Siga este Blog

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

O que fazer se a terceira guerra mundial começar?

Foto de arquivo

Parece que, nos últimos tempos, o mundo enlouqueceu. As informações dos locais de combate não param durante todo o dia. A mídia insiste implacavelmente em informações sobre a quantidade de mortos e as filas de refugiados que diariamente aumentam devido a bombardeamentos.

O psicólogo Takhir Bazarov, professor da Universidade Estatal de Moscou Lomonossov, dá conselhos, em uma entrevista concedida à Voz da Rússia, como não entrar em pânico e deixar de pensar na possibilidade do início da terceira guerra mundial.
– Como não ceder à histeria em massa e por que é que semelhantes ideias surgem na véspera do centenário da primeira guerra mundial?
– Depois de cem anos do início da primeira guerra mundial, o pressentimento da ameaça crescente de uma terceira guerra torna-se particularmente evidente. Há cem anos atrás, a humanidade (a civilização europeia, antes de tudo) confrontou-se pela primeira vez com o fenómeno da “guerra mundial”. O que significa isso?
Principalmente, a mudança radical da forma de vida de milhões de pessoas. Embora, para os habitantes da Europa, o tempo que antecedeu a guerra não tivesse sido particularmente feliz ou relaxante, era um tempo de esperanças e expectativas de um futuro previsível. E, de súbito, milhões de vítimas humanas, a mudança radical da organização do mundo. E, o principal, a impossibilidade de influir nos acontecimentos. As preferências individuais, a existência de opinião própria tornaram-se insignificantes perante o rosto da ideia nacional de grupo.
Depois, veio a segunda guerra mundial, que, ainda em maior grau, reduziu o preço da vida humana. Foi precisamente esta guerra que mostrou de que forma a violência de um homem contra outro pode ser fácil, até que ponto é difícil resistir a essa violência. Essa é a primeira causa do medo das pessoas. Estas conservaram a memória histórica de guerras anteriores.
A base do medo é, antes de tudo, o receio pela própria vida e pelo destino dos seus parentes. Mas, além disso, o medo de se tornar cruel para enfrentar a crueldade. No que respeita às formas de não se deixar cair na histeria de massas, há apenas duas. Primeira, trata-se da orientação para a compreensão racional da situação. Segunda, a atividade no que depende de nós.
Do ponto de vista da primeira, é completamente claro que não pode haver qualquer terceira guerra mundial. Qualquer confronto militar global será, hoje, uma catástrofe universal. Trata-se de uma guerra onde não haverá vencedores, nem vencidos. Pode-se imaginar quem ousará lançar-se em semelhante loucura? Do ponto de vista da segunda, quando aumenta a tensão, é importante garantir para si e os seus próximos as condições maximamente seguras de vida.
– Segundo o senhor, como se deve comportar uma pessoa preocupada com o seu futuro e o futuro dos seus próximos? Deve preparar-se para um possível conflito militar ou colocar de lado a ideia da possibilidade de uma guerra e continuar vivendo como sempre?
– Antes de tudo, a pessoa deve manter-se realista e com atenção. Toda a sua preparação para possíveis excessos é a garantia de um lugar de residência seguro e a criação de um mundo circundante viável. Se disparam sobre você mísseis e minas, é preciso ter um refúgio que o defenda. Se existe a possibilidade de abandonar esse lugar, é preciso fazer isso. Fazem parte da zona de segurança também os vizinhos com quem é preciso estabelecer boa comunicação e boas relações, que pressupõem confiança e ajuda mútua.
– Quando a mídia mostra diariamente dezenas de imagens dos locais de ações armadas na Ucrânia e na fronteira de Israel com a Palestina, o que podemos fazer para evitar o sentimento opressor de ameaça eminente?
Antes de tudo, é minimizar o caráter traumatizante da influência dos mídia, prestar-lhes menos atenção, ver programas com temas positivos. É preciso deixar de ser um recetor passivo de tudo o que a mídia propõe. Uma análise própria, mesmo que curta e não muito profunda, do que se lê ou se ouve na TV, pode ter um efeito positivo. A algumas pessoas ajudam o trabalho ou a ocupação preferida, a que se podem dedicar com paixão. Além disso, resta sempre uma receita absolutamente garantida para ultrapassar o medo ou a depressão: prestar ajuda aos que dela necessitam.

NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO