul publicou uma reportagem sobre a geo-engenharia e suas relações com a neo-aristocracia global. Foram abordadas questões sobre o lobby climático incentivado por empresas como Bill e Melinda Gates, e o controle alimentício global comandado por empresas como a Monstanto. 

É uma satisfação ver que pelo menos uma mídia brasileira está finalmente abordando assuntos que dizem respeito à verdadeira conjuntura geopolítica mundial. Enquanto o Brasil adormece dentro de sua bolha, vivendo num passado aonde ainda se acredita, por exemplo, que o Green Peace é uma ONG caridosa, pessoas dentro da mídia começam a despertar para a realidade do mundo atual, e lutar pela sua divulgação. Lutar para que todas as pessoas no mundo saibam o que realmente está se passando ao nosso redor. 

O Artigo foi escrito por mim e reeditado pelo jornalista Walter Luiz, para adaptá-lo ao jornal impresso. O texto original é maior, e será postado abaixo em sua versão original. Setarei postando também as fotos escaneadas do jornal impresso que está circulando nas ruas.

In this May 15, 2014, the State Daily, a major newspaper in the state of Mato Grosso do Sul published a story about geo-engineering and its relationship with the global neo-aristocracy. Questions about the climate lobby encouraged by companies such as Bill and Melinda Gates, and global food control driven by companies like Monstanto were addressed. 

We are pleased to see that at least one Brazilian media is finally addressing issues that relate to the real world geopolitical environment. While Brazil falls asleep inside his bubble, still living in the past where it is believed, for example, that the Green Peace is a charitable NGOs, people in the media are beginning to awaken to the reality of today's world, and fight for their disclosure. Fight for all people in the world know what is really going on around us. 

The article was written by me and reissued by journalist Walter Luiz, to adapt it to the printed newspaper. The original text is larger, and will be posted below in its original version. I will also be posting photos scanned the printed newspaper that is circulating on the streets. 

Segue o artigo: 

Apesar de não ser de conhecimento público, a manipulação climática já é uma realidade nos dias de hoje. Trata-se de um projeto global de engenharia climática conhecido como SAG (Geo-engenharia Estratosférica de Aerossóis). Tal projeto está em curso desde meados do ano 2000. Por volta de 2012 a ação da geo-engenharia chegou aos países em desenvolvimento, em especial o Brasil.

Moradores de diversos estados brasileiros, tal como o estado de Santa Catarina, estão desde essa data reportando a ação da geo-engenharia nos céu do estado. A olho nu o que se vê é uma série de aviões, aparentemente comerciais, que lançam em regiões altas do céu trilhas brancas, semelhantes às trilhas de condenação habitualmente geradas pelas turbinas quentes de aviões comerciais.

No entanto, tais trilhas não se comportam como as trilhas de condensação. Elas permanecem no céu por varias horas, se expandem e se transformam em nuvens artificiais. Tais nuvens, em quantidade no mundo todo geram o que conhecemos como albedo artificial, ou seja, enormes áreas que refletem a radiação solar de volta ao espaço, causando assim o resfriamento do planeta.

Pois bem, é nesse ponto que surge a pergunta: Quem estaria financiando este mega projeto global de gerenciamento de radiação solar e manipulação climática, e com que propósito?

Para respondermos esta pergunta devemos nos empenhar aqui em uma análise profunda sobre a atual conjuntura geopolítica global. Infelizmente o Brasil se encontra hoje em um déficit intelectual que ultrapassa cinquenta anos. Estamos vivendo em uma mentalidade ultrapassada, que condiz muito bem com a realidade geopolítica dos anos quarenta, mas que em nada se equipara à atual conjuntura de nosso mundo pós-moderno.

Nada chega de fato ao Brasil, e quando chega, vem de forma distorcida. Por exemplo: O que o brasileiro entende por Establishment na verdade não condiz com a realidade atual dos fatos. Normalmente associa-se o Establishment ao imperialismo norte americano, e daí surge aquela mentalidade ultrapassada de que o capitalismo norte americano é o vilão do mundo e o socialismo comunista é mocinho.

Este tipo de pensamento é atrasado. Lá fora, no primeiro mundo, as concepções são outras. O que se pensa aqui, por exemplo, é que George W. Bush (na época) representava o imperialismo norte americano, e seu rival Kerry, um mundo mais igualitário e com dignidade para os países em desenvolvimento.

No entanto, uma análise mais detalhada nos revela que, por incrível que pareça, os investidores de Kerry eram, e até hoje são mega corporações como a Ford, o Instituto Rockefeller e a Fundação Macarthur. Daí surge a pergunta: Por que temos instituições capitalistas investindo no socialismo? Para a mentalidade atrasada do brasileiro, inclusive dos acadêmicos, isso parece ser uma contradição sem explicação.

Mas no momento em que se começa a compreender o atual estado das coisas, o enigma se dissolve facilmente. O verdadeiro Establishment é composto hoje por uma espécie de neo-aristocracia global que transcende a própria condição capitalista e socialista. Tanto o modelo capitalista quanto o socialista servem de meios para este grupo privado alcançar suas metas.

E a meta final é o total controle, o poder absolutista global. É por isso que hoje vemos inúmeros movimentos socialistas serem sustentados por investimento privado oriundos de multinacionais capitalistas.

O establishment é composto então por um grupo de famílias que controlam os grandes meios industriais e econômicos (capitalismo), como também o universo socialista. O imperialismo americano nada tem haver com isso, essas famílias se pudessem, destruiriam os EUA para realizar seus intentos de domínio global.

Algumas dessas famílias neo-aristocráticas são bem conhecidas, como os Rockefellers, Os Gates (Bill Gates), os Rotschilds, dentre outros. O mais importante aqui é observarmos que esses grupos privados são hoje os maiores propagadores da geo-engenharia global.

Bill Gates, por exemplo, é um dos maiores entusiastas dessa ideia. Gates, em conjunto com esses outros grupos de elite, tem hoje impulsionado um potente lobby para tornar corrente entre os governos a ideia de que a única forma de reverter o aquecimento global (se é que ele existe) é através da intervenção direta no clima, mediante técnicas de gerenciamento de radiação solar, ou seja, mediante a geo-engenharia climática.

É claro que a verdadeira intenção desta neo-aristocracia vai muito além da falsa preocupação com o suposto aquecimento global. Existem interesses aí que vão desde a redução populacional, até o controle absoluto dos meios alimentícios. Quando vemos, por exemplo, a relação entre Bill Gates e a Monsanto, fica mais fácil compreender alguns aspectos deste mega projeto de engenharia climática.

Um dos efeitos da geo-engenharia que os estudiosos têm observado são as enormes secas que vem acometendo regiões inteiras do planeta. Um caso notório foi a grande seca que em 2012 provocou uma das maiores crises agrícola dos EUA. Ou seja, o esquema é simples: A geoengenharia provoca a seca, o agricultor familiar perde sua lavoura, a Monsanto surge e oferece a ele sementes geneticamente modificadas que resistem mais ao clima seco.

O agricultor compra um lote de sementes, mas as mesmas não se reproduzem (não geram novas mudas) e assim no ano seguinte o agricultor necessita comprar novamente da Monsanto. Desta maneira o que se tem é um controle global da produção de alimentos nas mãos de um pequeno grupo de multinacionais do agronegócio.

Os brasileiros necessitam sair deste atraso intelectual que vivemos atualmente. O mundo girou e nós ficamos estagnados no século passado. As coisas não funcionam mais como no tempo de nossos avós. Existem interesses globalistas de controle e engenharia social que estão passando despercebidos aos olhos da grande maioria, inclusive da classe letrada de nosso país.

A geo-engenharia está aí e é hora de começarmos a nos inteirar sobre o assunto, antes que seja tarde de mais. 


http://3.bp.blogspot.com/-Yy-_7wfix18/U3V5Ds9iWWI/AAAAAAAAA0s/e5xVmaTzKl4/s1600/bill+e+a+geo,+capa.jpg
http://3.bp.blogspot.com/-kSdKPhvRdU0/U3V5EXDPAuI/AAAAAAAAA0w/2BfFfzE-gwc/s1600/Bill+Gates+e+a+geo,+15-05-2014.jpg


Ação humana coloca planeta em nova época geológica.

Posted by  on May 16, 2014
Ação humana coloca planeta em nova época geológica, dizem cientistas.
A atividade humana transformou o planeta de forma tão permanente e vasta nos últimos dois séculos que a Terra entrou em uma nova época geológica, a Antropocena.  É o que defendem cientistas e geólogos que discutirão nesta semana o impacto da ação humana e da natureza sobre os sistemas hídricos globais, na conferência Water in the Anthropocene (Água no Antropoceno, em tradução livre), organizada pelo Global Water System Project (GWSP), em Bonn, na Alemanha.
 A ação humana coloca o planeta em nova época geológica, dizem os cientistas durante a conferência Water in the Anthropocene (Água no Antropoceno, em tradução livre), organizada pelo Global Water System Project (GWSP), em Bonn, na Alemanha.
Edição e imagens:  Thoth3126@gmail.com
Amanda Luz, de Berlim, Alemanha para a BBC Brasil
De acordo com os pesquisadores, o crescimento populacional, a construção de metrópoles, o desmatamento e o uso de combustíveis fósseis provocaram um efeito no planeta comparável ao derretimento de geleiras ocorrido há 11.500 anos ─ evento que marca o início da época Holocena na escala de tempo geológico.  A escala de tempo geológico estabelece eons, eras, períodos, épocas e idades que permitem categorizar as diferentes fases que vão da formação da Terra ao presente.
Acima: Arizona, EUA, rochas sedimentares e fósseis serão utilizados para determinar nova época geológica.
O termo “Antropoceno“, foi cunhado pelo Prêmio Nobel de Química Paul Crutzen em 2000 e adotado por parte da comunidade acadêmica na última década, ainda não é reconhecido oficialmente. Segundo a Comissão Internacional de Estratigrafia (ICS, em inglês), responsável pela definição da escala de tempo da Terra, estamos, ainda, na época Holocena (iniciada há 11.500 anos).
A Holocena, por sua vez, faz parte de espaços de tempo geológicos mais extensos: o período Quaternário (há 1,8 milhões de anos), a era Cenozoica (há 65 milhões de anos) e o éon Fanerozoico (há 543 milhões de anos).
Para uma ciência que trabalha com escalas relativas à história de 4,5 bilhões de anos da Terra, o surgimento do homem (cerca de 200 mil anos atrás) é um fenômeno recente e por isso costumava ocupar uma posição periférica nos estudos geológicos.
Pela primeira vez, no entanto, o assunto está sendo analisado formalmente ─ a ICS convocou especialistas que tem até 2016 para analisar os estratos geológicos e definir o que seria o fim da época Holocena e o início da Antropocena.
O Brasil, que é o segundo país mais rico em água do mundo, exporta não somente produtos agrícolas, mas também exporta virtualmente seus recursos naturais para balancear a ausência de água ou nutrientes do solo em outros países.
Janos Bogardi, vice-reitor da Universidade da ONU
Indícios do Antropoceno
“Reconhecer a ideia do Antropoceno é reconhecer o impacto irreversível das atividades do homem, que afetam não somente os sistemas de água e recursos naturais do planeta, mas também o que essas ações significam no futuro das espécies”, disse à BBC Brasil Janos Bogardi, vice-reitor da Universidade da ONU e um dos moderadores da conferência em Bonn.
Para demarcar mudanças na escala de tempo geológica como a proposta do Antropoceno, geólogos analisam marcas deixadas em rochas sedimentares e organismos fossilizados.
Segundo os especialistas da GWSP, o homem move mais rochas e sedimentos do que as forças do gelo, do vento e da água, acelera processos de erosão e libera mais nitrogênio no ar do que plantas e outros organismos seriam capazes, principalmente desde a segunda metade do século 21.
Mais do que ocupar a superfície da Terra de forma extensa, ─ como já aconteceu em épocas anteriores ─ a urbanização, a globalização e o estilo de vida do homem contemporâneo estão transformando a forma como o planeta funciona. Dados da GWSP comprovam que a ação humana é responsável pelo desmatamento de uma área do tamanho da América do Sul para agricultura e outra do tamanho da África para pecuária, o que teria impactado o clima, o solo e a vida de espécies no planeta.
Exportações indiretas
Ação humana teria causado mudança de Holoceno para o Antropoceno.  Para Bogardi, classificar o atual capítulo da história da Terra de Antropoceno funcionaria não somente como uma mera nomenclatura, mas como um alerta. “As consequências das ações do homem não afetam o planeta apenas de forma local, mas provocam coletivamente um impacto na constituição da Terra e discutir isso serve para minimizar as consequências e danos irreversíveis que afetariam o globo da pior forma no futuro”, diz.
“O Brasil, que é o segundo país mais rico em água do mundo, somente atrás da Rússia, exporta não somente produtos agrícolas para países europeus, mas também exporta virtualmente seus recursos naturais para balancear a ausência de água ou nutrientes do solo em outros países.”
De acordo com Bogardi, o Brasil exporta de forma indireta ─ durante os processos de produção agrícola e pecuária para exportação ─ 5,7 quilômetros cúbicos de água por ano somente para a Alemanha.
Por isso, ele defende, debater o uso dos recursos como a água não seria apenas papel do Brasil, mas de um esforço conjunto de países. Mas a discussão sobre a nova época Antropocena seria tanto sobre as “más notícias” e desafios, como sobre oportunidades e qualidades.
“Parte do crescimento econômico e desenvolvimento social que o Brasil vive hoje vem dessa enorme potencialidade do uso de recursos, por exemplo, então a proposta não é acabar com a ação humana no planeta, mas debater como fazer isso de forma sustentável para o futuro”, explica.
Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

Mudança nos Polos: Norte muda muito rápido, Sul se arrasta…

Posted by  on May 16, 2014
Mudança nos Pólos: Norte muda muito rápido, Pólo Sul se arrasta
Enquanto a velocidade da Terra no  deslocamento do Pólo Norte magnético foi drasticamente acelerado ultimamente a cerca de 34 milhas por ano (55 km), vamos olhar o que está acontecendo com o Pólo Sul magnético
Existem três coisas que não podem ser escondidas por muito tempo: a  Lua, o Sol e a VERDADE  Sidhartha Gautama
Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@gmail.com
NOAA – National Oceanic Atmospheric Administration (NOAA-National Geofísic Data Center)
Todo campo magnético planetário tem dois pólos, Norte e Sul, por exemplo, e alguém pode pensar que o que está acontecendo com um pólo estaria acontecendo (num movimento inverso?) no seu pólo oposto. No caso dos pólos de nosso planeta não é bem assim. 
Acima, mapa com diagrama das mudanças de locais durante a movimentação do Pólo Sul Magnético, feitas durante os últimos 400 anos, também.
Bem, como parece, Pólo Sul magnético da terra não está se comportando de forma semelhante ao seu pólo norte oposto. Na verdade, a deriva, ou deslocamento do Pólo Sul, esta é realmente desacelerando! Atualmente só se moveu 3 milhas (5 km) por ano, apenas um décimo da velocidade de mudança do norte! 
( As coordenadas geográficas dos dados dos Pólos Norte e Sul são provenientes do banco de dados do Centro Nacional de Dados Geofísicos do NOAA – National Oceanic Atmospheric Administration dos EUA (NOAA-National Geofísic Data Center)
Não só isso, mas é interessante notar que tanto os pólos magnéticos norte e sul estão favorecendo um lado da terra – o pólo sul esta  favorecendo muito um lado, e continua a se mover para longe de sua localização original. O pólo sul magnético esta realmente já há 1,800 milhas (2,900 km) de distância do verdadeiro pólo sul da Terra! Esse é um substancial deslocamento.
O pólo norte magnético está muito próximo do polo norte verdadeiro e esta “apenas” a cerca de 380 milhas (610 km) de distância do mesmo. 
 Acima: O  Pólo Sul Magnético já percorreu 1.800 milhas (2.880 quilômetros) durante os últimos 400 anos, desde a sua localização original 
Quando a terra é visualizada com seus pólos magnéticos se deslocando e favorecendo mais um lado do planeta do que o outro (isso foi durante algum tempo – embora o pólo sul magnético está se movendo mais ainda para um lado do que para o outro), juntamente com a grande variação na velocidade de deslocamento entre o norte e o sul, as explicações podem parecer bizarras. Como nós sabemos o campo magnético da Terra é gerado pela rotação do seu núcleo de ferro fundido líquido exterior  (encapsulando um núcleo interno central de ferro sólido, como um dínamo), estaria uma parte do núcleo exterior se movendo de forma diferente do que o outro?
Acima: O Pólo Norte se deslocou cerca de 380 milhas (610 quilômetros) de seu ponto original nos últimos 400 anos
Poderia o núcleo externo, ou parte dele, ser compensado de alguma forma, fazendo com que o eixo magnético do pólo se transferisse para um dos lados do planeta mais do que para o outro? Isso não irá causar UM ENORME BALANÇO, COMO UM PIÃO NO PLANETA?? Estaria a consistência do ferro mudando em uma parte do núcleo exterior mais do que o outro do Núcleo interno?
Se o núcleo externo esta “centrado” com o resto da terra, e a composição do ferro fundido é considerada relativamente consistente, fazer estas observações indicam que o eixo magnético esta realmente se dobrando ou deformando, na medida em que o eixo magnético atravessa todo o centro do planeta em direção a ambos os Pólos, Norte e Sul? 
Estas são coisas, detalhes e perguntas muito interessantes para se refletir (para alguns de nós), e mesmo sendo apenas um observador casual com mente lógica, não há dúvida de que estas mudanças ocorrendo nos Pólos Magnéticos da Terra são muito poderosas – mesmo que esteja ocorrendo somente em relação ao período da vida atual do planeta.
Dê uma olhada no gráfico ao lado e veja a extrema diferença entre o Pólo Sul do Pólo Norte em relação à velocidade de mudança que está ocorrendo desde cerca de 1930. Como dizem, uma imagem vale mais do que mil palavras …
Algo está acontecendo no norte …
Como vocês podem ver, eu passei muito tempo lidando com gráficos hoje 
Observem a inclinação do eixo dos pólos magnéticos (fotos mais abaixo), e pela indicação bastante precisa para a parte do planeta que é mais favorecido pela proximidade com o eixo magnético.
Mudança do polo sul magnético nos últimos 420 anos. 
 Poderiam os movimentos da crosta terrestre, terremotos e vulcões serem afetados de forma diferente neste lado do planeta do que do outro? O local (por onde passa o eixo, risco em vermelho), esta certamente, bem em cima do anel de fogo do Pacífico, muito perto da área geral da Indonésia  (vulcões mais ativos do mundo e com maior incidência de grandes terremotos), e localizado na parte do mundo onde acontece a maioria dos terremotos, alguns bem devastadores. Poderia ser mera coincidência (?????), mas quem vai dizer … 
 A seguir. Posições atuais dos dois Pólos Magnéticos do Planeta, o Norte e o Sul. A linha em amarelo à direita é o meridiano Norte e Sul  geográfico do Planeta.
Voce verificou a sua bússola ultimamente?
Update: o seguinte trecho de um leitor de E-mail ajuda a esclarecer o que está acontecendo em nosso planeta, a seguir:
A parte líquida do núcleo da Terra é o núcleo externo, o núcleo interno acredita-se que consiste de resíduos sólidos de ferro, níquel e traços de elementos pesados. Uma suposição que muitas pessoas fazem, é que a transição entre o núcleo interno e externo é lisa como a transição entre as camadas de uma cebola.
Isso é totalmente incorreto, a transição entre essas duas estruturas é muito complexa, sendo uma mistura de sólidos, líquidos e entre os estados que podem ter 10cm ou centenas de quilômetros de espessura. Isto, aliado à força de Coriolis (ver animação abaixo) dá origem a correntes parasitas muito complexas no núcleo externo líquido que por sua vez cria um campo magnético muito complexo, que está constantemente mudando.
Muitos textos aproximam o campo magnético da Terra como uma barra de ímã localizado entre os dois pólos geográficos, mas esta é uma simplificação que está sendo muito difícil de descrever em relação com o verdadeiro campo magnético .
É verdade que neste momento a direção do campo predominante no hemisfério norte é o norte, mas a força desse campo varia significativamente de local para local. Se você estudar o campo magnético do planeta ao longo do tempo você vai descobrir que existem áreas de polaridade norte (que sempre estiveram lá) no hemisfério sul e também áreas de polaridade sul no hemisfério norte, o que comporova que já houveram várias mudanças em nosso campo eletromagnético e também dos Pólos Magnéticos.
FORÇA DE CORIOLIS:
Em um sistema de referência (“referencial”) em rotação uniforme, os corpos em movimento, tais como vistos por um observador no mesmo referencial, aparecem sujeitos a uma força perpendicular à direção do seu movimento.
Esta força é chamada Força de Coriolis, em homenagem ao engenheiro francês Gustave-Gaspard Coriolis. Os corpos em movimento em relação ao referencial em rotação aparecem também sujeitos a uma força radial, perpendicular ao eixo de rotaçãoforça centrífuga. 
A força centrífuga e a Força de Coriolis são, portanto, as duas parcelas da força inercial total necessária à correta descrição dos movimentos dos corpos observados a partir de referenciais não inerciais que giram em relação a um referencial inercial.
Sendo parcelas de uma força inercial ou pseudo-força, são também forças inerciais, e portanto não são forças na definição formal do termo. Não se consegue estabelecer a reação do par ação-reação para estas forças.
Saiba mais em:
  1. http://thoth3126.com.br/uma-visao-pessoal/
  2. http://thoth3126.com.br/mudanca-nos-polos-magneticos-a-ciencia-se-dobra-as-profecias/
  3. http://thoth3126.com.br/amas-a-anomalia-magnetica-sobre-o-brasil/
  4. http://thoth3126.com.br/mudanca-nos-polos-norte-muda-muito-rapido-polo-sul-se-arrasta/
  5. http://thoth3126.com.br/vulcao-cumbre-vieja-mega-tsunami-pode-atingir-o-brasil/
  6. http://thoth3126.com.br/mudanca-dos-polos-nortesul-esta-acontecendo-agora/
  7. http://thoth3126.com.br/sinkholes-surgem-por-todo-o-planeta/
Permitida a reprodução desde que mantenha a formatação original e mencione as fontes.
NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO