NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO

Siga este Blog

terça-feira, 23 de setembro de 2014

“Eles sabem exatamente o que estão fazendo”, diz político iraquiano sobre Estado Islâmico

Ahmad Chalabi
O político iraquiano Ahmad Chalabi desempenhou um papel infame ao estimular a invasão norte-americana em seu país em 2003. Em entrevista à Spiegel, ele falou sobre a ascensão do Estado Islâmico, por que o Ocidente julgou mal os jihadistas e se é chegado o momento de cooperar com Assad.
Spiegel: Sr. Chalabi, quão próximos os combatentes do Estado Islâmico estão de Bagdá?
Chalabi: Eles estão a 26 quilômetros de distância. Isso é perigosamente perto, mas a situação está calma no momento e o Estado Islâmico não fez mais nenhum avanço em Bagdá. Graças a Deus.
Spiegel: Você acredita que eles vão atacar?
Chalabi: Faz tempo que os extremistas levaram seu terror a Bagdá. O Estado Islâmico enviou seus homens-bomba, detonou explosivos na frente das nossas casas. Eu poderia mostrar pedaços de um carro-bomba que foram lançados sobre o nosso telhado não faz muito tempo. Mas o Estado Islâmico não tentará atacar Bagdá militarmente. Entre os seis milhões de residentes na cidade, quatro milhões são xiitas. E quase todo adulto xiita na cidade tem uma arma. O Estado Islâmico sabe bem que será pulverizado em uma luta brutal de casa em casa.
Spiegel: Mesmo assim, muitos moradores de Bagdá fugiram enquanto outros começaram a fazer preparativos pelo menos.
Chalabi: Esses relatos são exagerados. Não estamos em pânico porque sabemos que o Estado Islâmico não é capaz de conquistar a capital.
Spiegel: Até recentemente também parecia impossível que o Estado Islâmico pudesse tomar a segunda maior cidade do Iraque. Mas agora, Mosul está sob controle dos jihadistas.
Chalabi: Sim, mas a situação era diferente em Mosul. Lá existem árabes, curdos, turcomanos e yazidis morando lá, todos eles sofreram com o governo central sectário. Eles se sentiam traídos e excluídos da participação no governo. O que aconteceu lá era previsível. Seis meses antes, nós já tínhamos indícios claros de que o Estado Islâmico estava se preparando para atacar. Os islamistas há muito vêm coletando seus próprios impostos em Mosul, totalizando cerca de US$ 5 milhões por mês. No início de janeiro, o presidente curso Masoud Barzani alertou o governo quanto a um desastre iminente.
Spiegel: E o governo não fez nada?
Chalabi: Não. Maliki enxergava o Estado Islâmico como uma forma de exercer pressão. Se eu não for reeleito, o terror recairá sobre vocês – esta era a mensagem dele.
Spiegel: O Estado Islâmico teria conseguido conquistar ainda mais territórios se o governo autônomo curdo não tivesse partido para o ataque?
Chalabi: O feito dos curdos foi surpreendente, tanto militar quanto diplomaticamente. Governos europeus reconheceram isso e abandonaram sua resistência ao envio de armas. A Alemanha, também, agiu corretamente. Agora, precisamos de uma liderança militar conjunta para que os curdos e o exército possam retomar Mosul.
Spiegel: Os curdos acreditam que estão mais próximos do que nunca de ter seu próprio estado. Você não está preocupado com a secessão?
Chalabi: Os curdos sabem que não conquistarão seu próprio estado pela força das armas, mas através do reconhecimento internacional. E eles certamente ouviram o que o ministro de exterior alemão disse em relação ao envio de armas: não há um estado curdo. Mas isso não dever impedir que os curdos continuem desenvolvendo suas próprias instituições. Ainda assim, a melhor coisa para eles seria continuar como parte do Iraque, mas em troca temos de tratá-los com respeito – sua nacionalidade, sua língua e sua cultura.
Spiegel: E se isso não for suficiente para os curdos?
Chalabi: Então isso não significaria o fim para o Iraque. A Alemanha perdeu o leste da Prússia. A Alemanha não é um país forte hoje de qualquer forma?
Spiegel: Na Síria, o Estado Islâmico está lutando contra grupos de oposição que se rebelam contra o presidente Bashar al-Assad, que os deixou sozinhos como resultado. Mas agora, os jihadistas também estão colocando o regime em risco. Você acredita que Assad se arrepende de não ter perseguido o Estado Islâmico antes?
Chalabi: Não, não acredito. Sim, os islamitas hoje são os únicos que podem oferecer uma resistência significativa. Depois de tomar Mosul, o Estado Islâmico enviou 75 caminhões cheios de armas capturadas de nosso exército para a Síria. Mas o Estado Islâmico também enfraqueceu todas aquelas forças que poderiam ser perigosas para Assad. Dessa forma, ele foi capaz de se concentrar em solidificar seu poder em áreas metropolitanas como Damasco e na costa. Agora estamos diante da questão: qual é o mal menor?
Spiegel: E qual é a sua resposta para esta pergunta?
Chalabi: Eu acho que está claro. Precisamos de uma frente unida contra o Estado Islâmico e Assad acaba sendo o poder decisivo que pode lutar contra eles. Mas a situação é incongruente porque também temos de respeitar os pedidos de mudança. Eu seria favorável a uma mudança digna.
Spiegel: Um diplomata sênior norte-americano em Bagdá nos contou que os combatentes do Estado Islâmico são “sociopatas liderados por psicopatas”.
Chalabi: Isso pode se aplicar aos combatentes do Ocidente que se sentem excluídos na Europa e vêm para cá por esse motivo. Mas os líderes são ex-oficiais do exército iraquiano ou professores. Eles não são psicopatas, eles sabem exatamente o que estão fazendo, são muito bem organizados e têm uma hierarquia rígida.
Spiegel: O que é tão fascinante em relação ao Estado Islâmico que centenas de sunitas estão correndo para se juntar a ele?
Chalabi: O Estado Islâmico não é corrupto. Isso o torna muito atraente em um país como o Iraque. E é claro muitos se sentem atraídos por seu sucesso militar. Pela primeira vez, os sunitas têm uma força de luta efetiva. Para os sunitas, o Estado Islâmico tem uma função similar à do Hezbollah para os xiitas. Antes de conquistar Mosul, o Estado Islâmico tinha talvez 10 mil combatentes, mas agora ele tem muito mais. A taxa de recrutamento deles é imensamente alta: a cada mês, cerca de 2.000 homens são treinados. E seu sucesso se irradia para a Jordânia, Líbia e Península Arábica – e até a lugares distantes como o Mali e o Paquistão.
Spiegel: Mas a espinha dorsal do Estado Islâmico são os clãs sunitas que Maliki basicamente obrigou a apoiarem a revolta.
Chalabi: Muitos sunitas se juntaram ao Estado Islâmico porque sentiram que estavam sendo maltratados. Reconquistar sua confiança é a primeira tarefa do novo governo. Isso será difícil, mas é possível.
Spiegel: Qual será o próximo campo de batalha?
Chalabi: O Estado Islâmico está seguindo uma estratégia clara. Primeiro, quer solidificar seu poder no Iraque e na Síria. Então, seus guerrilheiros tentarão avançar para a costa mediterrânea da Síria. Se tiverem sucesso, isso será visto como seu próximo grande triunfo. E então, seu alvo será a Jordânia, onde as coisas serão fáceis para eles. O Estado Islâmico já tem um amplo apoio em muitas cidades lá. E quando chegarem lá, será novamente uma grande surpresa para todos.
Spiegel: Por que nós estávamos tão errados sobre a situação no Iraque e na Síria?
Chalabi: Vocês pensavam que o Estado Islâmico era apenas um bando de homens armados e subestimavam a capacidade estratégica e militar dele. Quando os clãs sunitas perto de Fallujah se rebelaram no início do ano, o Estado Islâmico da Síria enviou apenas 150 combatentes. Agora, os extremistas controlam uma imensa área no Iraque. Até os ataques aéreos dos EUA começarem, eles podiam se movimentar com total liberdade.
Spiegel: O presidente norte-americano Barack Obama anunciou sua intenção de expandir os ataques aéreos contra os combatentes do Estado Islâmico para a Síria. Esta declaração de guerra contra os terroristas é bem-vinda para você?
Chalabi: Espero que possamos nos valer desta nova abordagem direta. É uma vergonha, mas sem o apoio norte-americano, o Estado Islâmico teria tomado muitos outros lugares no Iraque. Ontem mesmo, eles quiseram capturar a represa de Haditha, mas os ataques aéreos os impediram. Agora, nosso exército precisa fazer o melhor uso dessa assistência.
Spiegel: Você acredita que os EUA podem impedir o Estado Islâmico apenas com ataques aéreos?
Chalabi: Não, tropas efetivas de infantaria também são necessárias. A coalizão anti-Estado Islâmico precisa ser totalmente realista nesta questão.
Spiegel: Você não faria oposição ao apoio em solo?
Chalabi: Os EUA já estão nos apoiando com cerca de mil especialistas. Mas deveriam ficar por aí. Sou contra uma grande intervenção militar com tropas de infantaria. Isso não ajudaria.
Spiegel: Quando o último soldado norte-americano foi retirado do Iraque em 2011, Obama disse que o país era um estado soberano, independente e democrático. Isso foi uma mentira ou uma avaliação extremamente equivocada?
Chalabi: Na época, o presidente estava disposto a fazer qualquer coisa para sair de lá. Ele tinha prometido retirar os soldados durante a campanha e tinha que cumprir a promessa, não importava o preço.
Spiegel: Quando você observa o cenário hoje, o terror, o sofrimento humano, a miséria econômica, você ainda acredita que valeu a pena se livrar de Saddam Hussein? E você se arrepende de ter fornecido informações falsas para os EUA para justificar a invasão de 2003?
Chalabi: Eu não me arrependo de nada. E nós não fornecemos nenhuma informação falsa. Fornecemos aos norte-americanos três informantes e também demos a eles nossa avaliação. Mas a decisão de invadir foi tomada pelos norte-americanos sozinhos. E, por mais difícil que a situação esteja atualmente no Iraque, foi correto derrubar Saddam Hussein. Não tínhamos futuro com ele. Hoje, pelo menos temos esperança de que tempos melhores virão.
Spiegel: Sr. Chalabi, agradecemos por esta entrevista.
Fonte: Der Spiegel via Informante

http://noticia-final.blogspot.com.br/2014/09/eles-sabem-exatamente-o-que-estao.html
NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO