Siga este Blog

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Libéria combaterá Ebola com o Fuzil

Atirar  é a ordem dada pelas Forças Armada da Libéria cautelosa com surto de Ebola-



Forças Armadas da Libéria supostamente deram ordens para atirar em pessoas que tentem atravessar vindos ilegalmente da fronteira da vizinha Serra Leoa, que foi fechada para conter a propagação do vírus Ebola.
Os soldados estacionados nos municípios de Bomi e Grand Cape Mount, que fazem fronteira com a Serra Leoa, tem ordens para 'atirar se ver «qualquer pessoa tentando atravessar a fronteira, disse o vice-chefe do Estado Maior, Coronel Eric Dennis, de acordo com o jornal local Daily Observer.
A ordem vem após funcionários da fronteira relataram  que as pessoas continuam a cruzar a fronteira porosa ilegalmente.
Grand Cape Mount  tem 35 pontos de entrada 'ilegais', conhecido de acordo com o comandante da imigração coronel Samuel Mulbah.
Travessias ilegais são uma grande ameaça à saúde, disse Mulbah ', porque não sabemos o estado de saúde das pessoas que atravessam a noite'.
  Libéria fechou suas fronteiras com a Serra Leoa semanas atrás, em uma tentativa de conter o surto fora de controle de Ebola, que matou mais de 1.100 pessoas na África Ocidental.
O anúncio foi feito depois que os moradores de uma favela próxima à capital invadiram um centro de isolamento e liberado para 30 pacientes Ebola, jornal local Front Page África relatou.
"Enquanto eu falo a delegacia está deserta.  Não há segurança agora em West Point, "residente Moisés Teah foi citado como dizendo.
  O no-break para protestar contra as más condições nos centros de quarentena Ebola tem levantado temores de que o vírus mortal se espalhou pela favela.
  "Eu vi pessoas doentes sendo retiradas do Centro  de Ebola. Alguns levavam para casa para cuidar deles ", disse Teah.
Outros moradores, que supostamente continuam a negar a existência de Ebola, saquearam o centro de quarentena, roubando colchões, roupas de cama dos pacientes manchadas de sangue, utensílios de cozinha e medicamentos, de acordo com relatos da mídia.
  Alguns liberianos acreditam que o surto de Ebola foi uma manobra do governo para garantir a ajuda externa, o Observer Daily.
  Liberianos também criticam governo por não prestação de serviços suficientes para pacientes  com Ebola, incluindo os cuidados de saúde, alimentação e enterros seguros.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que um "enorme aumento de escala da resposta internacional" é necessário para obter o surto sob controle.
  Em  15 de agosto nota-se 2127 casos e 1145 mortes foram registradas a partir de Guiné, Libéria, Nigéria e Serra Leoa.
  Na Libéria, houve 786 casos suspeitos e confirmados, segundo a OMS, dos quais 413 pessoas morreram.
O surto atual é causado pela estirpe mais letal na família de vírus do Ebola.
Ebola provoca hemorragias maciças e tem uma taxa de mortalidade de até 90 por cento.
  É transmitida pelo contato com sangue e outros fluidos corporais.

http://www.skynews.com.au

NÃO DEIXE DE CLICAR NOS ANÚNCIOS DESTE, VOCÊ ESTARA AJUDANDO A PERMANENCIA DO MESMO. OBRIGADO