NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO

Siga este Blog

terça-feira, 13 de maio de 2014

Copa do Mundo: Der Spiegel fala em fiasco do Brasil

Posted by  on May 13, 2014
Brazil-DerSpiegel
Revista alemã afirma que sonho da Copa no Brasil pode virar um fiasco
A “Der Spiegel” dedica dez páginas ao Mundial e prevê que o Brazil, o país do futebol pode ter protestos e tiroteios em vez de festa. O estádio do Maracanã, diz a reportagem, teve a alma roubada e é exemplo de como os políticos brasileiros se distanciaram do povo.
A um mês da Copa, a maior e mais importante revista da Alemanha, a Der Spiegel, faz uma previsão sombria sobre o Mundial no país do futebol. Com o título “Morte e jogos”, o semanário traz em sua capa uma imagem da bola oficial do torneio em chamas caindo sobre o Rio de Janeiro. 
Edição e imagens:  Thoth3126@gmail.com
Revista alemã afirma que sonho da Copa no Brasil pode virar um fiasco
Autoria Mariana Santos / Alexandre Schossler, edição: Rafael Plaisant, data: 12.05.2014
Em três matérias, que juntas somam dez páginas, é apresentado um retrato dos atrasos nas obras, da insatisfação dos brasileiros com os altos custos do evento e dos prováveis embates nas ruas das cidades-sede.
“Justamente no país do futebol, a Copa do Mundo pode virar um fiasco: protestos, greves e tiroteios em vez de festa”, afirma a matéria, assinada pelo jornalista alemão Jens Glüsing e que leva o título de “Gol contra do Brasil”. “As notícias serão sobre protestos e greves, problemas com infraestrutura e violência”, prevê.
CristoredentorBrasil
Enquanto na Alemanha os torcedores já estão vestindo a camisa da seleção nacional, e enfeites e adereços com as cores da bandeira estão à venda nas lojas, no país conhecido pelo carnaval, compara o jornalista, o clima é outro:“Nas favelas do Rio de Janeiro, policiais e traficantes se enfrentam de maneira sangrenta. Em São Paulo, gangues queimam ônibus quase todas as noites.”
Para a Spiegelo clima de festa só vai aparecer se a seleção brasileira vencer o torneio. Mas, caso isso não aconteça, a revista questiona se o país viverá uma onda de violência: “Os jogos vão terminar em pancadaria nas ruas? Políticos e funcionários da Fifa serão perseguidos por uma multidão enfurecida?”
Da promessa a ilusão
A revista traça um paralelo entre o otimismo que tomou conta do país no início dos anos 2000, por conta dos números favoráveis da economia, e as dificuldades vividas pelo Brasil atual para crescer. Apesar da expansão da classe média, que cada vez consome mais e paga mais impostos, os sistemas de saúde e educação continuam sucateados, diz a reportagem, que prossegue: o transporte público é ruim e dois terços das residências no país não têm saneamento básico.
Spiegel avalia que o descontentamento da população com as condições de vida no país agora se mistura ao ódio à Fifa: “A alegria que se via antigamente com a Copa do Mundo transformou-se em irritação com o governo e com a organização”. Exemplo disso, diz o texto, pôde ser observado nos protestos que tomaram conta do país em junho do ano passado, durante a Copa das Confederações.
politicos-Brasil
Caçando elefantes brancos
Em outra matéria, intitulada “Caçando elefantes brancos”, a Spiegel ressalta os valores estratosféricos gastos com a construção de novos estádios – “cerca de €$ 2,7 bilhões de euros (…), talvez até mais, ninguém sabe ao certo”, alfineta a revista, destacando que o Tribunal de Contas da União, o Ministério do Esporte e o Portal da Transparência do governo revelam valores distintos. “Nenhum país gastou tanto com a Copa. E quase tudo foi pago com dinheiro público.”
Enquanto isso, lembra a revista, dos 49 grandes projetos de construção que ficariam como importantes legados do torneio, 13 sequer saíram do papel ou foram drasticamente reduzidos. Entre eles, o trem-bala ligando o Rio a São Paulo, ressalta o semanário alemão.
Assinada pelos jornalistas Jens Glüsing e Maik Grossekathöfer, a matéria diz que a reforma do Maracanã é um exemplo de “como os políticos se distanciaram do povo”, citando as palavras de um professor americano que vive no Rio há cinco anos. A antiga casa do futebol brasileiro “teve sua alma roubada”, diz a publicação.
Protesto-Brasilia
Os políticos do Brasil se distanciaram do povo mais ainda com o aumento da corrupção desenfreada no pais. Um recado já foi dado em junho de 2013, parece que mais precisa ser feito…
Spiegel conta que o estádio, construído em 1950, era um símbolo contra o racismo e a ditadura. “A arquibancada era redonda para que todos pudessem ter a mesma visão do estádio. Não havia divisões. Quando as equipes trocavam de lado, os torcedores davam a volta”, continua.
“E todos podiam entrar. Duzentas mil pessoas cabiam no Maracanã, era o maior estádio do mundo. Os ingressos no anel inferior eram tão baratos que até mesmo mendigos podiam comprá-los. Os franceses tinham a Torre Eiffel. Os americanos, a Estátua da Liberdade. Os brasileiros, o Maracanã.”
Após diversas reformas ao longo dos anos, o estádio virou um shopping center com grama no meio, critica a revista, e os ingressos mais baratos custam 80 reais. “Hoje o Maracanã tem a cara de qualquer estádio da Fifa. Podia estar em Londres, em Frankfurt ou em Yokohama”, lamenta a reportagem. “É uma arena para a televisão, e não para os brasileiros. É um assassinato cultural”.
maracana
Hoje o Maracanã tem a cara de qualquer estádio da Fifa. “É uma arena para a televisão, e não para os brasileiros. É um assassinato cultural”
Violência intrínseca
Spiegel traz ainda uma entrevista com o escritor brasileiro Luiz Ruffato sob o título “Sempre fomos violentos”. Nela, o escritor ressalta os conflitos que marcaram a história do Brasil – extermínio de índios, escravidão, ditadura – e que, para ele, marcaram a sociedade brasileira.
Ruffato causou grande polêmica no ano passado durante a Feira do Livro em Frankfurt , quando o Brasil foi o homenageado do evento. Ele discursou sobre as injustiças sociais e as desigualdades do país, o qual para ele é paradoxal – ora visto como exótico e paradisíaco, ora como um local execrável e violento. DW.DE
Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

A CAMINHO DA COPA - Documentário Completo



O documentário "A Caminho da Copa", desenvolvido pelo Ponto de Mídia Livre Pólis Digital, aborda a diversidade de opiniões a respeito dos impactos, positivos e negativos, da preparação dos megaeventos no cotidiano das principais cidades brasileiras. Raquel Rolnik, Carlos Vainer, Juca Kfouri, Toni Sando, Vicente Cândido e moradores de São Paulo e Rio de Janeiro atingidos por obras urbanas ligadas aos eventos da Copa do Mundo e Olimpíadas são entrevistados no filme.




Veja também o vídeo abaixo, onde Romário Detona A Copa Do Mundo e a Copa Das Confederações No Brasil.

http://filosofiaimortal.blogspot.com.br/2014/05/a-caminho-da-copa-documentario-completo.html

Em visita a Ipatinga Dilma é recebida sob vaias e protesto

Nesta segunda-feira a presidenta Dilma esteve em Ipatinga, onde assinou uma ordem de serviço para duplicação da BR-381. Ao chegar no local da solenidade, a comitiva de Dilma foi recebida sob intensas vaias e protesto por aproximadamente 150 pessoas.
O Governo Federal disponibilizará 2,5 bilhões para a obra, conforme palavras da presidenta.
O evento aconteceu no estacionamento do estádio Ipatingão, e do lado de fora os manifestantes continuaram a manifestação. Um popular que participava da manifestação filmou a chegada da comitiva sob vaias e brados de ordem dos manifestantes.
“O POVO QUER MUDANÇA, PORQUE A DILMA SÓ FAZ LAMBANÇA”
Acompanhe: 
Acontecimentos como este tem sido rotineiros nos últimos tempos, o que mostra a verdadeira insatisfação do povo com o governo de Dilma e a baixa em sua popularidade está sendo refletida nas pesquisas eleitorais, em que a presidenta não para de cair.

Mais importante revista da Alemanha diz que jogos da Copa no Brasil podem terminar em tiroteio o mortes

Publicado por Revolta Brasil em 13 maio
Mais importante revista da Alemanha diz que jogos da Copa no Brasil podem terminar em tiroteio o mortes
Preste bastante atenção, esta é apenas mais uma das muitas críticas internacionais das quais o Brasil vem sendo bombardeado nos últimos tempos, quem não se lembra da cartilha que a própria FIFA fez para orientar turistas sobre o Brasil, recheada de críticas ao país, mas que devido à enorme repercussão, foi retirada do site da Entidade.
“Der Spiegel” dedica dez páginas ao Mundial e prevê que país do futebol pode ter protestos e tiroteios em vez de festa. Maracanã, diz a reportagem, teve a alma roubada e é exemplo de como políticos se distanciaram do povo.
A um mês da Copa, a maior e mais importante revista da Alemanha, a Der Spiegel, faz uma previsão sombria sobre o Mundial no país do futebol. Com o título ‘Morte e jogos’, o semanário traz em sua capa uma imagem da bola oficial do torneio em chamas caindo sobre o Rio de Janeiro. Em três matérias, que juntas somam dez páginas, é apresentado um retrato dos atrasos nas obras, da insatisfação dos brasileiros com os altos custos do evento e dos prováveis embates nas ruas das cidades-sede.
“Justamente no país do futebol, a Copa do Mundo pode virar um fiasco: protestos, greves e tiroteios em vez de festa”, afirma a matéria, assinada pelo jornalista alemão Jens Glüsing e que leva o título de “Gol contra do Brasil”. “As notícias serão sobre protestos e greves, problemas com infraestrutura e violência”, prevê.
Enquanto na Alemanha os torcedores já estão vestindo a camisa da seleção nacional, e enfeites e adereços com as cores da bandeira estão à venda nas lojas, no país conhecido pelo carnaval, compara o jornalista, o clima é outro: “Nas favelas do Rio, policiais e traficantes se enfrentam de maneira sangrenta. Em São Paulo, gangues queimam ônibus quase todas as noites.”
Para a Spiegel, o clima de festa só vai aparecer se a seleção brasileira vencer o torneio. Mas, caso isso não aconteça, a revista questiona se o país viverá uma onda de violência: “Os jogos vão terminar em pancadaria nas ruas? Políticos e funcionários da Fifa serão perseguidos por uma multidão enfurecida?”
Da promessa a ilusão
A revista traça um paralelo entre o otimismo que tomou conta do país no início dos anos 2000, por conta dos números favoráveis da economia, e as dificuldades vividas pelo Brasil atual para crescer. Apesar da expansão da classe média, que cada vez consome mais e paga mais impostos, os sistemas de saúde e educação continuam sucateados, diz a reportagem, que prossegue: o transporte público é ruim e dois terços das residências no país não têm saneamento básico.
A Spiegel avalia que o descontentamento da população com as condições de vida no país agora se mistura ao ódio à Fifa: “A alegria que se via antigamente com a Copa do Mundo transformou-se em irritação com o governo e com a organização”. Exemplo disso, diz o texto, pôde ser observado nos protestos que tomaram conta do país em junho do ano passado, durante a Copa das Confederações.
“Caçando elefantes brancos”
Em outra matéria, intitulada “Caçando elefantes brancos”, a Spiegel ressalta os valores estratosféricos gastos com a construção de novos estádios – “cerca de 2,7 bilhões de euros (…), talvez até mais, ninguém sabe ao certo”, alfineta a revista, destacando que o Tribunal de Contas da União, o Ministério do Esporte e o Portal da Transparência do governo revelam valores distintos. “Nenhum país gastou tanto com a Copa. E quase tudo foi pago com dinheiro público.”
Enquanto isso, lembra a revista, dos 49 grandes projetos de construção que ficariam como importantes legados do torneio, 13 sequer saíram do papel ou foram drasticamente reduzidos. Entre eles, o trem-bala ligando o Rio a São Paulo, ressalta o semanário alemão.
Assinada pelos jornalistas Jens Glüsing e Maik Grossekathöfer, a matéria diz que a reforma do Maracanã é um exemplo de “como os políticos se distanciaram do povo”, citando as palavras de um professor americano que vive no Rio há cinco anos. A antiga casa do futebol brasileiro “teve sua alma roubada”, diz a publicação.
A Spiegel conta que o estádio, construído em 1950, era um símbolo contra o racismo e a ditadura. “A arquibancada era redonda para que todos pudessem ter a mesma visão do estádio. Não havia divisões. Quando as equipes trocavam de lado, os torcedores davam a volta”, continua.
“E todos podiam entrar. Duzentas mil pessoas cabiam no Maracanã, era o maior estádio do mundo. Os ingressos no anel inferior eram tão baratos que até mesmo mendigos podiam comprá-los. Os franceses tinham a Torre Eiffel. Os americanos, a Estátua da Liberdade. Os brasileiros, o Maracanã.”
Após diversas reformas ao longo dos anos, o estádio virou um shopping center com grama no meio, critica a revista, e os ingressos mais baratos custam 80 reais. “Hoje o Maracanã tem a cara de qualquer estádio da Fifa. Podia estar em Londres, em Frankfurt ou em Yokohama”, lamenta a reportagem. “É uma arena para a televisão, e não para os brasileiros. É um assassinato cultural”.
Violência intrínseca
A Spiegel traz ainda uma entrevista com o escritor brasileiro Luiz Ruffato sob o título “Sempre fomos violentos”. Nela, o escritor ressalta os conflitos que marcaram a história do Brasil – extermínio de índios, escravidão, ditadura – e que, para ele, marcaram a sociedade brasileira.

Ruffato causou grande polêmica no ano passado durante a Feira do Livro em Frankfurt , quando o Brasil foi o homenageado do evento. Ele discursou sobre as injustiças sociais e as desigualdades do país, o qual para ele é paradoxal – ora visto como exótico e paradisíaco, ora como um local execrável e violento. Fonte: Der Spiegel via Dw

Por que a esclerose múltipla afeta quatro vezes mais as mulheres?

Tecido de um cérebro feminino (esquerda) afetado pela esclerose múltipla, mostrando níveis muito mais altos de um receptor de vaso sanguíneo (vermelho) do que um cérebro masculino igualmente afetado pela doença (direita). A diferença poderia ajudar a explicar por que a esclerose múltipla afeta muito mais as mulheres do que os homens.[Imagem: Robyn Klein]
Esclerose múltipla
Acaba de ser identificada uma diferença entre os cérebros de homens e mulheres que pode ajudar a explicar porque as mulheres são mais afetadas do que os homens pela esclerose múltipla.
Na esclerose múltipla, uma inflamação causada por células do sistema imunológico da própria pessoa danifica uma camada protetora que envolve as ramificações dos neurônios no cérebro e na coluna vertebral - é por isto que ela é considerada uma doença autoimune.
Esses danos atrapalham o funcionamento das células nervosas e, por vezes, fazem com que elas definhem, interrompendo a comunicação entre os neurônios que é necessária para as funções normais do cérebro, como o movimento e a coordenação.
A doença é quatro vezes mais comum entre as mulheres do que entre os homens.
Gene S1PR2
Agora, estudando camundongos e pessoas, pesquisadores descobriram que as mulheres produzem níveis mais altos do que os homens de uma proteína receptora presente nos vasos sanguíneos, chamada S1PR2.
Além disso, eles verificaram que a proteína - essencialmente um gene - está presente em níveis ainda mais elevados nas áreas do cérebro que normalmente sofrem danos pela esclerose múltipla.
"Foi um momento 'eureca' - os nossos estudos genéticos nos levaram diretamente a este receptor," conta a Dra. Robyn Klein, da Universidade de Washington (EUA). "Quando estudamos sua função nos camundongos, descobrimos que ela pode determinar se as células imunes atravessam os vasos sanguíneos dentro do cérebro. Estas células causam a inflamação que leva à esclerose múltipla."
Rastreador
Há um novo medicamento em teste atualmente que bloqueia outros receptores da mesma família proteica, mas não afeta o gene S1PR2.
Os pesquisadores recomendaram que as equipes envolvidas no desenvolvimento do medicamento desenvolvam uma droga que desabilite a S1PR2.
Mas o processo pode não ser tão simples: o estudo identificou 20 genes que são ativos em diferentes níveis nas regiões mais vulneráveis dos cérebros femininos à doença autoimune - mas eles ainda não sabem o que 16 desses genes fazem.
A equipe da Dra. Klein está agora trabalhando com químicos para projetar um rastreador que permita monitorar os níveis de S1PR2 no cérebro, o que ajudará a compreender exatamente seu papel no desenvolvimento da doença.

Loucura vira epidemia no planeta: 44 milhões de pessoas estão dementes…

Posted by  on May 13, 2014
Estima-se que serão 135 milhões de pessoas em todo o mundo com demência até 2050:
 A pesquisa diz que o número de pessoas vivendo com demência, loucura no mundo todo em 2013 esta estimado em 44 milhões de pessoas (estimativa de 2010 foi de que seria 35 milhões), e que os números globais são esperados para atingir 76 milhões de pessoas afetadas pela loucura, pela insanidade mental em 2030.
A demência humana é tão grande que alguns são levados à morte justamente pelo medo da morte“. Sêneca
Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@gmail.com
Karen Weintraub, Special for USA TODAY 5:41 a.m. EST December 5, 2013
DESTAQUES DA MATÉRIA
  • Número de pessoas que vivem com demência (loucura) em todo o mundo em 2013 é estimado em 44 milhões de pessoas;
  • Relatório diz que a doença de Alzheimer e outras formas de demência já representam uma epidemia global“;
  • Preços de demência têm permanecido relativamente constante na China nas últimas duas décadas
Novas estimativas sugerem que a LOUCURA vai ser um problema global ainda maior do que se pensava anteriormente.
Um resumo da política da Alzheimer’s Disease International (Doença de Alzheimer Internacional) foi liberado nessa última quarta-feira, o órgão é uma federação de organizações de defesa e de pesquisa contra a loucura, estima que 135 milhões de pessoas em todo o mundo estarão vivendo com demência em 2050. Essa previsão revista já é 17% acima das previsões anteriores, em grande parte, impulsionado por aumentos de casos na China e na África Subsaariana.
A pesquisa diz que o número de pessoas vivendo com demência no mundo todo em 2013 esta estimado em 44 milhões (estimativa de 2010 foi de que seria de 35 milhões), e que os números globais são esperados para atingir 76 milhões de pessoas afetadas pela loucura, pela insanidade mental em 2030.
O relatório foi divulgado uma semana antes de uma importante cúpula sobre a demência mental que está agendada para acontecer em Londres, convocada pelo primeiro-ministro britânico, incluindo representantes de oito países das maiores economias do mundo.
Os participantes pretendem desenvolver uma estratégia comum para lidar com a pesquisa e a assistência aos portadores de demência mental, disse Matthew Baumgart, diretor sênior de política pública para a Associação de Alzheimer, um grupo de defesa norte americano que vai participar da cúpula.
“Nós estamos contentes que eles estão se reunindo”, disse ele, mas isso só será apenas um começo. ”Esperamos que eles tenham uma visão compartilhada e de compromisso, mas é igualmente importante que eles persistam neste caminho mais adiante.”
As estimativas revisadas refletiram melhor o peso que a doença de Alzheimer e outras formas de demência/loucura vai provocar nas economias do mundo e em famílias cujos entes queridos que perderam suas memórias e sua capacidade de funcionar normalmente no mundo cotidiano, disse Baumgart.
O relatório diz que a doença de Alzheimer e outras formas de demência representam “uma epidemia global – embora os casos sejam desproporcionalmente concentrados nos países mais ricos e demograficamente mais envelhecidos do mundo, mas a maioria (62%) das pessoas com demência/loucura vive em países de média e baixa  renda, países onde o acesso à proteção social, serviços, apoio e carinho são muito limitados.
Na China, melhores estimativas vieram à luz nos últimos anos, na medida que os dados foram digitalizados e traduzidos em Inglês, diz Igor Rudan, professor de epidemiologia na Universidade de Edimburgo, na Escócia, que muitas vezes trabalha para a Organização Mundial de Saúde. ”Foi como encontrar uma enorme mina de ouro (para pesquisa) que ninguém sabia que existia”, diz Rudan, que co-escreveu um artigo publicado em junho na revista científica The Lancet revendo as estimativas de chineses com demência até 9 milhões, anteriormente calculada em 5 milhões.
A taxa de crescimento da demência têm permanecido relativamente constante na China nas últimas duas décadas, de acordo com Yu-Tzu Wu, uma estudante de doutorado em saúde pública na Universidade de Cambridge, que ajudou a escrever outro artigo sobre o assunto publicado em junho na PLoS ONE . Mas as taxas estão aumentando no Japão e na Coréia, disse ela, sugerindo que em breve subirá mais na China, também.
Os pesquisadores também perceberam que tinham calculado mal o número de pessoas com demência na África subsaariana, disse Rudan.
Anteriormente, eles tinham assumido que todos os casos de demência estariam entre pessoas com mais de 65 anos – e uma vez que são poucos pessoas na África sub-saariana, que atingem esta idade, as taxas de demência na região eram bastante baixas. Mas, apesar de a demência ser rara entre os jovens, a doença ataca alguns indivíduos muito mais cedo, disse Rudan. A inclusão nas estatísticas dessas pessoas com demência precoce empurrou os números para cima, disse ele.
Como as economias melhoram e o tratamento do HIV tem reduzido as mortes por Aids e salvado vidas, mais pessoas na África Subsaariana vivem até uma idade em que a demência é mais comum, disse Baumgart, fator que também é provável elevem os números mais ainda.
Ainda há alguma esperança de que uma melhor compreensão dos fatores que causam a doença e os avanços no seu tratamento sejam capazes de reduzir o número de pessoas que desenvolvem  a loucura/demência, Baumgart e Rudan disseram.
Mas pode ser que o cérebro humano simplesmente não foi projetado para funcionar bem após os 85 anos, quando cerca de 40% das pessoas apresentam demência – um número que continua a aumentar com a idade, disse Rudan.
“Parece ser o nosso próprio limite biológico”, disse ele. ”Isso vai afetar todos nós, e a menos que descubramos o que fazer sobre isso, vamos estar em apuros.” 
{n.t. – Excerto do post Anjos Caídos, The Watchers (os Vigilantes):
Nós criaremos medicamentos que irão torná-los mais doentes e causarão outras doenças para as quais nós iremos criar ainda mais medicamentos. Vamos torná-los dóceis e fracos perante nós, usando nosso poder. Eles crescerão com depressão, devagar e obesos, e quando vierem nos pedir ajuda, vamos dar a eles mais venenos.
Nós manteremos suas vidas curtas e suas mentes fracas, enquanto fingimos fazer o contrário. Usaremos nossos conhecimentos de ciência e tecnologia de formas sutis, eles nunca vão ver o que está acontecendo.
Usaremos metais suaves, aceleradores de idade e sedativos nos alimentos e água(FLÚOR), também no ar (CHEMTRAILS). Eles estarão cobertos de venenos em todo lugar que residirem por sua vez. Os metais suaves irão causar-lhes a perda de suas mentes. Iremos prometer encontrar a cura em nossas muitas frentes de pesquisa, no entanto nós iremos alimentá-los com mais venenos.
Os venenos serão absorvidos pela sua pele, boca e respiração, eles vão destruir as suas mentes e sistemas reprodutivos. De tudo isso, seus filhos nascerão mortos, ou defeituosos e nós iremos esconder esta informação. Os venenos estarão escondidos em tudo que os rodeiam, no que eles bebem, comem, respiram e que os desgastam.
Temos que ser espertos na disseminação dos venenos, pois eles veem longe. Nós vamos ensinar-lhes que os venenos são bons, com imagens divertidas e tons musicais na propaganda. Aqueles que assistem até vão nos ajudar. Nós iremos recorrer a eles para empurrar os nossos venenos. Eles irão ver os nossos produtos sendo usados em filmes (n.T. e em tempos mais modernos através da televisão) e irão crescer acostumados com eles e nunca saberão os seus verdadeiros efeitos.
Quando eles nascerem, iremos injetar venenos no sangue de seus filhos e convencê-los que é para  ajudar na sua saúde. Começaremos bem cedo, quando suas mentes são jovens e que terão como alvo os seus filhos com aquilo que as crianças mais amam, coisas doces …- Fim de citação}
Permitida a reprodução desde que mantenha a formatação original e mencione as fontes.

Mudanças climáticas: Forte fenômeno El Niño previsto para 2014

Posted by  on May 13, 2014
elniño-2014.01jpg
Probabilidade de que aconteça um forte El Niño no segundo semestre deste ano aumenta e promete aumento no índice de chuvas para a região sul:
Toda a vez que ele aparece, o EL NIÑObagunça o clima no mundo. É um velho conhecido da região sul do Brasil (e muito conhecido no RS e SC), o fenômeno climático El Niño, – que provoca chuvas acima da média no sul do país –, está em formação.
Edição e imagens:  Thoth3126@gmail.com
A possibilidade de que aconteça um forte El Niño no segundo semestre deste ano aumenta e promete aumento no índice de chuvas para a região sul
Especialistas ainda não confirmam a sua chegada, mas alguns modelos climáticos apontam para que, se confirmado, seja tão intenso quanto foi em 1982 e 1997. Nesses dois anos, os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina viveram dias de horror. O meteorologista Leandro Puchalski, da Central RBS de Meteorologia, explica que há indícios de que este ano será um dos mais fortes dos últimos tempos:
– Só no final do inverno (setembro 2014) teremos a certeza de que ele está configurado e mais para perto desta data conseguiremos traçar a sua intensidade. Sabemos que o El Niño aumenta o volume de chuva, mas é preciso saber se elas serão bem distribuídas ou não”.
elnino-santa-catarina
Excesso de chuvas torrenciais costumam castigar a região sul do Brasil quando ocorre o fenômeno climático El Niño, previsto para acontecer em 2014 com grande intensidade.
Dentre os sinais abordados pelo especialista estão a diminuição do vento e o aumento da temperatura do Oceano Pacífico. Conforme o meteorologista Luiz Kondraski, do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), o Pacífico Equatorial tem se mantido desde abril com a temperatura da água na superfície 5°C acima da média. O El Niño tem por característica atuar entre os meses de outubro e fevereiro, sendo dezembro o pico de ação, com maiores índices acumulados de chuva.
Independentemente da comprovação de que o El Niño vai se configurar, segundo a meteorologista Thaize Banoni, da Somar Meteorologia, a partir de junho e julho a tendência é de que as frentes frias cheguem ao sul do país e não consigam avançar para o norte, provocando grandes índices acumulados de chuva. 
Um forte aumento nas temperaturas do Oceano Pacífico e o rápido movimento de águas quentes na direção do leste aumentaram a preocupação de que neste ano o fenômeno El Niño possa ser um dos mais fortes em muitas décadas, disse um cientista australiano especializado em clima.
elniño-2014
O fenômeno climático El Niño –o aquecimento das temperaturas da superfície do mar no Pacífico– afeta os padrões das correntes de vento e pode desencadear tanto muita chuva com grandes inundações como secas em diferentes partes do globo, reduzindo o suprimento de alimentos.
A maioria dos modelos de previsão do tempo indica que o El Niño pode se desenvolver por volta de meados do ano, mas ainda é muito cedo para avaliar sua força, disse a Organização Meteorológica Mundial, da ONU, em 15 de abril de 2014.
De acordo com o cientista Wenju Cai, especialista em clima da Organização de Pesquisa Industrial e Científica da Commonwealth, na Austrália, a elevação das temperaturas no oceano Pacífico acima das vistas nos El Niño de anos anteriores e o rápido movimento da água quente em direção ao leste fizeram crescer o medo de um fenômeno significativo este ano.
“Acho que este evento tem muitas das características de um El Niño forte”, disse Wenju Cai.
elnino-inverno-quente-seco-eua
Um forte El Niño no hemisfério sul poderá provocar um inverno mais quente e seco na América do Norte.
“Um forte El Niño aparece cedo e nós vimos esse evento ao longo dos últimos dois meses, o que é incomum; o vento que causou o aquecimento é bem amplo e há o que chamamos de efeitos pré-condicionados, nos quais é preciso haver uma grande quantidade de calor no sistema para que haja um grande fenômeno El Niño.”
Ele baseou suas conclusões em informações divulgadas pela Administração Nacional Atmosférica e Oceânica dos EUA-NOAAUm forte El Niño iria também elevar a preocupação de que muitas commodities essenciais na Ásia e Austrália sejam afetadas.
Saiba mais sobre mudanças climáticas em:
  1. http://thoth3126.com.br/supervulcao-de-yellowstone-e-25-vezes-maior-do-que-se-pensava/
  2. http://thoth3126.com.br/vulcao-cumbre-vieja-mega-tsunami-pode-atingir-o-brasil/
  3. http://thoth3126.com.br/o-futuro-dos-eua-por-ned-dougherty/
  4. http://thoth3126.com.br/mudanca-nos-polos-magneticos-a-ciencia-se-dobra-as-profecias/
  5. http://thoth3126.com.br/super-vulcao-em-yellowstone-pode-destruir-os-eua/
  6. http://thoth3126.com.br/uma-visao-pessoal/
  7. http://thoth3126.com.br/yellowstone-forte-tremor-no-super-vulcao
  8. http://thoth3126.com.br/mudanca-nos-polos-magneticos-a-ciencia-se-dobra-as-profecias/
  9. http://thoth3126.com.br/yellowstone-erupcao-levaria-a-evacuacao-dos-eua-para-o-brasil/
Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.
NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO