Seguidores

Seja Bem Vindo

Noticias que você não ouve ou vê na mídia.

CLICK NA IMAGEM


quarta-feira, 15 de abril de 2015

Queima de dinheiro público – Auditoria aponta R$ 1,2 bilhão em pensões indevidas

Publicado por Revolta Brasil em 14 abril
Queima de dinheiro público – Auditoria aponta R$ 1,2 bilhão em pensões indevidas
R$ 1,2 bilhão de benefícios indevidos, isso mesmo, dinheiro público sendo “queimado” enquanto o país passa por uma das maiores crises financeiras de sua história.
Entre os relacionados existem servidores que tiveram seus benefícios reajustados em cerca de 200% em 3 anos e outros que recebem mais do que o teto do funcionalismo público.
Empenhado num ajuste fiscal para “salvar” as contas públicas, o governo federal pagou nos últimos quatro anos pensões indevidas a “filhas solteiras” de servidores que eram, na prática, casadas ou até do sexo masculino. Bancou também benefícios para “filhos” de funcionários públicos nascidos mais de um ano após a morte dos pais. E houve quem recebesse auxílio-creche sem ter, nos registros oficiais, nenhuma criança em casa.
Os exemplos constam de uma extensa lista de irregularidades detectadas pela Controladoria-Geral da União (CGU) na folha de pagamentos da administração direta, de autarquias e fundações. Por ano, ela consome R$ 129 bilhões para remunerar 1,2 milhão de trabalhadores da ativa, aposentados e pensionistas.
Na relação também estão servidores que conseguiram reajustes superiores a 200% num período de três anos; além de outros que extrapolam o teto do funcionalismo público. Há ainda inúmeros outros casos que desafiam o tempo e a lógica. Por exemplo, “filho” ganhando pensão de pai mais jovem.
As conclusões foram obtidas após o cruzamento de informações da folha de pagamentos de 259 órgãos com dados de outros sistemas oficiais. O trabalho foi feito em períodos de 2011, 2012, 2013 e 2014.
Na maioria dos casos, a CGU mandou corrigir o que chama de “inconsistências”, causadoras de prejuízo, logo que descobertas. Com os cortes, houve economia de R$ 1,2 bilhão até dezembro do ano passado, conforme relatório do órgão. (Istoé, editado por Revolta Brasil)

Postagens populares

Comentaristas